AUTORIA TEXTUAL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rles.v28i57.4342

Palavras-chave:

Produção textual, Indícios de autoria, Educação Profissional e Tecnológica, Ensino de Língua Portuguesa

Resumo

Este artigo trata das inquietações que acometem estudantes do Ensino Médio Integrado (EMI) diante da escrita acadêmica. Um dos desafios da Educação Profissional e Tecnológica (EPT) é oferecer uma formação integrada, politécnica e omnilateral e isso pressupõe, dentro do ensino de Língua Portuguesa, compreender práticas de linguagem relacionadas à interação e à autoria. Em outras palavras, as aulas da disciplina devem ir além do domínio da norma culta e da produção de relatórios. Assim, mediante à aplicação de um questionário com questões abertas em uma turma do segundo ano de Química do EMI do Campus Aracaju do Instituto Federal de Sergipe (IFS) pode-se identificar tensões e preocupações acerca da constituição da autoria em textos escritos produzidos por educandos. Esses registros serviram de base, neste artigo, para a interpretação das marcas autorais dos sujeitos na produção textual desenvolvida e para a necessidade de serem construídas efetivamente práticas pedagógicas integradoras que insistam em produções escritas acadêmicas com indícios de autoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elza Ferreira Santos, Instituto Federal de Sergipe

Doutora em Educação, Universidade Federal de Sergipe (UFS). Professora Titular do Instituto Federal de Sergipe (IFS), Aracaju, Sergipe, Brasil.

Débora Souza da Silva, Rede Municipal de Ensino de Aracaju-Sergipe

Mestra em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal de Sergipe (PROFEPT/IFS). Licenciada em Letras pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Professora da Rede Municipal de Ensino de Aracaju-Sergipe (SEMED).

Referências

AGUIAR, Eliane Aparecida de. Escrita, autoria e ensino: um diálogo necessário para pensar a constituição do sujeito-autor no contexto escolar. 2010. Tese de doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ALVES, Rubem. A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir.

Campinas: Papirus, 2001.

ARAÚJO, Ronaldo Marcos de Lima; FRIGOTTO, Gaudêncio. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão. Natal, v. 52, n. 38, p. 61-80, maio/ago. 2015.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (LDB). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Legislação, Brasília, DF, dez. 1996. Disponível em:

<http://www.mec.gov.br/sef/fundef/Ftp/leg/lein9394.doc>. Acesso em: 04 fev. 2018

CIAVATTA, Maria. O ensino integrado, a politecnia e a educação omnilateral: Por que

lutamos? Revista Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 23, n. 1, jan. – abr. 2014.

Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/7693. Acesso em: 13 out. 2018.

Duarte Oliveira Carvalho, S., & de Sousa Moura Teixeira, C. (2023). LUTA CONTRA A NATURALIZAÇÃO DAS DESIGUALDADES SOCIAIS: SIGNIFICAÇÕES DE EDUCADORES SOCIAIS ACERCA DA PRÁTICA EDUCATIVA. Linguagens, Educação E Sociedade, 27(53), 35-65.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Veja, 1969. p 29-87.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise Nogueira (Org.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Editora Cortez, 2012.

ORLANDI, Eni P. Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 5. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2007.

ORLANDI, Eni P. Nem escritor nem sujeito: apenas autor. In: ORLANDI, Eni P. Discurso e leitura. São Paulo / Campinas, SP: Editora Cortez / Editora Unicamp, 1987. p. 75-82.

PÉCORA, Alcir. Problemas de redação. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PINTO, Rosana do Carmo Novaes. Linguagem, subjetividade e ensino: reflexões à luz da neurolinguística discursiva. In: HARMUCH, Rosana Apolonia; SALEH, Pascoalina Bailon de Oliveira. Identidade e subjetividade: configurações contemporâneas. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2012.

POSSENTI, Sírio. Enunciação, autoria e estilo. Revista da Faeeba, Salvador, ano 10, n. 15, p. 15- 21, jun./jul. 2001.

POSSENTI, Sírio. Indícios de autoria. Perspectiva, v. 20, n. 1, p. 105-124, 2002.

POSSENTI, Sírio. Notas sobre a questão da autoria. Matraga, Rio de Janeiro, v. 20, n. 32, jan./jun., p. 239-250, 2013.

RAMOS, Marise. Possibilidades e desafios na organização do currículo integrado. In:

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise Nogueira (Org.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Editora Cortez, 2012.

SAVIANI, Dermeval. O choque teórico da politecnia. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Politécnico de Saúde Joaquim Venâncio, 2003.

SAVIANI, Dermeval. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: Politécnico da

Saúde Joaquim Venâncio, 1989.

SILVA, Luzinete Moreira da; MELO, Ticiane Gonçalves Sousa; NASCIMENTO, José Mateus do. Ensino médio integrado e práticas pedagógicas integradoras: caminhos para a formação humana integral. Revista Brasileira da Educação Profissional Tecnológica. Rio Grande do Norte, v. 1, n. 8, 2015. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/3560/1252. Acesso em: 20 nov. 2018.

SOUSA JÚNIOR, Justino de. Omnilateralidade. In: Pereira, I. B.; Lima, J. C. F. (org.).

Dicionário da Educação Profissional em Saúde. 2. ed. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2009. Disponível em: < http://www.

epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/omn.html>. Acesso em: 20, nov. 2018.

ZAGO, Nadir; CARVALHO, Marília Pinto de; VILELA, Rita Amélia Teixeira (Org.). Itinerários de pesquisa: Perspectivas qualitativas em Sociologia da Educação. DP&A: Rio de Janeiro, 2003.

Downloads

Publicado

2024-05-03

Como Citar

Ferreira Santos, E., & Souza da Silva, D. (2024). AUTORIA TEXTUAL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA. Linguagens, Educação E Sociedade, 28(57), 1 - 23. https://doi.org/10.26694/rles.v28i57.4342