FRONTEIRAS (TRANS) FORMADORAS: SUBJETIVIDADES NA LETRA DE COTA NÃO É ESMOLA

Autores

Palavras-chave:

Educação; Feminismo Negro; Hip-Hop; Interseccionalidade; Subjetividade.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo analisar a letra da música Cota Não É Esmola, de Bia Ferreira (2018), buscando apresentar como as fronteiras existentes para o acesso à Educação Formal atravessam a subjetividade de mulheres negras que podem, pelas suas resistências, produzir (trans)formações. A canção escolhida faz parte do Movimento Hip-Hop, ferramenta artística de construção e compartilhamento de conhecimentos produzidos no cotidiano de seus autores e, portanto, ferramenta que integra e estimula aspectos constitutivos da Educação Não-Formal. Estamos filiados à teoria foucaultiana do Discurso e também aos Estudos Feministas Negros. Utilizamos em nossas análises a materialidade linguística e a interseccionalidade presentes. Essa análise nos possibilitou apontar como as fronteiras se confundem e como em suas margens surgem manifestações únicas e impossíveis em outros espaços. Observamos, também, em Cota Não É Esmola, uma resistência questionadora dos Processos Educativos, apontamos as interdições pautadas na racialização dos sujeitos e as regularidades encontradas na subordinação interseccional estrutural: o dilema entre a sobrevivência e o acesso à Educação Formal desde o ensino básico até o superior e as (trans)formações subjetivas acarretadas pelo racismo nas mulheres negras e periféricas. Mesmo atravessadas pelos discursos racista, capitalista e patriarcal dominantes, atos transgressivos e subversivos podem alterar os efeitos de sentido desses discursos. Concluímos que Movimento Hip-Hop pode auxiliar os Processos Educativos da Educação Formal e, ainda, integrar a elaboração de Políticas Públicas de Inclusão e de Lazer das populações negras e periféricas jovens.

Referências

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo. Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

BETHUNÉ, C. A propósito da expressão “menor”: o que o rap faz à cultura dominante. In AMARAL, C.; CARRIL, L (Orgs.). O hip-hop e as diásporas africanas na modernidade: uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. São Paulo. Alameda, 2015. p. 27-48.

CARNEIRO, S. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano, v. 49, p. 49-58, 2003.

CARNEIRO, S. A. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339 f. Tese (Doutorado) - Curso de Filosofia da Educação, Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CARNEIRO, S. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

COLLINS, P. H. Pensamento Feminista Negro. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista estudos feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

DAVIS, A. Mulheres, Cultura e Política. São Paulo: Boitempo, 2017.

FERREIRA, B. Bia Ferreira – Cota Não É Esmola. Youtube. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=QcQIaoHajoM, acesso em 10/04/2020.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 23a Ed. São Paulo. Loyola, 2013.

FOUCAULT, M. Sujeito e poder, apêndice da primeira edição (1982). DREYFUS, HL; RABINOW, P. Michael Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 273-295, 2010.

GONZALEZ, L. O movimento negro na última década. In: GONZALEZ, L; HASENBALG, C. Lugar de Negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982. p. 9-66.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

GUATTARI, F; DELEUZE, G. Kafka: por uma literatura menor. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

GUATARRI, F; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 12º. Ed. Petrópolis - RJ: Vozes, 2013.

hooks, b. Ensinando a transgredir. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

hooks, b. Olhares negros; raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

LEÃO, M.A; FERREIRA, J.O. Arte e cidadania: hip-hop e educação. In AMARAL, C; CARRIL, L (Orgs.). O hip-hop e as diásporas africanas na modernidade: uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. São Paulo: Alameda, 2015. p. 111-132.

LORDE, A. Não existe hierarquia de opressão. 2015. Instituto da Mulher Negra. Disponível em: https://www.geledes.org.br/nao-existe-hierarquia-de-opressao/. Acesso em: 08/04/2020.

MARTINS, J.D.S. Fronteira: à degradação do Outro nos confins. 2ª Ed. São Paulo. Contexto, 2012.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios & procedimentos. Campinas – SP: Pontes, 2012.

OSUMARE, H. "Marginalidades Conectivas" do hip hop na diáspora africana: os casos de Cuba e do Brasil. In AMARAL, M. do; CARRIL, L. (Org.). O Hip Hop e as diásporas africanas na modernidade: Uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. São Paulo: Alameda, 2015. p. 63 – 92.

PEDROSO JUNIOR, N. Jacques Derrida e a desconstrução: uma introdução. Revista Encontros de Vista, v. 5, p. 9-20, 2010.

PEREIRA, A. A. Influências externas, circulação de referenciais e a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil: idas e vindas no “Atlântico Negro”. Ciências e Letras, Porto Alegre, n. 44, p. 215-236, 2008.

PIZA, E. Porta de vidro: entrada para a branquitude. In CARONE, I; BENTO, M.A.S. (2014) (Orgs.). Psicologia Social do Racismo: Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. 6ª Ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2014. p. 59-90.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americana. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro, p. 107-130, 2005.

RATTS, A; RIOS, F. Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro, 2010.

SANTOS, M. F. dos. A moral religiosa em músicas sertanejas: sentidos do Bem e do Mal. Dissertação (Mestrado em Ciências da Linguagem) - Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre, 2015.

SOUSA FILHO, Alípio. Ideologia e transgressão. Revista Psicologia Política, Porto Alegre; v. 11, n. 22, p. 207-224, 2011.

TEPERMAN, R. Se liga no sim: as transformações do rap no Brasil. 1. Ed. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

VALENTE, A.L. Ser negro no Brasil Hoje. São Paulo: Moderna, 1987.

Downloads

Publicado

2022-04-07

Como Citar

Farias Gomes, V., & Neves Sathler, C. (2022). FRONTEIRAS (TRANS) FORMADORAS: SUBJETIVIDADES NA LETRA DE COTA NÃO É ESMOLA. Linguagens, Educação E Sociedade, (48). Recuperado de https://periodicos.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/2489

Edição

Seção

Artigos