A implantação da capoeira angola baiana no Rio de Janeiro, 1970-1981

Autores

  • Cinézio Feliciano Peçanha Doutor em Difusão do Conhecimento pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v4i2.13051

Palavras-chave:

Capoeira Angola, Mestre Moraes, GCAP, Capoeira no Rio

Resumo

Entre os muitos migrantes baianos que se estabeleceram no Rio de Janeiro, havia uma série de praticantes de capoeira, a maioria de linhagem de Angola. No Rio, no entanto, eles geralmente aderiram ao novo estilo emergente, que não impunha nenhuma definição. Apenas alguns praticantes optam pela autodenominação de angoleiros , entre eles o Mestre Moraes e seus alunos. O artigo explora a história da fundação do GCAP, na década de 1970, e o papel que lhe coube na afirmação do estilo Angola naquela época. A pesquisa é baseada em depoimentos dos participantes, panfletos e fotos, assim como em notícias nos jornais da época.

Referências

ACUÑA, Jorge Mauricio Herrera. Entre rodas de capoeira e círculos intelectuais: disputas pelo significado da capoeira no Brasil (1930-1960). Dissertação de Mestrado. PPGAS, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2010.

ARAÚJO, Rosângela Costa. Iê, viva meu mestre - a Capoeira Angola da ‘escola pastiniana’ como práxis educativa. Tese de Doutorado em Educação. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2004.

FREITAS, Joseania Miranda (org). Uma coleção biográfica: os mestres Pastinha, Bimba e Cobrinha Verde no Museu Afro-Brasileiro da UFBA. Salvador: EDUFBA, 2015.

ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig. Capoeira: The history of an Afro-Brazilian martial art. London: Routledge, 2005.

______. Angola no Brasil. A formação da identidade angoleira na Bahia. In: Cultura, política e sociedade: estudos sobre a capoeira na contemporaneidade. Daniel Granada and Celso de Brito, orgs. Teresina, PI: Editora da UFPI, 2020, pp. 77-109. https://www.ufpi.br/arquivos_download/arquivos/livro_digital1_120200609161144.pdf

BARTHOLO, Tiago L.; ALMEIDA, Marcelo N; SOARES, Antônio J. Uma roda de rua: notas etnográficas da roda de capoeira de Caxias. Rev Port Cien Desp 7(1) 124–133, 2013.

BOGADO, Mestre. 2015. Breve história da regulamentação da capoeiragem. http://www.rodadecapoeira.com.br/artigo/Breve-Historia-da-Regulamentacao-da-Capoeiragem/0

BRITO, Celso de. A roda do mundo: A Capoeira Angola em tempos de globalização. Curitiba: Apris, 2017.

COSTA, M. C. A Capoeira na Baixada Fluminense. Rio de Janeiro. Universidade Estadual do Rio de Janeiro. MuseuAfroDigital. 2012. Disponível em: http://www.museuafrorio.uerj.br/wp-content/uploads/2016/12/Artigo_Marcelo_Cardoso_A-capoeira-na-Baixada-Fluminense.pdf>. Acesso em: 02/05/2018.

Desch-Obi, T. J. Fighting for Honor: The History of African Martial Arts in the Atlantic World. University of South Carolina Press, 2008.

GENI, José M. “Porque não chamo o uniforme que atualmente utilizamos na capoeira de abadá”. Publicado no perfil pessoal do mestre Geni no facebook, 26/08/2016. https://web.facebook.com/permalink.php?story_fbid=670578776428716&id=100004297996124 (acesso em 19/09/2018)

HALL, Stuart. “Identidade Cultural e Diáspora”. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 24, p. 68-75, IPHAN, 1996.

LOPES, André Luiz Lacé. A capoeiragem no Rio de Janeiro. Primeiro Ensaio. Sinhozinho e Rudolf Hermanny. Rio de Janeiro: Editora Europa, 2002.

LOPEZ_CALVA, Luis F. e ORTIZ-JUAREZ, Eduardo. A Vulnerability Approach to the Definition of the Middle Class. The World Bank Latin America and the Caribbean Region Poverty, Equity and Gender Unit, Policy Research Working Paper 5902, December 2011.

https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/3669?show=full (Acesso 22.8.2021)

MARTIELO, Renata Giovana de Almeida. O processo de instalação da capoeira angola na cidade do Rio de Janeiro. TCC (Graduação) - Curso de Educação Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: 1998.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a pequena África no Rio de Janeiro. 2ªed. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995.

NECO, Mestre. Mestre Neco: depoimento [out. 1997]. Entrevistadora: Renata Giovana de Almeida Martielo. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997. 1 Mini-cassete sonoro.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Gráfica e Editora Popular, 2007.

________. A ancestralidade na encruzilhada. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007.

NASCIMENTO, Jurandir Francisco. As voltas que o mundo da.Michelle Ouroteia (org). Belo Horizonte: sem ed., 2017.

PIRES, Thula Rafaela de Oliveira. Estruturas Intocadas: Racismo e Ditadura no Rio de Janeiro. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro, Vol. 9, N. 2, 2018, p. 1054-1079. https://www.scielo.br/j/rdp/a/DWf3hXwfgJdxQY3CJ8gCgvj/?lang=pt&format=pdf (Acesso 23.8.2021).

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Lima Barreto triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SOUSA, Neves de. ... Da minha África e do Brasil que eu vi... Luanda: Lello, s/d.

TAMPLENIZZA, Cecilia. Do canto ao gesto, do corpo ao texto: diálogos com o Grupo de Capoeira Angola Pelourinho. Tese de doutorado. Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-16

Como Citar

PEÇANHA, C. F. . A implantação da capoeira angola baiana no Rio de Janeiro, 1970-1981. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 159-184, 2022. DOI: 10.26694/rer.v4i2.13051. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5173. Acesso em: 19 jun. 2024.