O LUGAR DA VELHICE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EJA: ANÁLISE DE CONHECIMENTOS EM GERONTOLOGIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rles.v28i56.4071

Palavras-chave:

Formação de professores, Educação de Jovens e Adultos, Conhecimentos gerontológicos, Gerontologia educacional

Resumo

O presente artigo apresenta o resultado de uma investigação sobre “O lugar da velhice na formação de professores da EJA: uma análise de crenças, atitudes e conhecimentos gerontológicos” e tem por objetivo identificar o nível de conhecimento que os professores da EJA têm sobre o processo de envelhecimento, a velhice e o idoso. Para tal utilizou o Questionário Palmore-Neri-Cachioni e um questionário sociodemográfico. Como resultados identificou que os professores apresentam um baixo nível de conhecimento básico em Gerontologia, o que pode encontrar forte relação com iniciativas de formações docentes e produção de material formativo que não conseguiram alcançar o objetivo esperado. O Brasil é um dos países com a maior taxa de envelhecimento no mundo, o que significa que a cada dia avançamos para uma realidade onde mais e mais indivíduos chegarão à velhice, demandando um aporte social que dê conta de suas necessidades, entre elas as necessidades educacionais. É urgente que uma formação de professores que contemple os conhecimentos gerontológicos em seu bojo, a fim de superar os preconceitos e exclusões que as pessoas idosas sofrem fora e dentro das escolas.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Everton Willian de Oliveira Cavalcanti, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professor de Educação Física vinculado à Secretaria de Educação do Município de Igarassu, Pernambuco, Brasil. E-mail: ewocavalcanti@gmail.com.

Márcia Regina Barbosa, Universidade Federal de Pernambuco

Pós/Doutorado em Ciências da Educação pela Universidade de Coimbra (UC). Professora Associada 3 na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco, Brasil. E-mail: marcia.barbosa@ufpe.br.

Nayana Pinheiro Tavares, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Pós-Doutorado em Políticas Comparadas de Envelhecimento Ativo e o papel da Educação pela Universidade de Salamanca (US). Professora Adjunta na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife, Pernambuco, Brasil.  E-mail: nayana.pinheiro@ufrpe.br.

Referências

ARROYO, M. G. Formar educadoras e educadores de jovens e adultos. In: SOARES, L (org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, SECAD-MEC, UNESCO, 2006.

ARROYO, M. G. A educação de jovens e adultos em tempos de exclusão. In: CONTRUÇÃO COLETIVA. Contribuições à educação de jovens e adultos. 2ª ed. Brasília: UNESCO, MEC, RAAAB, 2008. p. 221-230

BEAUVOIR, S. A velhice. Simone de Beauvoir; tradução Maria Helena Franco Martins – 2ª ed. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB 1, de 5 de julho de 2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2000.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm>

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CACHIONI, M. Formação profissional, motivos e crenças relativas à velhice e ao desenvolvimento pessoal entre professores de Universidades da Terceira Idade. 2002. 302 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253643

CACHIONI, M; NERI, A. Educação e gerontologia: desafios e oportunidades. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 1(1), p. 99-115, Passo Fundo, 2004. Disponível em: <https://doi.org/10.5335/rbceh.2012.49>

CAVALCANTI, E. W. de O. O lugar da velhice na escola: atitudes de crianças em relação à velhice. 2018, 89 f. Monografia (Licenciatura em Educação Física) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2018.

CAVALCANTI, E. W. de O. O lugar da velhice na formação de professores da EJA: uma análise de crenças, atitudes e conhecimentos gerontológicos. 2022, 179 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2022.

CAVALCANTI, E. W. de O; SILVA, C. F. S. da; LIMA, P. V. L; TAVARES, N. P. Concepções sobre a velhice e atitudes de crianças: um estudo das percepções de crianças do ensino fundamental de escolas públicas do Recife. Anais do VI Congresso Internacional de Envelhecimento Humano. Campina Grande: Realize Editora, 2019. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/53392

FERREIRA, V. M; RUIZ, T. Atitudes e conhecimentos de agentes comunitários de saúde e suas relações com idosos. Rev. Saúde Pública. v. 46, nº 5, p. 843-849, 2012.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Tradução: Rosisca Darcy de Oliveira. 7ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

FREIRE, P. 3ª Comissão. Tema: A educação de adultos e as populações marginais: o problema dos mocambos. In: Relatório final do Seminário Regional de Educação de Adultos, preparatório ao II Congresso Nacional de Educação de Adultos – Pernambuco [1958]. Em Aberto. v. 26, n. 90, p. 145-156, Brasília, jul./dez. 2013. p. 151-153.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 75ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

GAMBOA, S. A. S. Quantidade-qualidade: para além de um dualismo técnico e de uma dicotomia epistemológica. In: SANTOS FILHO, J. C. dos; GAMBOA, S. A. S. (orgs.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GREEN, S. Attitudes and perceptions about elderly: current and future perspectives. Int’L. J. Aging na Human Development. v. 13, nº 5, p. 99- 119, 1981.

HARRIS, D. K; CHANGAS, P. S; PALMORE, E. B. (1996). Palmore’s first facts on aging quiz in a multiple‐choice format. Educational Gerontology. v. 22, nº 6, p. 575–589, 1996. DOI:10.1080/0360127960220605

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo técnico: Censo da Educação Básica 2018 [recurso eletrônico]. – Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2019.

LINS, T. Gerontólogo educacional brasileiro: a construção do modelo brasileiro. Revista Kairós Gerontologia. v. 16, nº 3, p. 117-140. São Paulo, 2013.

LOPES, A. P. N; BURGARDT, V. M. Idoso: um perfil de alunos na EJA e o mercado de trabalho. Est. Interdisc. Envelhec., v. 18, nº 2, p. 311-330, Porto Alegre, 2013.

LUCHESI, B. M. Crianças que convivem com idosos: atitudes em relação à velhice e percepção sobre demência. 192 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Programa de Pós Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de São Carlos, 2011.

MARCONI, M. de A; LAKATOS, E. M. Fundamentos da Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARQUES, D. T; PACHAME, G. G. Formação de educadores: uma perspectiva de educação de idosas em programas de EJA. Educação e Pesquisa. v. 36, nº 2, p. 475-490, maio/ago. São Paulo, 2010.

MINAYO, M. C. S; (org.). Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. 18ª ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

NERI, A; FREIRE, S. A. E por falar em boa velhice. 1ª ed. Campinas: Papirus, 2000.

OSTROM, T. M. The relationship between the affective, behavioral, and cognitive components of attitude. Journal of Experimental Social Psychology. v. 5, p. 12 – 30. 1969.

PALMORE, E. Facts on Aging: A Short Quiz. The Gerontologist. v.17, nº 4, p. 315–320, 1977.DOI:10.1093/geront/17.4.315

PEREIRA, J. M. M. A escola do riso e do esquecimento: idosas na educação de jovens e adultos. Educ. foco, v 16, nº 2, p. 11-38, set/fev. Juiz de Fora, 2011.

PEREIRA, J. M. M. The Facts on Aging Quiz: A Review of Findings. The Gerontologist. v. 20, nº 6, p. 669–672, 1980. DOI:10.1093/geront/20.6.669

PERNAMBUCO. Lei 12.109 de 26 de novembro de 2001. Dispõe sobre a Política Estadual da Pessoa Idosa. (Redação alterada pelo art. 1° da Lei n° 16.652, de 2 de outubro de 2019.) 2001. Disponível em: < https://legis.alepe.pe.gov.br/texto.aspx?tiponorma=1&numero=12109&complemento=0&ano=2001&tipo=&url=#:~:text=integra%C3%A7%C3%A3o%20e%20participa%C3%A7%C3%A3o.-,Art.,%C2%B0%20de%20janeiro%20de%202018.)>

PERNAMBUCO. Secretaria de Educação. Caderno de Orientação Pedagógica de Atenção à Pessoa Idosa. Coordenação Pedagógica e Elaboração do Caderno Jaciane Gomes Souza de Lima e Silva et al.; Apresentação Ana Selva. Recife: A Secretaria, 2017.

PETERSON, D. A. Educational Gerontology: The State of the Art. Educational Gerontology, 1:1, 61-73, London, 1976. DOI: 10.1080/03601277.1976.12049517

SANTIAGO, E; BATISTA NETO, J. Formação de professores e prática pedagógica na perspectiva freireana. Educar em Revista, Curitiba, n. 61, p. 127-141, jul./set. 2016.

SOARES, L. (org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, SECAD-MEC, UNESCO, 2006.

SOARES, L. O educador de jovens e adultos e sua formação. Educação em revista. Belo Horizonte, nº 47, p. 83-100, jun, 2008.

SOARES, L; SIMÕES, F. M. A formação inicial do educador de jovens e adultos. Educação e Realidade. v. 29, nº 2, p. 25-39, 2004.

SOUZA, J. F. de. Atualidade em Paulo Freire: contribuição ao debate sobre a educação na diversidade cultural. Recife: Bagaço, 2001, 260p.

TODARO, M. de A. Desenvolvimento e avaliação de um programa de leitura visando à mudança de atitudes de crianças em relação a idosos. 2008, 166 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

VIEIRA, A. D. F. P; GOMES, L. de O; MORAES, C. F; NÓBREGA, O. T. Capacitação, conhecimentos e crenças de medicos da atenção primária à saúde relacionados ao envelhecimento. Rev. Kairós Gerontologia, v. 22, nº 1, p. 329-352, 2019.

Downloads

Publicado

2024-01-15

Como Citar

de Oliveira Cavalcanti, E. W., Barbosa, M. R., & Pinheiro Tavares, N. (2024). O LUGAR DA VELHICE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EJA: ANÁLISE DE CONHECIMENTOS EM GERONTOLOGIA. Linguagens, Educação E Sociedade, 28(56), 1 - 27. https://doi.org/10.26694/rles.v28i56.4071