“AS PROPOSTAS BANAIS DA ESCOLA”: PERSPECTIVAS UNIVERSALISTAS DE POLÍTICAS CURRICULARES E SEUS ATRAVESSAMENTOS NOS CAMINHOS DA DOCÊNCIA E DA INFÂNCIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9649

Palavras-chave:

Educação Infantil, Políticas Públicas, Currículo

Resumo

Sob o argumento de desenvolvimento da educação, a produção das políticas curriculares nas últimas décadas, tem ganhado destaque no cenário das políticas públicas. Nesse contexto, a discussão em torno da produção curricular para a infância não tem escapado, apesar de suas especificidades, às políticas universalistas que se pretendem totalitárias, igualitárias, homogêneas. Objetivamos neste artigo discutir as significações produzidas a partir da proposição do PNAIC e da BNCC como políticas de centralização curricular, inquirido os significados para o currículo, para a Educação infantil, para a alfabetização e para a formação. Apoiamo-nos em aportes teóricos pós-estruturalistas, trazendo Bhabha e Derrida como interlocutores para discutirmos o currículo, argumentando em favor de uma prática discursiva e o ato de enunciar como espaço de elaboração de sentidos na perspectiva da diferença. Tais aportes nos ajudam a compreender o professor como curriculista, desafiando a lógica escolar da previsibilidade, da materialização e reificação do currículo, questionando a produção de políticas curriculares como estratégias de hegemonização. Na análise das políticas curriculares como produção discursiva, avançamos para pensar as crianças e suas infâncias, associando-se a uma perspectiva evidenciada pela desconstrução de conceitos rígidos, marcados por um cientificismo colonizador sobre a criança e a infância, aqui evidenciadas no diálogo com Francesco Tonucci e as “propostas banais da escola”.

Biografia do Autor

MARIA CLARA SANTIAGO CAMÕES, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Professora do Colégio Pedro II/ RJ, Brasil. Doutora pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre pela Universidade Federal do Estado do Rio de janeiro (UNIRIO) e especialista em Educação Infantil pela Pontifícia Católica do Rio de janeiro (PUC-RIO). 

CRISTIANE GOMES DE OLIVEIRA, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Técnica em assuntos educacionais no Colégio Pedro II / RJ, Brasil. e professoras das séries iniciais no Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira - CAp-UERJ /RJ, Brasil. Doutora pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre pela Pontifícia Católica do Rio de janeiro (PUC-RIO) e especialista em Educação Infantil pela Pontifícia Católica do Rio de janeiro (PUC-RIO).  

Referências

ABRAMOWICZ, A; TEBET, G.G. de C. Educação Infantil: um balanço a partir do campo das diferenças. Proposições, v.28, 2017.

ABRAMOWICZ, A; VANDENBROECK, M. (Org.). Educação Infantil e diferença. Campinas, SP: Papirus, 2013.

AXER. B. e MACEDO, E. Alfabetizado ( )sim ( )não: O PNAIC e a alfabetização na idade certa. In: Currículo, política e cultura: conversas entre Brasil e Portugal. MACEDO,

Elizabeth; MENEZES, Isabel (orgs.). Curitiba: CRV,2019.v.5. p.131-152.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2013.

BRASIL/MEC. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: formação de professores no pacto nacional pela alfabetização na idade certa Brasília: MEC, SEB,2012. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, MEC, SEB, 2017.

BHABHA, H. K. O Local da Cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2013. 2ª edição. BARREIROS. D. e FRANGELLA, R.C.P. “Chegando à escola: agora sou eu e eles” ― o sentido de docência nas políticas curriculares em questão. Cadernos de Educação/ FaE/PPGE/UFPel | Pelotas [38]: 289 - 313, janeiro/abril 2011.

DERRIDA. J. Força de Lei: o fundamento místico da autoridade. Tradução de Leyla Perrone-Moisés São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

__________. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DIAS, R.E. A docência como “fator” de qualidade para a educação. In: Currículo, política e cultura conversas entre Brasil e Portugal. MACEDO, Elizabeth; MENEZES, Isabel (orgs.). Curitiba: CRV,2019.v.5. p.75-94.

CAMÕES, M.C.S. O currículo como um projeto de infância: afinal o que as crianças têm a dizer? Rio de Janeiro, 2019. Tese de doutorado em educação. Programa de Pós-Graduação em educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

FARIA, A.N.L. de et al (Org.). Infâncias e pós-colonialismo: pesquisas em busca de pedagogias descolonizadoras. Campinas, SP: Leitura Crítica; Associação de Leitura do Brasil, 2015.

FRANGELLA, R. C. P. Currículo como local da cultura: enunciando outras perspectivas em diálogo com Homi Bhabha. In: 32a. Reunião anual da anped, 2009, caxambu. Sociedade, cultura e educação: novas regulações?. Rio de Janeiro: ANPEd, 2009. v. 1. p. 1-13.

FRANGELLA, R.C.P. Um pacto curricular: o pacto nacional pela alfabetização na idade certa e o desenho de uma base comum nacional. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32,n.02, p. 69-89, abril/Jun. 2016.

FRANGELLA. R.C.P. e DIAS, R. E. Os sentidos de docência na BNCC: efeitos para o currículo da educação básica e da formação/atuação de professores. Educação Unisinos:

volume 22, número 1, jan/ mar. 2018.

FREIRE, P.; MACEDO, D. Alfabetização: Leitura do mundo, leitura da palavra. Tradução de: OLIVEIRA, L. L. de. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

KRAMER, S. Por entre as pedras. São Paulo: Ática, 2003.

LOPES, A.C., SISCAR, M. Pensando políticas com Jacques Derrida. In: LOPES, A.C., SISCAR, M. Pensando Política com Derrida: responsabilidade, tradução, porvir. São Paulo: Cortez, 2018.

MACEDO, E. Relações macro/micro na pesquisa em currículo. Cadernos de Pesquisa. Campinas, v.36, n.129, p. 619-635, set./dez. 2006.

MACEDO, E.; FRANGELLA, R.C.P. Dossiê: políticas de currículo ou base nacional comum: debates e tensões. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n.02, p. 13-17,abril/Jun.2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698032021. Acesso em: 15 jul.2016.

OLIVEIRA, C.G.de “Que rei sou eu?” Escolas Públicas de Excelência, Políticas Educacionais e Currículo: uma análise sobre o processo de instituição da Educação Infantil no Colégio Pedro II. Rio de Janeiro, 2017. Tese de doutorado em educação. Programa de Pós-Graduação em educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, C.G.de; CAMÕES, M.C.S., FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres. “Essa escola só serve para adultos mandarem nas crianças”: alteridade, infância e formação. In:

Currículo, política e cultura: conversas entre Brasil e Portugal. MACEDO, Elizabeth; MENEZES, Isabel (orgs.). Curitiba: CRV,2019.v.5. p.173-188.

OLIVEIRA, C.G. de; CAMÕES, M.C.S. Currículo e infância: o que querem (para) as crianças? Revista Nuances: estudos sobre educação. Presidente Prudente - SP, v.27,n.3,p.4-20,set./dez.2016. INSS:2236-0441.DOI:http://dx.doi.org./10.14572/nuances.v27i3.4580.

TONUCCI, F. A solidão da criança. Tradução de Maria de Lourdes Tambaschia Menon; revisão técnica de Ana Lúcia Goulart de Faria. 2ª ed. Campinas,SP: Ciranda das letras, 2019.

Downloads

Publicado

2019-11-29

Como Citar

CAMÕES, M. C. S. ., & GOMES DE OLIVEIRA, C. . (2019). “AS PROPOSTAS BANAIS DA ESCOLA”: PERSPECTIVAS UNIVERSALISTAS DE POLÍTICAS CURRICULARES E SEUS ATRAVESSAMENTOS NOS CAMINHOS DA DOCÊNCIA E DA INFÂNCIA. Linguagens, Educação E Sociedade, (43), 148-169. https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9649

Edição

Seção

Dossiê Temático