Moral como natureza e como antinatureza

Nietzsche e Kant como casos exemplares

Autores

  • Vânia Dutra de Azeredo UNIRIO

DOI:

https://doi.org/10.26694/pensando.vol14i33.4901

Palavras-chave:

natureza, antinatureza, moral, dever, não-consciente

Resumo

Partindo das definições de moral como natureza e como antinatureza introduzidas por Nietzsche em Crepúsculo dos ídolos, investigaremos as construções explicativas da ação formuladas por Kant e por Nietzsche objetivando mostrar, por um lado, que ao excluir da ação moral qualquer determinação prático-material, a ética kantiana constitui-se como um caso exemplar da moral como antinatureza. Por outro, que ao recusar remeter a ação a um fundamento ou a uma justificação racional, entendendo o agir a partir de determinações profundas não-conscientes, Nietzsche é o caso exemplar de uma moral como natureza.

 

Biografia do Autor

Vânia Dutra de Azeredo, UNIRIO

Doutora em filosofia (USP/2003), fez estágio de estudos na universidade Paris X (1999/2000), frequentou seminário com professor Dr. Jacques Derrida (EHESS, 2000), fez estágio pós-doutoral na École Normale Superièure (2012), Paris. Coordena a Coleção Nietzsche em Perspectiva (Editora Humanitas 7 CRV). É autora dos livros Nietzsche e a dissolução da moral (Discurso Editorial, 2000; 2003), Nietzsche e a aurora de uma nova ética (Editora Humanitas, 2008), Nietzsche e a condição pós-moderna (Editora Humanitas, 2013). Organizou os livros Encontros Nietzsche (Unijuí, 2003), Caminhos percorridos e terras incógnitas (Unijuí, 2004), Falando do Nietzsche (Unijuí, 2005), Nietzsche: filosofia e educação (Unijuí, 2008), Nietzsche e a interpretação (Júnior, Ivo da Silva, 2012). Pertence ao GT Nietzsche da Anpof; é membro do GIRN (Grupo Internacional de Pesquisa Nietzsche) e do GEN (Grupo de Estudos Nietzsche-USP). Publicou diversos artigos em revistas especializadas no Brasil e no exterior. Tem como área central de pesquisa filosofia alemã (Nietzsche), francesa (Foucault e Deleuze), ética e filosofia e educação.

Referências

AZEREDO, Vânia Dutra de. Nietzsche e a aurora de uma nova ética. 2 ed. São Paulo; Curitiba: FAPESP; CRV, 2021.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 1986.

________. Crítica da razão pura, traduzido do alemão por Valério Rohden e Udo B. Moosburger, São Paulo, Abril Cultural, 1980.

______________. Crítica da razão prática. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1986

NIETZSCHE, Friedrich W. Kritische Studienausgabe. Giorgio Colli e Mazzino Montinari (Eds.). Berlin: Walter de Gruyter, 1980.

Fragments posthumes automne 1884-automne 1885. Trad. Michel Haar e Marc B. de Launay, Paris: Gallimard, 1982, p. 165. (Oeuvres philosofiques complètes, v. XI

________. Além do bem e do mal. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1996.

________. Genealogia da moral. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo, SP: Brasiliense, 1987.

________. A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos ídolos. Trad. Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

Downloads

Publicado

2024-01-23

Como Citar

DUTRA DE AZEREDO, V. Moral como natureza e como antinatureza: Nietzsche e Kant como casos exemplares. PENSANDO - REVISTA DE FILOSOFIA, [S. l.], v. 14, n. 33, p. 17-30, 2024. DOI: 10.26694/pensando.vol14i33.4901. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/pensando/article/view/4901. Acesso em: 19 abr. 2024.