A capoeira teresinense: linhagens, federações e suas posições no espectro político

Autores

  • Celso de Brito Doutor em Antropologia Social – Universidade Federal do Piauí (UFPI)
  • Robson Carlos da Silva Doutor em Educação – Universidade Estadual do Piauí (UESPI)

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v4i2.12938

Palavras-chave:

capoeira, Teresina, política nativa, política formal

Resumo

Esta etnografia (2018-2021) busca analisar a configuração sociopolítica da comunidade capoeirística da cidade de Teresina (PI) através de suas estratégias de luta por reconhecimento e garantia de direitos. Constatam-se elementos de uma lógica sociopolítica ancorada no conflito, oriunda da fundação das primeiras linhagens da cidade, que se mantém numa dimensão virtual e atualiza-se de acordo com o cenário político mais amplo, marcado, na atualidade, pela polarização entre “conservadores” e “progressistas”, o que permite repensar a relação entre noções centrais desse universo, tais como “tradição”, “ancestralidade”, “hierarquia” e “democracia”. Conclui- se que as estratégias de mobilização da comunidade capoeirística em torno do reconhecimento e da garantia de direitos são derivadas da síntese entre a lógica sociopolítica nativa e a lógica estatal, bem como da transposição de conflitos entre linhagens da capoeira local para o campo político-partidário.

Referências

ADINOLFI, Maria Paula Fernandes. “A salvaguarda do patrimônio imaterial em tempos de aniquilação da diversidade: notas sobre o fundamentalismo cristão e a ‘capoeira gospel’”. Aceno – Revista de Antropologia do Centro-Oeste, 6(11), jan./jul. 2019, p. 51-64.

ALBERTI, Verena. Indivíduo e biografia na história oral. Rio de Janeiro: CPDOC, 2000. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/6715. Acesso: 30 set. 2014.

ARAÚJO, Rosângela Costa. Iê, viva meu mestre – a capoeira angola da “escola pastiniana” como práxis educativa. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2004.

ARAÚJO, Rosângela Costa. “Ginga: uma epistemologia feminista”. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress, 2017, Florianópolis. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2017. n. p.

BRAGA, Geslline Giovana. [Sem título]. Anuário Antropológico, 44(1), 2019, p. 359-363. [Seção] Resenhas. Resenha da obra de: BRITO, Celso de. A roda do mundo: a capoeira angola em tempos de globalização. Curitiba: Appris, 2017.

BRAGA, Geslline Giovana. "Memórias não vividas: O título de patrimônio cultural no jogo por direitos e na luta por reconhecimento". Capoeira-Revista de Humanidades e Letras, vol. 4, N. 2, Fortaleza, 2018, p. 107-121. Disponível em http://www.capoeirahumanidadeseletras.com.br/ojs-2.4.5/index.php/capoeira/article/view/127/123. Acesso em 21 jul.2021.

BRASIL. Lei no 9.615, de 24 de março de 1998. Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9615consol.htm. Acesso em: 20 jul. 2021.

BRASIL. Roda de Capoeira recebe título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, 2014. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/66. Acesso em: 15 mar. 2021.

BRITO, Celso de. A roda do mundo: a capoeira angola em tempos de globalização. Curitiba: Appris, 2017.

BRITO, Celso de. “Política e capoeira: uma análise comparativa dos casos brasileiro e português”. In: BRITO, Celso de; GRANADA, Daniel (org.). Cultura, política e sociedade: estudos sobre a capoeira na contemporaneidade. Teresina: EDUFPI, 2020. pp. 159-176.

CABRAL, Miguel F. O. As relações entre capoeiristas e as rodas de rua em Teresina. Relatório de atividades. Programa de Iniciação Científica, Universidade Federal do Piauí, 2020.

CALDAS, Alan. Valentia e linhagem: uma história da capoeira. Curitiba: Appris, 2018.

CANDIDATOS a vereador do município de Teresina-PI. Estadão, Teresina, 2020. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/eleicoes/2020/candidatos/pi/teresina/vereador. Acesso em: 10 mar. 2021.

PAULO GOMES DA CRUZ. In: VELHOS MESTRES. [S. l.]: Velhos Mestres, n. d. Disponível em: https://velhosmestres.com/br/destaques-55. Acesso em: 23 jan. 2021.

COSTA, Maria A. N. “A polarização identitária e a pulverização programática no Brasil atual”. Passagens: Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, 12(3), set./dez. 2020, p. 404-429. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistapassagens/article/view/46137. Acesso em: 15 maio 2021.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

EVANS-PRITCHARD, E. E. “Os Nuer do sul do Sudão”. In: EVANS-PRITCHARD, E. E.; FORTES, Meyer (org.). Sistemas políticos africanos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1981. pp. 469-508.

FÉLIX, João Batista de Jesus. Hip-Hop: cultura e política no contexto paulistano. Curitiba: Appris, 2018.

FOUCAULT, Michel. “Por que estudar o poder: a questão do sujeito”. In: DREYIUS, Huber; RABINOW, Paul. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, pp. 31-49.

FRIGERIO, Alejandro. “Capoeira: de arte negra a esporte branco”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 4(10), 1989, p. 85-98.

GOLDMAN, M. “Segmentaridades e movimentos negros nas eleições de Ilhéus”. Mana: Estudos de Antropologia Social, 7(2), 2001, p. 57-94.

GONZÁLEZ-VARELA, S. Capoeira e inmovilidad: estrategias de resistencia y los desafíos frente a la emergencia sanitaria del COVID-19. Forhum International Journal of Social Sciences and Humanities, 3(4), 2021, p. 16-27. Disponível em: https://cife.org.mx/forhum/index.php/forhum/article/view/65. Acesso em: 5 jun. 2021.

GRANADA, Daniel. “Compreender o Brasil através da capoeira: capoeira, ‘raça’ e ‘nação’ no Brasil”. In: BRITO, Celso de; GRANADA, Daniel (org.). Cultura, política e sociedade: estudos sobre a capoeira na contemporaneidade. Teresina: EDUFPI, 2020. pp. 7-22.

JOSÉ de Freitas sedia terceira edição do Capoeira Cor de Rosa. Meionorte.com, [S. l.], 26 abr. 2018. Disponível em: https://www.meionorte.com/pi/cidades/jose-de-freitas/jose-de-freitas-sedia-terceira-edicao-do-capoeira-cor-de-rosa-321639. Acesso em: 15 jul. 2021.

MACIEL, Ana Paula Brito; ALARCON, Anderson de Oliveira; GIMENES, Éder Rodrigo. “Partidos políticos e espectro ideológico: parlamentares, especialistas, esquerda e direita no Brasil”. Revista Eletrônica de Ciência Política, 8(3), 2017, p. 72-88. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/vw/1IMb2TaMwNQ_MDA_36c05_/partidos%20pol%C3%ADticos%20e%20espectro%20ideológico%20parlamentares%20especialistas,%20esquerda%20e%20direita%20no%20Brasil.pdf. Acesso em: 25 jul. 2021.

MAGALHÃES FILHO, Paulo A. Jogo de discursos: a disputa por hegemonia na tradição da capoeira angola baiana. Salvador: EDUFBA, 2012.

MAGALHÃES JÚNIOR, Raimundo. Deodoro: a espada contra o império. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1957.

MALINOWSKI, Bronisław. “Introdução”. In: Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1998. (Coleção Os Pensadores).

OBADIA, Lionel. L'ethnographie comme dialogue: immersion et interaction dans l'enquête de terrain. Paris: Publisud, 2003. (Coleção Terrains et Perspectives).

OLIVEIRA, Josivaldo Pires de; LEAL, Luiz Augusto Pinheiro. Capoeira, identidade e gênero: ensaios sobre a história social da capoeira no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2009.

OLIVEN, Ruben George. A Antropologia de grupos urbanos. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

PEÇANHA, Cinézio F. Gingando na linha da Kalunga: capoeira angola, engolo e a construção da ancestralidade. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento, Universidade Federal da Bahia, 2019.

PIAUÍ (estado). Lei Ordinária no 5.784 de 29/07/2008. Cria o Dia da Capoeira e dispõe sobre o ensino e a prática da mesma nas unidades escolares da rede pública estadual de educação e dá outras providências. Teresina: Governo do Estado, 2008. Disponível em: http://legislacao.pi.gov.br/legislacao/default/ato/13747. Acesso em: 2 ago. 2021.

PIAUÍ (estado). Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Processo no 01402.000775/2015-18. Ações e planos de salvaguarda – bens imateriais. Memorando: 240-2015. [S. l.]: DIVTEC IPHAN-PI, 2015.

PINHEIRO, Camila Maria Gomes. “‘Mulher na roda não é pra enfeitar’: a ginga feminista e as mudanças na tradição da capoeira angola”. Caminhos da História, 24(1), 2020, p. 82-96.

PIRES, Antonio Liberac Cardoso Simões. A capoeira no jogo das cores: criminalidade, cultura e racismo na cidade do Rio de Janeiro (1890-1937). Dissertação de Mestrado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, 1996.

REIS, Letícia Vidor de Sousa. Negros e brancos no jogo da capoeira: a reinvenção da tradição. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1993.

SAHLINS, Marshall. Metáforas históricas e realidades míticas: estrutura nos primórdios da história do reino das Ilhas Sandwich. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

SCHEEFFER, Fernando. “A alocação dos partidos no espectro ideológico a partir da atuação parlamentar”. E-legis, (27), set./dez. 2018, p. 119-142. Disponível em: https://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui/bitstream/handle/bdtse/5417/2018_scheeffer_alocacao_partidos_espectro.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 25 jul. 2021.

SILVA, Childer Nataniel. Coletivo Domingos de Angola: a capoeira teresinense entre o público e o privado. Teresina: EDUFPI, 2021.

SILVA, Paulo Henrique Menezes da. A luta pela salvaguarda da capoeira no estado do Rio de Janeiro: visão de um mestre. Dissertação de Mestrado. Instituto Multidisciplinar, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2020.

SILVA, Robson Carlos da. As narrativas dos mestres e a história da capoeira em Teresina/PI: do pé do berimbau aos espaços escolares. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, 2012.

SILVA, Robson Carlos da. As narrativas dos mestres e uma história social da capoeira em Teresina/PI: do pé do berimbau aos espaços escolares. Curitiba: ERV, 2016.

SILVA, Wanderson Carlos Lima da. Relações sociais e conflitos: as dimensões da organização sócio-política da capoeira em Teresina. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Piauí, 2020.

SILVA, Childer Nataniel; BRITO, Celso de. Da política nativa à política formal: a capoeira angola teresinense e o valor da ocupação do espaço público. FSA, 17(8), ago. 2020, p. 48-68.

SILVA, Robson Carlos da; FERREIRA NETO, José Olímpio. “O protagonismo do Grupo Senzala na capoeira de Fortaleza e Teresina (1980-1990)”. Ensino em Perspectivas, 2(1), 2021, p. 1-14. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/4551. Acesso em: 20 jul. 2021.

SILVA, Igor Monteiro; NASCIMENTO, Ricardo. “Capoeira, cidade e cultura: notas etnográficas sobre ocupações criativas em Fortaleza-CE”. O público e o privado, (29), 2017, p. 55-71.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A negregada instituição: os capoeiristas na Corte Imperial (1850-1890) – Volume I. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Campinas, 1993.

SOUSA NETO, Marcelo de. “‘Entrando na roda’: história e memória da capoeira em Teresina-PI (1970-1990)”. Vozes, Pretérito & Devir, 1(1), 2013, p. 92-106.

VASSALO, Simone P. “A capoeira como patrimônio imaterial: novos desafios simbólicos e políticos”. In: Encontro Anual da Anpocs, 32., 2008, Caxambu. GT 29: Patrimônios, museus e ciências sociais. Caxambu: Anpocs, 2008. n. p.

VIEIRA, Luiz Renato; ASSUNÇÃO, Matthias Rohrig. “Mitos, controvérsias e fatos: construindo a história da capoeira”. Estudos Afro-Asiáticos, (34), dez. 1998, p. 81-121.

VIEIRA, Luiz Renato; FONSECA, Vivian L. “Construction d’un dialogue: la capoeira et les relations avec l’État brésilien en débat”. Cultures-Kairós, 1, 2012, n. p. Disponível em https://revues.mshparisnord.fr/cultureskairos/index.php?id=525. Acesso em: 30 dez 2021.

ZONZON, Nicole Christine. “Capoeira abalou: corpo de mulheres, legitimidade e tradição”. In: BRITO, Celso de; GRANADA, Daniel. Cultura, política e sociedade: estudos sobre a capoeira na contemporaneidade. Teresina: EDUFPI, 2021. pp. 137-158.

Filmografia:

AUETU! A capoeira angola no fio da navalha. Direção: André Silvério. Santo André: Cadência Filmes, 2014. 1 vídeo (59 min), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DcqTrD5hUUo. Acesso em: 15 jul. 2021.

PASTINHA! Uma vida pela capoeira. Direção: Antônio Carlos Muricy. Rio de Janeiro: Raccord Produções, 1999. 1 fita de vídeo (56 min), VHS/NTSC, son., color.

Fonografia:

MESTRE Pastinha e sua academia. São Paulo: Philips, 1969. 1 disco (33 min), estéreo.

Downloads

Publicado

2022-06-16

Como Citar

BRITO, C. de .; CARLOS DA SILVA, R. . A capoeira teresinense: linhagens, federações e suas posições no espectro político. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 60-97, 2022. DOI: 10.26694/rer.v4i2.12938. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5170. Acesso em: 16 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)