Na “época dos hippies”: a redescoberta da capoeira paraense na década de 1970

Autores

  • Luiz Augusto Pinheiro Leal Doutor em Estudos Étnicos e Africanos – Universidade Federal do Pará
  • Fabio Araújo Fernandes Doutor em Antropologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v4i2.12787

Palavras-chave:

História, capoeira, Pará

Resumo

A história da capoeira possui dois momentos geralmente tratados como distintos nos estudos sobre sua prática. No primeiro, recortado entre o século XIX e as primeiras décadas do século XX, a prática seria conhecida como “capoeiragem” e criminalizada pelo primeiro código penal da República, em 1890. Em um segundo momento, os estudos sobre a capoeira destacam a Bahia como centro de revitalização da capoeira (não seria mais a capoeiragem). No Pará, a capoeiragem histórica e a capoeira de inspiração baiana se encontram a partir da década de 1970, com a chegada de mestres do Maranhão (Mestre Bezerra), do Rio de Janeiro (Mestre Romão) e a reafirmação de identidade de um dos últimos capoeiras antigos do Pará (Mestre Mundico). Este artigo trata desse encontro e da reorganização da capoeira paraense integrada às experiências nacionais. A abordagem se baseia na relação entre história e memória. Dialogaremos com a memória pessoal dos mestres refletida como memória coletiva. A capoeira do Pará, na voz dos mestres, poderá ser interpretada em suas múltiplas percepções culturais e históricas.

Referências

BACCINO, Marcelo Pamplona. Berimbau e a música da capoeira. K Editora: s/l, 2019.

BONDÍA, Jorge Larrosa. “Notas sobre a experiência e o saber de experiência”. Revista Brasileira de Educação, 19, 2002, p. 20-28.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua, Rio de Janeiro, Guanabara, 1987.

FERNANDES, Fabio Araújo. A Capoeiragem Amazônida: políticas públicas e sustentabilidade cultural em Belém, 2009. 116f. Dissertação de Mestrado. NAEA, Universidade Federal do Pará, 2009.

GOMES, Paulo César da Costa. A condição urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

HAESBAERT, Rogério. Des-territorialização e identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói: EdUFF, 1997.

______. O mito da desterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HALBWACHS, Maurice. “Capítulo II: Memória coletiva e memória histórica”. In A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (Orgs). A Invenção das Tradições. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

JOHNSON, Jacquelyn. “O Atlântico negro de Paul Gilroy: um conceito incompleto”. In VIEIRA, Vinícios Rodrigues; JOHNSON, Jacquelyn (org), Retratos e espelhos: raça e etnicidade no Brasil e nos Estados Unidos. São Paulo: FEA/USP, 2009.

JURANDIR, Dalcidio. Chão dos Lobos. Rio de Janeiro: Record, 1976.

LEAL, Luiz Augusto Pinheiro. A Política da capoeiragem: a história social da capoeira e do boi-bumbá no Pará republicano (1888-1906). Salvador: EDUFBA, 2008.

LINS, Daniel “O imaginário da violência: a casa e a rua”. Educação em Debate, 35 (20), 1998, p. 16-22.

MEIRA, Clóvis; ILDONE, José e CASTRO, Acyr. Academia Paraense de Letras - Introdução à Literatura no Pará, vol. II – Antologia. Belém: Cejup, 1990.

MENEZES, Bruno. de. Batuque: poesias. 7 ed. Belém: CEJUP, 2006 [1939].

MENEZES, Murilo. “Belém ao findar do século”, Revista da Academia Paraense de Letras, volume VI, 1954.

OLIVEIRA, Josivaldo Pires de; LEAL, Luiz Augusto Pinheiro. Capoeira, identidade e gênero: ensaios sobre a história social da capoeira no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2009.

PACHECO, Agenor Sarraf. “As Áfricas nos Marajós: visões, fugas e redes de Contatos”. In: Muito além dos campos: arqueologia e historia na Amazônia Marajoara / SCHANN, Denise Pahl; MARTINS, Cristiane Pires (orgs.). – 1. ed. – Belém: GKNORONHA, 2010.

PALHANO, Lauro, pseud. de Inocêncio Campos. O Gororoba - Cenas da vida proletária. 2ª ed. Rio de Janeiro, Pongetti, 1943.

REGO, Orlando. Retrospectivo histórico da polícia militar do Estado do Pará – 1822-1930. Belém: Falangola, 1981.

RIBEIRO, José Sampaio de Campos. Gostosa Belém de Outrora. Belém: Editora Universitária, 1965.

ROOSEVELT, Anna C. Montículobuilders of the Amazon: Geophysical Archaeology on Marajo Island, Brazil. Academic Press, San Diego, CA,1991.

SALLES, Vicente. A Defesa pessoal do negro – a capoeira no Pará. In: O Negro na Formação da Sociedade Paraense.Textos reunidos.Belém: Paka-tatu, 2004.

______ . O negro no Pará: sob o regime da escravidão. 3ed.rev.ampl.-Belém: IAP; Programa Raízes, 2005.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A capoeira escrava no Rio de Janeiro – 1808-1850. Campinas: UNICAMP, 1998.

THOMPSON, Edward Palmer. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

WOODWARD, Kathryn. “Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

2022-06-16

Como Citar

PINHEIRO LEAL, L. A. .; FERNANDES, F. A. . Na “época dos hippies”: a redescoberta da capoeira paraense na década de 1970. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 35-59, 2022. DOI: 10.26694/rer.v4i2.12787. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5169. Acesso em: 19 jun. 2024.