Capoeira em Feira de Santana (1970-1990)

Autores

  • Natália Rizzatti Ferreira Doutoranda em Ciências Sociais/UNICAMP
  • Christiano Key Tambascia Doutor em Antropologia Social – UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v4i2.12771

Palavras-chave:

Capoeira, Feira de Santana, Mestre Claudio Costa, Capoeira Angola

Resumo

O artigo busca contribuir para a compreensão das práticas relacionadas à capoeira no sertão da Bahia, mais especificamente em Feira de Santana, no período de 1970 a 2010. Para tanto, propomos uma reflexão etnográfica e historiográfica sobre a mobilização de vestígios históricos, dos lugares e personagens, para entender tensões relacionadas aos usos dos espaços públicos na cidade. Tomamos como base de análise fontes históricas que permitem acessar o universo simbólico e político do contexto feirense, das práticas concretas dos sujeitos e do espaço imaginário que lhe confere sentido. Assim, mobilizamos material de arquivo, inclusive de natureza oral, bem como fotografias e a literatura específica. Feira de Santana, que abrigou a maior feira ao ar livre do Nordeste até 1977, tomou esta ambiência como um dos palcos para exibições de rodas de capoeira desde, ao que tudo indica, meados do século XX. Após a extinção da feira, contudo, observamos que novos arranjos foram sendo delineados na prática da capoeira na cidade, sublinhando o caráter disputado do território urbano.

Referências

ACUÑA, Maurício. “O ginga social de berimbau”. Sociologia & Antropologia. v. 6, n. 2, 2016.

ABIB, Pedro Rodolpho Jungers. Capoeira Angola: cultura popular e o jogo dos saberes na roda. Tese de Doutorado em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2004.

_____. Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia. Salvador: EDUFBA, 2009.

_____. “Culturas populares, educação e descolonização”.Revista Educação em Questão, v. 57, n. 54, 2019.

ABREU, Frederico José de. Nagé, o homem que lutou capoeira até morrer. Salvador: Editora Barabó, 2017.

AMADO, Jorge. Jubiabá. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BAHIA, Juarez. Setembro na Feira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

BONFIM, Maria Fulgência Silva.HORALCAP: Conversando com Mestres de Capoeira em Feira de Santana – Mestre Gago e Contramestre Ronnie Rasta. Feira de Santana: Instituto Odu Odara, 2009.

CANDIDO, Antonio. “Dialética da malandragem (caracterização das Memórias de um sargento de milícias)”. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 8, 1970.

______. Os Parceiros do Rio Bonito: Estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Livraria Duas Cidades, 1975.

______. Brigada ligeira, e outros escritos. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1992.

CARVALHO, Alane. Feira de Santana nos tempos da modernidade: o sonho da industrialização. Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 2002.

CLIFFORD, James. A escrita etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2002.

COUTO, Edilece. Tempo de festas: homenagens a Santa Bárbara, N. S. Da Conceição e Santana em Salvador (1860-1940). Assis: Unesp, 2004.

FREITAS, Nacelice Barbosa . O descoroamento da Princesa do Sertão: de “chão” à território, o “vazio” no processo da valorização do espaço. Tese de Doutorado em Geografia, Universidade Federal de Sergipe, 2014.

GAMA, Raimundo (org.). Memória fotográfica de Feira de Santana. Feira de Santana, 1994.

GEERTZ, Clifford. “Suq: the bazaar economy in Sefrou”. In: ______. Meaning and order in Moroccan society: three essays in cultural analysis. Cambridge; Londres; Nova York; Melbourne: Cambridge University Press, 1979.

GOMES, Fábio José. O pulo do gato preto - estudos sobre três dimensões educacionais das arte-caminhos marciais em uma linhagem da capoeira angola. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, 2012.

HARAWAY, Donna. “Teddy Bear Patriarchy: Taxidermy in the Garden of Eden, New York City, 1908-1936”. Social Text, n. 11, 1984.

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HORA, Ana Paula Cruz Carvalho. Negócios entre Senhores: O Comércio de Escravos em Feira de Sant'Anna (1850-1888). UNEB: Santo Antônio de Jesus, 2014. Dissertação de Mestrado. PPGHist, Universidade do Estado da Bahia, 2014.

LIMA, Zélia Jesus de. Lucas Evangelista: o Lucas da Feira - Estudo sobre a Rebeldia Escrava em Feira de Santana 1807-1849. Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 1990.

MACHADO, Franklin. Álbum da Feira de Santana. Bahia. Petrópolis: Livraria Cacimbinha, 1965.

MAGALHÃES, Antônio Ferreira de. História nas lentes: Feira de Santana pelo olhar do fotógrafo Antônio Magalhães. Feira de Santana: UEFS Editora, 2009.

MAUSS, Marcel. “Ensaio sobre a Dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas”. In: ______. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MEYER, Birgit; Mattijs van de Port. “Heritage Dynamics Politics of Authentication, Aesthetics of Persuasion and the Cultural Production of the Real”. In: Sense and Essence: Heritage and the Cultural Production of the Real. Meyer e van de Port (eds.). Nova York; Oxford: Bergham, 2018.

MOREIRA, V. Deocleciano. “A feira agonizante”. Sitientibus. Revista da Universidade Estadual de Feira de Santana, v. 1, n. 4, 1984.

______. “A feira está morta”. Sitientibus. Revista da Universidade Estadual de Feira de Santana, v. 3, n. 5, 1986.

______. “A escravidão em Feira de Santana”. Sitientibus. Revista da Universidade Estadual de Feira de Santana, v. 6, n .9, 1992.

______. “Caminhos históricos da Feira de Santana: origens e secularidades”. Sitientibus. Revista da Universidade Estadual de Feira de Santana, v. 6, n. 10, 1992.

NEVES, Erivaldo Fagundes & MIGUEL, Antonieta (Orgs.) Caminhos do Sertão: ocupação territorial, sistema viário e intercâmbios coloniais dos sertões da Bahia. Salvador: Acádia, 2007.

OLIVEIRA, Clóvis Frederico Ramaiana Morais. De empório a Princesa do Sertão: utopias civilizadoras em Feira de Santana (1819-1937). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 2000.

OLIVEIRA, Josivaldo Pires de. “‘Batuque não é pecado’: capoeira e outros brinquedos nas festas de largo em Feira de Santana-BA (1970-1985)”. In: Capoeira em múltiplos olhares: estudos e pesquisas em jogo. Cruz das Almas: UFRB; Belo Horizonte: Fino Traço, 2016.

______. “Adeptos da mandinga”: candomblés, curandeiros e repressão policial na Princesa do Sertão (Feira de Santana-BA, 1938-1970). Tese de Doutorado em História, Universidade Federal da Bahia, 2010.

OLIVEIRA, Rennan Pinto de. Santana dos Olhos D’água - fé e celebração entre a igreja e o largo. Dissertação de Mestrado em História, Universidade Estadual de Feira de Santana, 2014.

OLIVEIRA, S. “A vertigem do tempo nas memórias fotográficas da Avenida Senhor dos Passos”. In: III Encontro Nacional de Estudos da Imagem, 2011. Londrina, 2011.

OLIVEIRA, Ana Maria Carvalho dos Santos. Feira de Santana em Tempo de Modernidade: olhares, imagens e práticas do cotidiano (1950-1960). Tese de Doutorado em História, Universidade Federal do Pernambuco, 2008.

POPPINO, Rollie. Feira de Santana. Bahia: Itapuã, 1968.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

REGO, Valdeloir. Capoeira Angola: ensaio sócio-etnográfico. Salvador: Itapuã, 1968.

SANTOS, Jucélia Bispo dos. “Comunidades quilombolas do portal do sertão da Bahia: a luta entre o reconhecimento e a redistribuição”. Iluminuras, v. 17, n. 41, 2016.

SANTOS, Marcelino. Capoeira e Mandingas. Cobrinha Verde, 1991.

SCHWARZ, Roberto. “Pressupostos, salvo engano, de ‘Dialética da malandragem’”. In: _____. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

______. Ao Vencedor as Batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2012.

SCOTT, Joan W. “A Invisibilidade da Experiência”. Projeto História, n. 16, 1998.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). Campinas: Editora da Unicamp/Centro de Pesquisa em História Social, 2002.

SOUZA, Elane Bastos. Terra, território, quilombo: à luz do povoado de Matinha dos Pretos. Dissertação de Mestrado em Geografia. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2011.

SIMÕES, Kleber José Fonseca. Os homens da Princesa do Sertão: modernidade e identidade masculina em Feira de Santana (1918-1928). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 2007.

SODRÉ, Muniz. O Terreiro e a Cidade: a forma social negro brasileira. Rio de Janeiro: Maud X, 2019.

TROUILLOT, Michel-Roplh. Silenciando o Passado: poder e a produção da história. Curitiba: huya, 2016.

WISNIK, José Miguel. “Cultura pela culatra”. Teresa: Revista de Literatura Brasileira, n. 1, 2000.

Fontes Consultadas

IÊ Viva Meu Mestre. Direção: Denise Oliveira e Victória Nasck. Produção de Maturi Filmes, Feira de Santana, 2021. Disponível em:

<https://www.youtube.com/channel/UCXMLvgNVUFw4s0PXDrubnGw>.

Mestre Claudio – Angoleiros do Sertão. (Entrevista concedida por ocasião do 1º Encontro de Capoeira Angoleiros do Sertão Mestre Cláudio e Onire). Direção: Francisco José Lacaz Ruiz, São José dos Campos, 2015, 41 min.

POMPONET, André. Cultura e História no Mercado de Arte Popular. 2014

Disponível em: <http://andrepomponet.blogspot.com/2014/03/cultura-e-historia-no-mercado-de-arte.html> Acesso em 10/05/2021

SIMAS, Adilson. “Capoeira ‘Esqueceram de Mim’”, 24 de nov. de 2017. Disponível em:

<https://porsimas.blogspot.com/search?q=capoeira>Acesso em: 29/09/2021

Downloads

Publicado

2022-06-16

Como Citar

RIZZATTI FERREIRA, N. .; TAMBASCIA, C. K. . Capoeira em Feira de Santana (1970-1990). Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 126-158, 2022. DOI: 10.26694/rer.v4i2.12771. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5172. Acesso em: 19 jun. 2024.