DIREÇÕES ATUAIS DA AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DAS ESCOLAS EM PORTUGAL: APONTAMENTOS FREIREANOS

Autores

  • Henrique Manoel Pereira Ramalho

Palavras-chave:

Regulação e Governança; Administração e Gestão Escolares; Teoria Educacional de Paulo Freire.

Resumo

Este ensaio tece considerações e relações, mais ou menos dissonantes, estabelecidas entre o pensamento fundamental freireano e o atual regime de autonomia, administração e gestão das escolas públicas portuguesas. O objetivo central é contribuir para ressituar as transformações ocorridas na gestão escolar em Portugal, procurando (re)interpretá-las com recurso à teoria educacional de Paulo Freire. Temos em confrontação um texto e respetivas narrativa e racionalidade de pendor oficial, com efeitos prescritivos de um modelo de organização e gestão escolar, e as propostas freireanas sobre a administração da educação. Porquanto, desenvolvemos o nosso ensaio em torno da metodologia do círculo hermenêutico aplicada ao estudo da administração e gestão escolares. Em termos conclusivos asseveramos a tendência para o regime de autonomia e administração das escolas se mostrar refém da ideologia da despolitização da administração pública, subjugando os processos de participação escolar à política de resultados.

Referências

AFONSO, A. O diretor enquanto gestor e as diferentes pressões e dilemas da prestação de contas na escola pública. Roteiro, Joaçaba, Edição Especial, p. 327-344, dez. 2018. Disponível em: https://www.redalyc.org/jatsRepo/3519/351964739013/html/index.html. Acesso em: 27 fev. 2021.

AGLIETTA, M. A Theory of Capitalist Regulatio: the US experience. London: Verso,

AMARAL, M. Política pública educacional e sua dimensão internacional: abordagens teóricas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. especial, p. 039-054, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v36nspe/v36nspea04.pdf. Acesso em: 3 mar. 2021.

AMOS, K. Governança e governamentalidade: relação e relevância de dois conceitos científicosociais proeminentes na educação comparada. Educ. Pesqui., S. Paulo, v. 36, n.º especial, p. 1-12, abr. 2010. Disponível em:

https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517- 97022010000400003. Acesso em: 8 de março 2021.

BANCO MUNDIAL, 1996, Prioridades y estrategias para la educación: examen del Banco Mundial. Washington: Banco Internacional de Reconstrucción y Fomento, 1996. Disponível em: http://documents1.worldbank.org/curated/en/715681468329483128/pdf/14948010spanish.pdf. Acesso em: 8 mar. 2021.

BARROSO, J. (Org.). Regulação das Políticas Públicas de Educação. Espaços, Dinâmicas e Atores. Lisboa: Educa, 2006.

BARZANÒ, G. Culturas de liderança e lógicas de responsabilidade: as experiências de Inglaterra, Itália e Portugal. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão, 2009.

BERTRAND, Y.; VALOIS, P. Paradigmas educacionais: escola e sociedades. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

CAETANO, P. Em torno da hermenêutica da escola: anatomia de uma política em mutação. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 44, e184044, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v44/1517- 9702-ep-44-e184044.pdf. Acesso em: 9 mar. 2021.

CARVALHO, M. A Administração Escolar: racionalidade ou racionalidades? Revista Lusófona de Educação, Lisboa, n. 25, p. 213-229, abr. 2013.

CARVALHO, M. Decreto-Lei n.º 75/2008 para que vos quero? O caso do Agrupamento de Escolas António Sérgio. In: LIMA, L.; SÁ, V.; TORRES, L. (Org.). Diretores Escolares em Ação. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão, 2020. p. 235-281.

CEPAL/UNESCO. Financiamiento y gestión de la educación en América Latina y el Caribe. San Juan, Puerto Rico: CEPAL/UNESCO, 2004. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/13065/S046463_es.pdf?sequence=1. Acesso em: 8 março 2021.

CHAVES, R.; ZWICK, E. Interesse Público e Gerencialismo: sobre algumas contradições do estado neoliberal. In: IV CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2016, Porto Alegre. Anais […]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Estudos Organizacionais. 2016, p. 1-17. Disponível em: file:///C:/Users/Utilizador/Downloads/242-250-1-PB.pdf. Acesso em: 8 mar. 2021.

COMISSÃO EUROPEIA. Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité Das Regiões: Repensar a Educação - Investir nas competências para melhores resultados socioeconómicos. Estrasburgo: Comissão Europeia, 2012. Disponível em: file:///C:/Users/asus/Downloads/COM_2012_669_PT_ACTE_f.pdf. Acesso em: 9 mar. 2021.

D’HOMBRES, E. Régulation par qui? Régulation de quoi? Raisons politiques, Paris, n. 28, p. 127-151, out. 2007.

DINIZ, E. Governabilidade, democracia e reforma do Estado: os desafios da construção de uma nova ordem no Brasil dos anos 90. Dados: Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 38, n. 3, p. 385-415, 1995.

DINIZ, E. Uma perspetiva analítica para a reforma do Estado. Lua Nova, v. 45, n. 98, p. 29-48, (n.d.). Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ln/n45/a03n45.pdf 9 março 2021. Acesso em: 9 mar. 2021.

DIONÍSIO, B. O paradigma da escola eficaz entre a crítica e a apropriação social. Sociologia: Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, Porto, v. xx, p. 305-316, 2010. Disponível em: https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/8802.pdf. Acesso em: 11 mar. 2021.

DUARTE, M. Regulação sistêmica e política de financiamento da Educação Básica. Educ. Soc., Campinas, v. 26, n. 92, p. 821-839, out. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n92/v26n92a06.pdf. Acesso em: 8 mar. 2021.

ESTÊVÃO, C. Abordagens sociológicas outras da escola como organização. In: LIMA, L. (Ed.). Compreender a Escola. Perspetivas de Análise Organizacional. Porto: Edições Asa, 2006. p. 249-286.

FERRAJOLI, L. Pasado y futuro del Estado de Derecho em Neoconstitucionalismo(s). Ed. de Miguel Carbonell. Madri: Ed. Trotta, 2003.

FERREIRA, A. O sentido da Educação Comparada: Uma compreensão sobre a construção de uma identidade. Educação, Porto Alegre, v. 31, n. 2, p. 124-138, maio/ago. 2008. Disponível em: file:///C:/Users/Utilizador/Downloads/2764-Texto%20do%20artigo-9806-1-10-20080314.pdf. Acesso em: 9 mar 2021

FRIEDBERG, E. O poder e a Regra. Dinâmicas da Acção Organizada. Lisboa: Instituto Piaget, 1993.

FREIRE, P. Educação como Prática de Liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, S.A., 1967.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Professora Sim, Tia Não. Cartas a Quem Ousa Ensinar. São Paulo: Olho d’ Água, 1997 (1. ed. 1993).

FREIRE, P. Pedagogia da Indignação. Cartas Pedagógicas e Outros Escritos. 4. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, P. Política e Educação. 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FREITAS, L. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a04v33n119. Acesso em: 11 mar. 2021.

FREITAS, L. Os Reformadores Empresariais da Educação e a Disputa pelo Controle do Processo Pedagógico na Escola. Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1085-1114, out./dez., 2014. Disponível em: file:///C:/Users/Utilizador/Downloads/Os_reformadores_empresariais_da_educacao_e_a_dispu.p df. Acesso em: 11 mar. 2021.

GADAMER, H-G. On the Circle of Understanding. In: CONNOLLY, J. M. & KEUTNER, T. (Org.). Hermeneutics versus science? Three german views. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 2003. p. 68-78. Disponível em: http://faculty.washington.edu/ewebb/R528/Gadamer.pdf. Acesso em: 8 mar. 2021.

GIDDENS, A. Sociologia. 2. Edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

GIMENO SACRISTÁN, J. Os novos liberais e os velhos conservadores perante a educação. A ordem neoliberal nas escolas. In: PACHECO, J. (Org.). Políticas Educativas. O Neoliberalismo em Educação. Porto: Porto Editora, 2001. p. 47-66.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

JONES, P.; COLEMAN, D. The United Nations and education: multilateralism, development and globalisation. London: Routledge Falmer, 2005.

LEMOIGNE, J. L. Régulation des reseaux et reseaux de régulation. Cahier/Groupe Réseaux, Paris, n. 11, p. 1-17, jun. 1988.

LEMOS, V. A influência da OCDE nas políticas públicas de educação em Portugal. 2014. 319 f. Tese (Doutorado em Educação) - Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2014.

LESSARD, C. A Universidade e a Formação Profissional dos Docentes: novos questionamentos. Educação & Sociedade, v. 27, n. 94, p. 201-227, jan./abr. 2002.

LIMA, L. Organização escolar e democracia radical: Paulo Freire e a governação democrática da escola pública. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2000. Disponível em: http://www.acervo.paulofreire.org:8080/jspui/bitstream/7891/4350/2/FPF_PTPF_01_0963.pdf. Acesso em: 11 mar. 2021.

LIMA, L. A Gestão Democrática das Escolas: do autogoverno à ascensão de uma pós-democracia gestionária? Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 129, p. 1067-1083, out./dez., 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01067.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

LIMA, L. Por que é tão difícil democratizar a gestão da escola pública? Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n. 68, p. 15-28, mar./abr. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/v34n68/0104-4060-er-34-68-15.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

LIMA, L. Autonomia e flexibilidade curricular: quando as escolas são desafiadas pelo governo. Revista portuguesa de Investigação Educacional, Porto, n. especial, p. 172-192, 2020. Disponível em: http://www.uceditora.ucp.pt/resources/Documentos/UCEditora/PDF%20Livros/Porto/RPIE%20e special%202020.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

LIMA, L. Paulo Freire e a Governação Democrática da Escola: organização, participação e autonomia, (n.d.). Disponível em: http://www.acervo.paulofreire.org:8080/jspui/bitstream/7891/4350/2/FPF_PTPF_01_0963.pdf. Acesso em: 28 fev. 2021.

LIMA, I. & GANDIN, L. Entendendo o estado gerencial e sua relacao com a educacao: algumas ferramentas de analise. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 7, n. 1, 69-84, jan./jun. 2012. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/3398/2809. Acesso em: 8 mar. 2021.

MAROY, C. Vers une régulation pós-buroeaucratique des systèmes d’enseignement en Europe? Les Cahiers de Recherche en Education et Formation, n. 49, p. 1-30, 2005. MAYNTZ, R. Über Governance. Institutionen und Prozesse politischer Regelung, Frankfurt: Campus, 2009. Disponível em: https://www.econstor.eu/bitstream/10419/209544/1/mpifg-bd62.pdf. Acesso em: 8 março 2021.

MUNDY, K. Educational multilateralism and world (dis)order. Comparative Education Review, Chicago, v. 42, n. 4, p. 448-478, nov. 1998. Disponível em: https://tspace.library.utoronto.ca/bitstream/1807/32094/1/Mundy-Educationmultilateralism.pdf. Acesso em: 8 março 2021.

MELO, M. Reflexos da Reflexividade Mediatizada: os professores do ensino secundário e os rankings escolares. 2007. 471 f. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, Lisboa, 2007.

MACHADO, L. M. Quem embala a escola? Considerações sobre a administração da unidade escolar. In: MACHADO, L. M.; MAIA, G. Z. A. (Org.) Administração e supervisão escolar: questões para o novo milênio. Marília: M3T Tecnologia e Educação, 2008. p. 96-105. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/65503/1/u1_d27_v2_texto_seminario01.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

MASCARENHAS, C. O Ideólogo com Pele de Tecnocrata. 2013. 107 f. Dissertação (Mestrado em Economia e Políticas Publicas) - Escola de Ciências Sociais e Humanas, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2013.

NEWMAN, J.; CLARKE, J. Gerencialismo. Educ. Real, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 353-381, maio/ago. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/edreal/v37n2/03.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

NÓVOA, A. Ilusões e desilusões da Educação comparada: Política e conhecimento. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 51, p. 13-31, 2018. Disponível em: https://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/ESC51_Antonio.pdf. Acesso em: 28 fev. 2021

.

OLIVEIRA, R. Dos conceitos de regulação às suas possibilidades. Saúde Soc. São Paulo, v. 23, n. 4, p. 1198-1208, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n4/0104-1290- sausoc-23-4-1198.pdf. Acesso em: 8 de março 2021.

PARO, V. (2010). Administração Escolar: introdução crítica. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril. Aprova o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário. Lisboa: Assembleia da República, 2008a.

PORTUGAL. Portaria n.º 604/2008, de 9 de julho. Define as regras a observar no procedimento concursal prévio à eleição do diretor, nos termos do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril. Lisboa: Assembleia da República, 2008b.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 224/2009, de 11 de setembro. Procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril. Lisboa: Assembleia da República, 2009.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de julho. Procede à segunda alteração do DecretoLei n.º 75/2008, de 22 de abril. Lisboa: Assembleia da República, 20012.

REIS, I. Governança e Regulação da Educação. Perspetivas e conceitos. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 39, p. 101-118, jan. 2013. Disponível em: file:///C:/Users/Utilizador/Downloads/07.IsauraReis.pdf. Acesso em: 8 março 2021

RAMALHO, H. A anatomia do regime de administração, gestão e autonomia organizacional da escola publica portuguesa: a institucionalização do gerencialismo educacional ou o auge de uma tecnocracia disfarçada? In: Pinhal, J. et al. (Org.). A investigação, a formação, as políticas e as práticas em educação – 30 anos de AFIRSE em Portugal. Lisboa: AFIRSE Portugal e Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2019, p. 1200-1214. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1vG6It-ij_wiKbITggO29BpK6cgbyzcD7/view. Acesso em: 27 fev. 2021.

RITTBERGER, V. (Ed.). Regime theory and international relations. Oxford: Clarendon Press, 1993.

TORRES, L.; SÁ, V.; LIMA, L. Conclusão: concentração de poderes, autonomia operacional, erosão democrática. In: LIMA, L.; SÁ, V.; TORRES, L. (Org.). Diretores Escolares em Ação. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão, 2020. p. 283-298.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAUNDERS, P. Unequal But Fair? A Study of Class Barriers in Britain. Choice in Welfare. Civitas: London, 1996.

SHIROMA, E.; CAMPOS, R. La resignificación de la democracia escolar mediante el discurso gerencial: liderazgo, gestión democrática y géstion participativa. In: Feldfeber M.; OLIVEIRA, D. (Org.). Políticas educativas y trabajo docente: nuevas regulaciones, nuevos sujeitos? Buenos Aires: Ediciones Novedades Educativas, 2006. p. 221-237.

TAYLOR, C. Interpretation and the Sciences of Man. The Review of Metaphysics, v. 25, n. 1, p. 3– 51, 1971. Disponível em: https://static1.squarespace.com/static/55c3972ee4b0632d3480491b/t/56eb3ad537013b8180b9159c/14 58256600062/Taylor_InterpretationandtheSciencesofMan.pdf. Acesso em: 11 fev. 2021.

TEIXEIRA, M.; IWAMOTO, H. Padrões Culturais Avaliativos: uma análise à luz da taxonomia de Fink (2012). Cadernos de Gestão Social, v. 4, n. 2, p. 199-214, jul./dez. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/cgs/article/viewFile/31596/pdf_58. Acesso em: 8 mar. 2021.

WEBER, M. Ciência e Política: duas vocações. Berlim: Dunker & Hunblot (tradução brasileira), 1968.

YOUNG, M. The Rise of the Meritocracy. London: Thames and Hudson, 2008.

Downloads

Publicado

2022-04-07

Como Citar

Pereira Ramalho, H. M. (2022). DIREÇÕES ATUAIS DA AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DAS ESCOLAS EM PORTUGAL: APONTAMENTOS FREIREANOS. Linguagens, Educação E Sociedade, (48). Recuperado de https://periodicos.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/2450

Edição

Seção

Artigos