LECTURA DE TEXTOS DE DIVULGACIÓN CIENTÍFICA EN LA ENSEÑANZA SECUNDARIA: UN ANÁLISIS DE LA PRÁCTICA DOCENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rles.v28i56.4961

Palavras-chave:

Ensino, Leitura, Textos de divulgação científica, Ensino secundário

Resumo

O ensino de leitura tem recebido atenção especial, principalmente após as avaliações nacionais e internacionais, que mostram o baixo nível de compreensão leitora dos alunos brasileiros do ensino médio. Esta pesquisa teve como objeto de estudo a incidência da concepção de leitura como decodificação, subjacente à prática pedagógica nas aulas de leitura de divulgação científica no nível médio, a fim de compreender a relação entre essa concepção e a seleção de procedimentos didático-pedagógicos que os professores realizam para suas práticas, com vistas ao lugar dado ao aluno como protagonista na construção dos sentidos do texto. O objetivo deste artigo é refletir sobre a didática da leitura de textos populares de ciências e descrever o percurso desde a escolha dos textos e das atividades propostas pelos professores até revelar as dimensões e categorias de análise que demonstram a viabilidade da análise de conteúdo para analisar o corpus. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, observação da prática docente e grupos focais. A concepção de texto como produto acabado e de leitura como descodificação ou expressão do pensamento sobrepôs-se à concepção de leitura como interação. Assim, verificou-se que, no espaço da sala de aula de leitura acadêmico-científica o texto não é entendido como processo, e a leitura não é concebida como coprodução de sentidos. Daí, a necessidade de formação contínua dos professores e de novos estudos sobre esse tema, mesmo nos níveis pré-universitários de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Maria de Oliveira Ferreira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano

Doutora em Educação (UNR- Arg). Mestre em Educação Agrícola (UFRRJ). Professora de Língua  Portuguesa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IFBAIANO). Membro do grupo de pesquisa (NGEAALC-UNEB).

Carolina Tramallino, Universidad Nacional de Rosario - UNR

Profesora en Letras recibida en la Universidad Nacional de Rosario, Argentina y Dra. en Humanidades y Artes con mención en Lingüítica por la misma casa de estudios. Es investigadora del Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET) de Argentina y Profesora Adjunta en las cátedras de Lingüística General I de la carrera de Letras y de Metodología de la Investigación Lingüística de la escuela de Lenguas de la UNR.

César Costa Vitorino, Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Letras (PUCRS).  Professor Adjunto da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e líder do grupo de pesquisa NGEAALC/UNEB, Vice-Coordenador temporário do Mestrado MPIES, Professor Permanente do Mestrado MPIES

Referências

ALVES FILHO, F. Linguística textual e análise do discurso. In: Linguística textual: interfaces e delimitações. (homenagem a Ingedore G. V. Koch). SOUZA, E. R. F de; PENHAVEL, E.; CINTRA, M. R. São Paulo: Cortez, 2017, p. 335- 356.

ARNOUX, E., BORSINGER, A., CARLINO, P., DI STEFANO, M., PEREIRA C. y SILVESTRI, A. La intervención pedagógica en el proceso de escritura de tesis de posgrado. Revista de la Maestría en Salud Pública, 2 (3), p. 1-16, 2004.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BAUER, M. W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. São Paulo: Editora Vozes, 2013, p. 189- 217.

CARLINO, P.; Alfabetización académica diez años después; Consejo Mexicano de Investigación Educativa; Revista Mexicana de Investigación Educativa; XVIII; 57; n. 6, p. 355-381, 2013.

CAUTELA DE ALMEIDA MACHADO, M. L..; DA SILVA VIDAL CID LOPES, P.; SANTANA, A. P. OS SENTIDOS DA ALFABETIZAÇÃO NA BNCC: LEITURAS A PARTIR DA PERSPECTIVA ENUNCIATIVA-DISCURSIVA DE LINGUAGEM. Linguagens, Educação e Sociedade, [S. l.], v. 26, n. 52, p. 50-81, 2022. DOI: 10.26694/rles.v26i52.2989. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/2989. Acesso em: 18 out. 2023.

CIAPUSCIO, G. E. La terminología desde el punto de vista textual: selección, tratamiento y variación, Porto Alegre: Organon, 2000.

COELHO, I. M.; WEIRICH da Silva. Letramento crítico e exercício da problematização no desenvolvimento da compreensão leitora nas aulas de línguas. Linguagens, Educação e Sociedade, n.55, v.27,2023.

FERREIRA, E. M. B.; CORREIA, J. R.; FERNANDES, V. M. C. O programa alfabetiza Maranhão e suas implicações para a formação de leitores e produtores de textos. Linguagens, Educação, Sociedade, Teresina, Ano 25, n. 44, 2020.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, 2005

GERALDI, J. W. A aula como acontecimento. São Paulo: Pedro & João, 2010.

GONFIANTINI, V. El kairos educativo: re- significar la formación docente desde la práctica del formador. Rosario: Laborde Libros, 2016.

HERNÁNDEZ SAMPIERI, R.; FERNÁNDEZ COLLADO, C., BAPTISTA LUCIO, M. del P. Metodología de la investigación (6° ed.). México: McGraw Hill Interamericana, 2014.

KOCH, I. G. V. e CUNHA-LIMA. Do cognitivismo ao sociocognitivismo en F. Mussalin y A. C. Bentes (Orgs.), Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos (Vol. 3). São Paulo: Cortez, 2005, p. 251- 298

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto (6 ed.). São Paulo: Cortez, 2009.

KLEIMAN, A. B. Oficina de leitura. 10ed. Campinas, São Paulo: Ática, 2004.

KLEIMAN, A. B. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura: Pontes, 2013.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Metodologia Científica. 2ed. São Paulo: Editora Atlas, 1992.

LOPEZ Da Silva L. C.; GUEDES, N.C. A formação continuada de professores e a escola

como lócus de aprendizagem. Linguagens, Educação, Sociedade, 2022

LUDWIG, A. C. Fundamentos e prática de metodologia científica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão (3 ed.). São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MINAYO, M. C. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2011

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SIMÕES, D. Ensinando a documentar o pensamento. In: COELHO, F. A. e PALOMANES, R.(Orgs). Ensino de produção textual. São Paulo: Contexto, 2016, p. 75-86.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Trad. Cláudia Schilling. 6ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. São Paulo: Vozes, 2002

TRAMALLINO, C. P.; SAN MARTÍN, P. S. Hacia la co-construcción de un dispositivo hipermedial dinámico para el proceso de escritura de artículos científicos en español de estudiantes de postgrado. Lengua y Sociedad, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 261–282, 2023. DOI: 10.15381/lengsoc.v22i2.24389. Disponível em: https://revistasinvestigacion.unmsm.edu.pe/index.php/lenguaysociedad/article/view/24389. Acesso em: 20 oct. 2023.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VYGOTSKY (2001). Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: L. S. Vygotsky, A.R. Luria y A. N. Leontiev, Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (7 ed). São Paulo: Ícone, 2001, p. 103-119

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar (Trad. Ernani F da F. Rosa). Porto Alegre: Artmed, 1998.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

de Oliveira Ferreira, E. M. ., Tramallino, C., & Costa Vitorino, C. . (2024). LECTURA DE TEXTOS DE DIVULGACIÓN CIENTÍFICA EN LA ENSEÑANZA SECUNDARIA: UN ANÁLISIS DE LA PRÁCTICA DOCENTE . Linguagens, Educação E Sociedade, 28(56), 1 - 28. https://doi.org/10.26694/rles.v28i56.4961