DO RISO DE NIETZSCHE E COMO É POSSÍVEL UMA EXPERIÊNCIA FORMATIVA ORIENTADA PELA DÚVIDA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rles.v28i56.4797

Palavras-chave:

riso, formação, dúvida, experiência, Nietzsche

Resumo

Neste artigo, propomos compreender o riso que habita a obra do filósofo alemão Friedrich Nietzsche, mais especificamente, em Zaratustra e A Gaia Ciência, como catalisador de uma experiência formativa, considerando seu potencial de pôr em dúvida as certezas, as verdades e as normatividades, abrindo espaço ao devir, ao novo, ao desconhecido. Propomos tratar este riso como uma força capaz de romper processos que tendem a nos solidificar ontologicamente, em nome de uma formação que nos eleve a capacidade de criação e transformação da realidade de que fazemos parte. Um riso que movimenta o trágico, e que pode nos fazer alçar voo, em nome de uma existência, em última instância, criadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Hardt, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Possui Graduação em História pela Unisinos, Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina( UFSC) . É líder do Grupo de pesquisa GRAFIA no qual coordena um sub: grupo: Bio-Grafia/Nietzsche. Integra o grupo Hermenêuticas da cultura, do mundo e educação como vice lider. Membro do Grupo SUR PAIDEIA que reúne pesquisadores do Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. Realizou estágio pós-doutoral na Universidade De Stuttgart/Alemanha no ano de 2019. Bolsista em produtividade em pesquisa-PQ-2

Stefania Peixer Lorenzini, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Graduada no curso de Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, da Universidade Federal de Santa Catarina. Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, na linha de Filosofia da Educação. Atualmente é Professora Substituta pelo MEN - UFSC.

Referências

ALBERTI, Verena. O Riso e o Risível: na história do pensamento. São Paulo: Jorge Zahar Editor, 2002.

FOUCAULT, Michel. A Coragem da Verdade. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamentos. (Ditos & Escritos; II). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

MACHADO, Roberto. A alegria e o trágico. In: DIAS, Rosa; VANDERLEI, Sabina; BARROS, Tiago (orgs). Leituras de Zaratustra. Rio de Janeiro: Mauad X – FAPERJ, 2011.

MEDEIROS, Maria Gessi-Leila; LAURENTINO, Maria da Cruz Soares da Cunha. Os Corpos (In) Disciplinados nas “Escolas de Vidro” Versus Corpos em Devir e Propostas de Cultura de Paz. Linguagens, Educação e Sociedade – Teresina, ano 18, n. 28, jan./jun. 2013.

MARTON, Scarlett. O Eterno Retorno do Mesmo, a Concepção Básica de Zaratustra. Cadernos Nietzsche, Guarulhos/Porto Seguro, v.37, n.2, p. 11-46, julho/setembro, 2016.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim Falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. Crepúsculo dos Ídolos ou Como se filosofa com o martelo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

NIETZSCHE, Friedrich. Obras Incompletas/Friedrich Nietzsche. LEBRUN, Gérard (org). São Paulo: Editora 34, 2014.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre História. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Ed. Loyola, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. O Nascimento da Tragédia. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

Downloads

Publicado

2024-01-17

Como Citar

Hardt, L., & Lorenzini, S. P. . (2024). DO RISO DE NIETZSCHE E COMO É POSSÍVEL UMA EXPERIÊNCIA FORMATIVA ORIENTADA PELA DÚVIDA. Linguagens, Educação E Sociedade, 28(56), 1 - 26. https://doi.org/10.26694/rles.v28i56.4797