DIVERSIDADE DE GÊNERO: A DESCONSTRUÇÃO DE BARREIRAS SÓCIOS COMPORTAMENTAIS EM BUSCA DO ENFRENTAMENTO DO BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2778

Palavras-chave:

Diversidade de gênero. Bullying. Propostas pedagógicas.

Resumo

Informar, desmistificar conceitos, quebrar tabus e combater preconceitos, são práticas de responsabilidade social de toda uma sociedade, mas sobretudo da escola, que por sua característica acolhedora, influenciadora e reflexiva, inegavelmente promove encontros e discussões dos mais variados núcleos e caracterizações humanas. Em seu contexto cotidiano regular, a escola abrange em seu dia a dia, aspectos sócio comportamentais, emocionais, étnicos-raciais, econômicos, de gênero e de sexualidade e, portanto, a adoção de posturas de combate ao preconceito e de valorização da inclusão da diversidade em suas variadas dimensões, mostram-se cada vez mais relevantes e urgentes, indo ao encontro de demandas pela busca por direitos de igualdade e oportunidades, anseios esses, tão buscados em nossa sociedade atual. Pensando em contribuir, identificar e reconhecer condutas pedagógicas que promovam a ampliação e a conscientização da diversidade sexual e de gênero, buscamos demonstrar, por meio da pesquisa bibliográfica, que a escola pode ser um local promovedor ao enfrentamento de preconceitos e do bullying, capaz de romper barreiras sócio comportamentais historicamente construídas.

Biografia do Autor

MARIA BEATRIZ RIBEIRO PRANDI-GONÇALVES, Universidade de Ribeirão Preto

Doutora em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Processos Culturais e Subjetivação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP/USP). Mestra em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela FFCLRP/USP. Pedagoga pela UNAERP e Bacharela em Biblioteconomia, Ciências da Informação e da Documentação pela FFCLRP/USP. Atualmente é docente do curso de Pedagogia e atua com suporte às disciplinas e cursos a distância da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP).

CLEISON CAPUZZO SISCATI, Universidade de Ribeirão Preto

Bacharel e Licenciado em Educação Física pelo Claretiano - Centro Universitário de Batatais. Já atuou como monitor de esportes no Serviço Social da Indústria (SESI). Graduando em Pedagogia pela Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Atualmente trabalha como auxiliar operacional I na mesma instituição.

LUZIA BEATRIZ BONATO FERNANDES, Universidade de Ribeirão Preto

Graduanda em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Atualmente é auxiliar operacional I da mesma instituição.

Referências

ALENCAR, R. A. et al. Desenvolvimento de uma proposta de educação sexual para adolescentes. Ciência & Educação, Bauru, v. 14, n. 1, 2008.

BARRETO, A.; ARAÚJO, L.; PEREIRA, M. E. (Org.). Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais - livro de conteúdo. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília: SPM, 2009.

BEAUVOIR, S. O Segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2009.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 1990.

______. Lei nº 9.394, de 26 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22 mar. 2020.

______. Lei nº. 13.185, de 6 de novembro de 2015. Institui o Programa de combate à intimidação sistemática (Bullying). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13185.htm. Acesso em: 06 set. 2020.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica (DCNEB). Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Programa 1377 - Educação para a Diversidade e Cidadania. In: Relatório de Gestão: exercício 2007. Brasília, DF: 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=18671-secadi-relatorio-gestao-mec-2007-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 23 ago. 2020.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural e orientação sexual. Brasília: MEC/SEF, v. 10, 1997.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

CAETANO, M. R. V.; HERNÁNDEZ, J. G. Para além das dicotomias: performances de gênero, sexualidades e questões à escola. Revista Advir, Rio de Janeiro, jul. 2012.

COOLING, L. Gênero e sexualidade na atualidade. Salvador: UFBA, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências; Superintendência de Educação a Distância, 2018.

DE JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012.

FANTE, C. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. Campinas: Verus, 2005. 224 p.

FILHA, C. X. A menina e o menino que brincavam de ser...: representações de gênero e sexualidade em pesquisa com crianças. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 627-646, 2012.

FONSECA, R. M. G. S. A construção da identidade de mulheres e homens como processo histórico-social. São Paulo, Escola de Enfermagem da USP, 2001.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988.

FURLANETTO, M. F. et al. Educação sexual em escolas brasileiras: revisão sistemática da literatura. Cadernos de Pesquisa, v. 48, n. 168, p. 550-571, 2018.

GARCIA, C. C. Breve história do feminismo. São Paulo: Claridade, 2015.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE-revista de administração de empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

LOURO, G. L. Gênero, história e educação: Construção e desconstrução. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n.2, p. 101-132, jul./dez. 1995.

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MANEO, A. Brasil se abstém em votação na ONU contra discriminação de mulheres e meninas. Folha de São Paulo, 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/07/brasil-se-abstem-em-votacao-na-onu-contra-discriminacao-de-mulheres-e-meninas.shtml. Acesso em: 06 set. 2020.

MARQUES, A.; DRAPER, D. Dicionário inglês português/português inglês. 15. ed. São Paulo: Ática, 1996. 560 p.

MARTINELLI, A. Após 28 anos. OMS deixa de classificar transexualidade como doença mental. HuffPostBrasil, 16 jun. 2018. Disponível em: https://www. huffpostbrasil. com/2018/06/18/apos-28-anos-transexualidade-deixade-ser-classificada-como-doenca-pela-oms_a_23462157/. Acesso em: 16 de agosto de 2020.

MINAYO, M. C. Ciência, técnica e arte: o desafio da Pesquisa Social. In: MINAYO, M. C. (org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 09-30.

MOLINA, L. P. P. A homossexualidade e a historiografia e trajetória do movimento homossexual. Antíteses, v. 4, n. 8, p. 931-944, jul.-dez, 2011, Londrina.

OLIVEIRA-MENEGOTTO, L. M.; PASINI, A. I.; LEVANDOWSKI, G. O bullying escolar no Brasil: uma revisão de artigos científicos. Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 15, n. 2, p. 203-215, 2013. Acesso em: agosto /2020.

OLWEUS, D. Bully/victim problems in school: facts and intervention. European Journal of Psychology of Education, 4: 495-510, 1997.

PINSKY, C. B. Estudos de Gênero e História Social. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 296, jan./abr. 2009.

RABELO, A. O. Contribuições dos Estudos de Género às Investigações que Enfocam a Masculinidade. Ex aequo, Vila Franca de Xira, n. 21, p. 161-176, 2010.

RIOS, R. R.; PIOVESAN, F. A discriminação por gênero e por orientação sexual. Seminário Internacional As minorias e o Direito. Brasília, v. 7, p. 156, 2001.

RISTUM, M. Bullying escolar. In: ASSIS, S. G.; CONSTANTINO, P.; AVANCI, J. Q. (org.) Impactos da violência na escola: um diálogo com professores. Rio de Janeiro: Ministério da Educação/ Editora FIOCRUZ, 2010. p. 95-119.

SAMPAIO, L. L. P.; COELHO, M. T. Á. D. A transexualidade na atualidade: discurso científico, político e histórias de vida. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES, 3., 2013. Anais [...] Salvador: UNEB, 2013.

SCHUCHARDT, E. Bullying e algumas propostas de ações de enfrentamento dessa problemática. Americana: Centro Universitário Salesiano de São Paulo, 2012.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, v. 20, n. 2, 1995.

SILVA, A. K. L. Diversidade sexual e de gênero: a construção do sujeito social. Revista do NUFEN, v.5, n.1, 12-25, 2013.

SILVA, S. G. Masculinidade na história: a construção cultural da diferença entre os sexos. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 20, n. 3, p. 8-15, 2000.

THEOBALD, V. D. et al. A universidade inserida na comunidade: conhecimentos, atitudes e comportamentos de adolescentes de uma escola pública frente a doenças sexualmente transmissíveis. Revista AMRIGS, Porto Alegre, v. 56, n. 1, p. 26-31, 2012.

TORO, G. V. R.; NEVES, A. S.; REZENDE, P. C. M. Bullying, o exercício da violência no contexto escolar: reflexões sobre um sintoma social. Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 12, n. 1, p. 123-137, 2010.

UNESCO. Declaração Universal Dos Direitos Humanos. Brasília, DF: 1998. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf. Acesso em: 29 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2022-08-28

Como Citar

RIBEIRO PRANDI-GONÇALVES, M. B. ., CAPUZZO SISCATI, C., & BONATO FERNANDES, L. B. . (2022). DIVERSIDADE DE GÊNERO: A DESCONSTRUÇÃO DE BARREIRAS SÓCIOS COMPORTAMENTAIS EM BUSCA DO ENFRENTAMENTO DO BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR. Linguagens, Educação E Sociedade, 25(49). https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2778