POLÍTICA EDUCACIONAL E ENSINO MÉDIO PÚBLICO: MATERIAL DIDÁTICO DO SETOR PRIVADO EM MATO GROSSO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rles.v28i57.4379

Palavras-chave:

Ensino Médio, Material didático, Vestibular, Mato Grosso

Resumo

Neste texto, promove-se uma discussão sobre o Ensino Médio público, a partir da análise do material didático produzido pelo setor privado direcionado à etapa, no estado de Mato Grosso, na temática História do Brasil. Debate-se a guinada neoliberal na Educação e sua influência na política educacional. Ademais, a discussão sobre currículo permeia este texto, o qual congrega uma potência de poder à medida que  seleciona e organiza os conteúdos a serem comunicados nos componentes curriculares. Ele pode criar/reforçar determinadas imagens a respeito de eventos e povos, impactando culturalmente. Assim, é realizada uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, que mobiliza a Análise Textual Discursiva para análise dos aspectos do material didático voltado para o 3° ano, produzido pelo Sistema Maxi de Ensino: (a) no modo de apresentação, autoria e abordagem do conteúdo; (b) nas atividades propostas. Conclui-se que o material apresenta hipertextos e imagens que complementam a narrativa histórica empreendida, apresenta atividades discursivas e de múltipla escolha com base em exames vestibulares. Há, inclusive, uma parte intitulada Mais Enem, o que evidencia o foco no exame, hoje considerado um grande vestibular nacional. O material didático a circular nas escolas públicas de Ensino Médio, quanto à História brasileira, merece projetos de currículo cuja perspectiva seja crítica e não reforçadora da visão do colonizador e que considere a especificidade da educação pública, que transcende o vestibular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Ferreira dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Mestre em Educação do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Eveline Ferreira de Moraes, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Mestranda em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Ana Lara Casagrande, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Educação pela Universidade Federal Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP/Rio Claro). Professora Adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil.

Referências

ADRIÃO, T. et al. Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de “sistemas de ensino” por municípios paulistas. Educação & Sociedade, v. 30, n. 108, p. 799–818, out. 2009.

AMIEL, T. Educação Aberta: configurando ambientes, práticas e recursos educacionais. In: SANTANA, B.; ROSSINI, C.; PRETTO, N. de L. (Orgs.). Recursos Educacionais Abertos – práticas colaborativas e políticas públicas. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital, 2012. p. 17-33.

APPLE, M. W. Ideologia e currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARROYO, M. G. Currículo: território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2013.

AULETE, C. Dicionário escolar da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, 2016.

BRASIL. Lei n° 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, 2017.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, 2014.

BRASIL. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. Brasília, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base – Ensino Médio. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf. Acesso em: 26 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 399, de 8 de março de 2023. Institui a consulta pública para a avaliação e reestruturação da política nacional de Ensino Médio. Brasília, 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: história, geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRISKIEVICZ, D. A.; STEIDEL, R. O novo Ensino Médio: desafios e possibilidades. Curitiba: Appris, 2018.

CORRÊA, L. H. A violência sistêmica e autoexplorativa do empresário de si: o paradoxo da liberdade no ethos neoliberal e o consequente adoecimento psíquico na sociedade do cansaço. Revista Espaço Acadêmico, v. 19, n. 216, p. 63-74, jul. 2019.

CURY, C. R. J.; REIS, M.; ZANARDI, T. A. C. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

FERNANDES, N. da S. et al. Programa nacional do livro e do material didático (PNLD): um estudo de seu funcionamento e apresentação das mudanças nos materiais à luz do Novo Ensino Médio a partir de 2021. Conex. Ci. e Tecnol, Fortaleza/CE, v.15, p. 01-10, 2021.

FRIGOTTO, G. Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio. In: FRIGOTTO, G; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Orgs.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005. p. 57-82.

GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. Tomaz da (Org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação: visões críticas. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

GERMINARI, G. D.; MOURA, A. F. Livro didático de história, entre conteúdos e epistemologia. Educação Unisinos, v. 21, n. 1, p. 102-110, 2017.

GRAEBER, D.; WENGROW, D. O despertar de tudo: uma nova história da humanidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

IBGE. Censo Demográfico. Microdados. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9662-censo-demografico-2010.html?=&t=microdados. Acesso em: 05 mar. 2023.

KUENZER, A. Z. Sistema educacional e a formação de trabalhadores: a desqualificação do Ensino Médio Flexível. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, p. 57-66, 2019.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação & Sociedade, v. 38, p. 331-354, 2017.

LIMA, F. G. de; CASAGRANDE, A. L.; SILVA, D. G. da. O novo Ensino Médio e BNCC: o estado de Mato Grosso em foco. Olhar de professor, Ponta Grossa, v. 25, p. 1-25, e-20331.049, 2022.

MACHADO, L. A institucionalização da lógica das competências no Brasil. Pro-posições, Campinas, v. 13, n. 1, p. 92-110, jan./abr. 2002.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

PELED-ELHANAN, N. Ideologia e propaganda na educação: a Palestina nos livros didáticos israelenses. São Paulo: Boitempo, 2019.

RIBEIRO, D. Religião e mitologia Kadiuéu. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Proteção aos Índios, 1950.

RÜSEN, J. Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. da UFPR, 2010.

SANTOS, J. dos. A prática docente na perspectiva histórico-crítica. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO, 6., Londrina. Anais... Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2015. p. 143-157.

SANTOS, L. de S.; JUCÁ, W. G.; SANTOS, L. de S. Crise estrutural e flexibilização curricular: a BNCC e a construção de competências para a educação. Revista Linguagens, Educação e Sociedade - LES, Teresina, v. 27, n. 55, p. 1-23, 2023.

SANTOS, R. S. dos; BIANCHEZZI, C. Livros didáticos de história: análise do uso nos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Eletrônica Mutações, v. 8, n. 14, p. 406-419, 2017.

SEDUC-MT. Secretária de Estado de Educação de Mato Grosso. Governo firma contrato com a FGV e implementa método de ensino inovador na rede estadual, 2021. Disponível em: https://www3.seduc.mt.gov.br/-/18586235-governo-firma-contrato-com-a-fgv-e-implementa-metodo-de-ensino-inovador-na-rede-estadual. Acesso em: 04 jun. 2023.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SISTEMA MAXI DE ENSINO. Ensino Médio 3º Ano: Caderno 4. São Paulo: Maxiprint Editora, 2018.

SISTEMA MAXI DE ENSINO. O Maxi. Disponível em: https://sistemamaxi.com.br/o_maxi. Acesso em: 03 jun. 2023.

Downloads

Publicado

2024-05-03

Como Citar

Santos, A. F. dos, Moraes, E. F. de, & Casagrande, A. L. (2024). POLÍTICA EDUCACIONAL E ENSINO MÉDIO PÚBLICO: MATERIAL DIDÁTICO DO SETOR PRIVADO EM MATO GROSSO . Linguagens, Educação E Sociedade, 28(57), 1 - 30. https://doi.org/10.26694/rles.v28i57.4379