A Roda da Central: a capoeira de rua carioca, décadas de 1950 a 1970

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v4i2.12807

Palavras-chave:

Capoeira, Performance, Cultura popular

Resumo

A Roda da Central acontecia durante o carnaval no Rio de Janeiro desde os anos 1950 até a construção do sambódromo, em 1983. A roda não parava – eram 24 horas por dia, durante os três dias e noites do carnaval, em um local improvisado, entre o glamoroso desfile oficial das escolas de samba na Avenida Presidente Vargas e a estação de trens Central do Brasil, que liga a cidade a seus subúrbios, e por onde circulava grande parte dos foliões. Apesar da farta documentação sobre os desfiles, nenhum registro ou foto documenta a Roda da Central. Este artigo se baseia no testemunho precioso de quinze mestres que protagonizaram essa roda. Suas memórias documentam os tipos de ritmos tocados e os jogos duros e frequentemente violentos que aconteciam num contexto volátil de repressão e clientelismo. Trabalhadores portuários, na sua maioria negros, foram inicialmente os principais personagens, gradualmente substituídos por uma geração mais jovem e diversificada, para quem jogar seu primeiro jogo na Roda da Central era um rito de passagem. O exemplo da Roda da Central mostra como a história oral pode reequilibrar a narrativa da história da capoeira, muitas vezes centrada em sua modalidade oficial mais próxima da ginástica desportiva.

Referências

Filme documentário

Roda da Central. 23:50 mins., 2020. Direção e roteiro Matthias Röhrig Assuncão, Edição Tomás Muricy, disponível em https://vimeo.com/capoeirahistory/rodadacentral e https://youtu.be/iYjF_GwRxl0

Bibliografia

ADAMS, Lynn. Oral History Theory. London: Routledge, 2010.

ALBERTI, Verena. “De ‘versão’ a ‘narrativa’ no Manual de história oral. História Oral, 15 (2), 2012, p. 159-166.

ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig e Souza, Carlos Eduardo Dias. Ginga na Avenida. A capoeira no carnaval carioca, 1954-1976. Revista Nordestina de História do Brasil (RNHB), v. 2, n.3 (Dec 2019), p. 83-103.

ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig. ‘Da “destreza do mestiço” à “ginástica nacional”. Narrativas nacionalistas sobre a capoeira.’Antropolítica. Revista Contemporânea de Antropologia e Ciência Política. Universidade Federal Fluminense, Niterói. 24, 2008, pp. 19-40.

DIAS, Luiz Sergio. “Da Turma do Lira ao cafajeste. A sobrevivência da capoeira no Rio de Janeiro” (tese de doutorado em História, UFRJ, Rio de Janeiro, 2000).

FERREIRA, Izabel. A Capoeira no Rio de Janeiro, 1890-1950. Rio de Janeiro: Novas Ideias, 2007.

SMITH, Graham. Remembering in Groups. Negotiating between ‘individual’ and ‘collective memories’. In: Robert PERKS & Alistair THOMPSON (orgs), The Oral History Reader. 3. ed., Londres: Routledge, 2016, p. 193-211.

LACÉ, André Luis Lopes. Texto da capa do disco Bonfim, gravado em 1968, no Rio de Janeiro, por M. André Lace e remasterizado por Nilson Rossi, do RJ Studio, em 1994.

LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. 2. ed. rev., Rio de Janeiro: Ed UFRJ, 2002.

PIRES, Antonio Liberac Cardoso Simões. Culturas circulares. A formação histórica da capoeira contemporânea no Rio de Janeiro. Curitiba: Editora Progressiva, 2010.

PORTELLE, Alessandro. Ensaios de história oral. São Paulo: Letra e Voz, 2010.

SANTOS, Mário dos. A saga de uma lenda viva. Mário dos Santos. Editado por Paulinho Salmon. Rio de Janeiro: Azougue, 2016.

SILVA, Elton e CORRÊA, Eduardo. Muito antes do MMA. O legado dos precursores do Vale Tudo no Brasil e no mundo, 1845-1934. 2 volumes publicados. Kindle Editions, 2020.

Websites

www.capoeirahistory.com

Mestra Sandrinha. https://capoeirahistory.com/pt-br/mestre/mestre-sandrinha/

Downloads

Publicado

2022-06-16

Como Citar

RÖHRIG ASSUNÇÃO, M. . A Roda da Central: a capoeira de rua carioca, décadas de 1950 a 1970. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 185-214, 2022. DOI: 10.26694/rer.v4i2.12807. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5174. Acesso em: 16 jun. 2024.