PRODUÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA: AÇÕES ARTICULATÓRIAS COM AS POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9607

Palavras-chave:

Práticas curriculares, Políticas de avaliação, Teoria do Discurso

Resumo

Este artigo se insere no debate sobre currículo, tendo como objetivo analisar como são produzidas as práticas curriculares de professores da educação básica diante da função reguladora das políticas de avaliação. Para tanto, introduz uma discussão que rejeita a compreensão de currículo como prescrição estática que objetiva definir a prática (SILVA; ALMEIDA, 2013), e o entende como mediação entre o que é proposto pelas políticas e o que é ressignificado na prática (MACEDO; OLIVEIRA; MANHÃES; ALVES, 2011), bem como evidencia como as exigências cada vez maiores do Estado sob o trabalho do professor, corporificada através das avaliações externas (GONÇALVES; ALMEIDA; LEITE, 2018), tem resultado na desvalorização do trabalho cotidiano realizado nas escolas. Diante disso, foram realizadas entrevistas e observações das práticas curriculares de professoras dos anos iniciais do ensino fundamental do município de Caruaru, Pernambuco, onde, a partir da Teoria do Discurso (LACLAU; MOUFFE, 2000), buscamos atender o objetivo proposto. A análise dos dados permitiu perceber no contexto investigado, a produção das práticas curriculares a partir do reordenamento, adaptação e reinvenção, principalmente do planejamento das professoras, que passou a prever atividades que tinham por objetivo atender as exigências das políticas de avaliações externas. Identificamos que através desse reordenamento, as professoras produziram relações com os pares, que resultaram na proposição de projetos e atividades que buscavam ter por referência essas exigências. Sinalizamos, dessa maneira, que inscritas em processos de regulação, as professoras criaram formas de atender às demandas do controle do Estado a partir da produção de certo interacionismo profissional.

Biografia do Autor

MARIA JULIA CARVALHO DE MELO, Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco (2011). Mestre em Educação Contemporânea (2014) pela Universidade Federal de Pernambuco - Centro Acadêmico do Agreste, vinculada à linha de pesquisa intitulada Formação de Professores e Processos de Ensino Aprendizagem. Doutora em Educação (2019) pela Universidade Federal de Pernambuco, vinculada à linha de pesquisa Formação de Professores e Prática Pedagógica, tendo realizado doutorado sanduíche na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, em Portugal, sob orientação da professora Carlinda Leite.  

LUCINALVA ANDRADE ATAIDE DE ALMEIDA, Universidade Federal de Pernambuco

Concluiu o doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) em 2008, tendo também realizado doutorado sanduíche pela Universidade do Porto. Atualmente é Professora Associada II do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco, onde atua no curso de graduação em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea (PPGEduc), no qual atuou como vice coordenadora.  

Referências

ALMEIDA, L.; LEITE, C.; SANTIAGO, E. Um olhar sobre as políticas curriculares para a formação de professores no Brasil e em Portugal na transição do século XX para o XXI.

Revista Lusófona de Educação, Porto, Portugal, v. 23, p. 119-135, 2013.

ARAÚJO, K. C. L. C. O debate da política curricular para a formação de professores e os sentidos do estágio supervisionado (1996-2006): demandas, antagonismos e hegemonia. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, UFPE,Recife, 2015.

BALL, S. A sociedade global, consumo e política educacional. In: SILVA, L. H. (org.). A escol cidadã no contexto da globalização. Porto Alegre/RS: Vozes, 2001. p. 121-137.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: currículo na alfabetização: concepções e

princípios: ano1. Brasília: MEC/SEB, 2012.

BURITY, J. Desconstrução, hegemonia e democracia: o pós-marxismo de Ernesto Laclau. Recife: Fundaj, 1997. p. 1-21.

CORREIA, J. A.; MATOS, M. Solidões e solidariedades nos quotidianos dos professores. Porto: Edições ASA, 2001.

CUNHA, E. V. R.; LOPES, A. C. Base nacional comum curricular no Brasil: regularidade na dispersão. Investigación Cualitativa, v. 2, n. 2, p. 23-35, 2017.

DANTAS, M. T.; GONDIM, M. G. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Revista Paidéia, p. 139-152, 2004.

ENGUITA, F. La cara oculta de la escuela: Educación y trabajo en el capitalismo. Madrid: Siglo XXI de España Editores, 1990.

FRANGELLA, R. C.. “Essa é sua pasta e sua turma” – inserção de professoras na rede pública de ensino e suas implicações curriculares. Revista e-Curriculum, v. 2, n. 11, p. 573-593, 2013.

FULLAN, M.; HARGREAVES, A. Por que é que vale a pena lutar? Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2001.

GONÇALVES, C. L.; ALMEIDA, L. A. A.; LEITE, C. Práticas avaliativas e profissionalização nos cotidianos – uma análise de produções acadêmicas. Revista Teias, v.19, n. 54, p. 2019-225, 2018.

GONÇALVES, C. L. Práticas avaliativas de estudantes-professoras: desenvolvimento da profissionalidade e profissionalismo a partir dos contextos de influência presentes no

cotidiano escolar. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação Contemporânea) – Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea, UFPE – CAA, Caruaru, 2017.

GONÇALVES, C. L. et al. Especificidades da avaliação da aprendizagem: uma análise das produções acadêmicas em diferentes espaços discursivos. Revista de Administração

Educacional, Recife, v. 1, n. 1, p. 139-154, 2016.

ICE – INSTITUTO DE CORRESPONSABILIDADE PELA EDUCAÇÃO. Instrumentos e Rotinas. 2015. Disponível em: http://www.mt.gov.br/documents/21013/0/7-MP+INSTRUMENTOS+E+ROTINAS/4b97fcc6-1cdb-4cd0-a281-92c953777180. Acesso em: 31 jul. 2017.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e Diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Posmarxismo sin pedido de desculpas. In: LACLAU, E.; MOUFFE, C. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tempo. Buenos Aires:Nueva Visión, 2000. p. 111-145.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonía y estrategia socialista: hacia una radicalización de la democracia. Madrid: Letra e, 1987.

LOPES, A. C. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas, v. 21, n. 45, p. 445-466, 2015.

LOPES, A. C. Ainda é possível um currículo político? In: LOPES, A. C.; ALBA, A. (orgs.). Diálogos curriculares entre Brasil e México. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Contribuições de Stephen Ball para o estudo de políticas de currículo. In: BALL, S.; MAINARDES, J. (Orgs.). Políticas educacionais: questões e

dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, E. Base Nacional Comum para currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, p. 891-908, out./dez.,2015.

MACEDO, E. et al. (Orgs.). Criar currículo no cotidiano. São Paulo: Cortez, 2011.

MARQUES, Saray. Tempo escolar estendido: Análise do Programa de Ensino Integral (PEI) da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo (SEE-SP) Gestão Geraldo Alckmin (2011-2017). 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC, São Paulo, 2017.

MELLO, J. Políticas de currículo: sentidos produzidos em escolas de formação de professores. In: LOPES, A.; DIAS, R.; ABREU, R. (Orgs.). Discursos nas políticas de currículo. Rio de Jeneiro: Quartet, 2011.

MELO; Maria Julia C. de; ALMEIDA, Lucinalva A. A. de. Estágio supervisionado e prática docente: Sentidos das produções discursivas da ANPEd, BDTD e EPENN. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 3, 2014, pp. 34-51.

MELO. Maria Julia C. de. Ações articulatórias nos movimentos de recriação das práticas curriculares coletivas dos professores do ensino fundamental. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Recife, 2019.

MORAIS, Edima V. de. Utilizações das escolas de referência em ensino médio pelo governo do estado de Pernambuco: Uma análise do Programa de Educação Integral.2013. Dissertação (Mestrado em Educação Contemporânea) – Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea da Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico do Agreste, UFPE-CAA, Caruaru, 2013.

PACHECO, J. A. Escritos Curriculares. São Paulo: Cortez, 2005.

REAL, G. C. M. A avaliação como um processo formativo e os seus possíveis impactos no ensino superior. In: ENDIPE, 13., Recife, 2006. Anais [...]. Recife: UFPE, 2006.

SANTOMÉ, J. T. Organização relevante dos conteúdos nos currículos. In: SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas,1998. p. 95-128.

SILVA, N. N. T. O tratamento da heterogeneidade de conhecimentos dos alunos sobre a leitura e a escrita: saberes e práticas de professoras alfabetizadoras. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea, UFPE – CAA, Caruaru, 2014.

SILVA, Maria Angélica da; ALMEIDA, Lucinalva Andrade Ataíde de. A produção discursiva curricular no terreno da formação docente: sentidos em disputa. Revista FAFIRE,

Recife, v. 6, nº 2, jul./dez. 2013, p. 98-107.

SOUZA, J. F. Prática pedagógica e formação de professores: Ensaio para concorrer ao cargo de professor. UFPE, Recife, 2006.

THIESEN, J. S. Tempos e espaços na organização curricular: Uma reflexão sobre a dinâmica dos processos escolares. Educação em Revista, v. 27, n. 1, p. 241-260, 2011.

Downloads

Publicado

2019-11-29

Como Citar

CARVALHO DE MELO, M. J. ., & ATAIDE DE ALMEIDA, L. A. . (2019). PRODUÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA: AÇÕES ARTICULATÓRIAS COM AS POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO. Linguagens, Educação E Sociedade, (43), 10-36. https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9607

Edição

Seção

Dossiê Temático