Uso de crack, experiência espacial e sentimentos: a lugaridade fugaz entre euforia e ressentimento no Centro Histórico de Belém

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v6i1.14056

Palavras-chave:

Uso de crack, Lugaridade, Espaço público, Desfiliação

Resumo

O artigo versa sobre cenas abertas de uso de crack e/ou similares, aglomerações e apropriações de fragmentos do espaço público que gravitam em torno dessas substâncias psicoativas. Ancorado em um referencial geográfico e fenomenológico-existencial, objetivou-se analisar o papel dos sentimentos na constituição de imagens e sentidos de lugar por pessoas que habitam cenas de uso no Centro Histórico de Belém, de maneira a esboçar uma geografia emocional. A partir de trabalhos de campo e entrevistas, identificou-se um contexto de vulnerabilidade e desfiliação social, onde os sujeitos estão em situação de rua ou evitam voltar para o lar. Assim, suas lugaridades são marcadas por um embaralhamento de imagens topofílicas (afetivas) e topofóbicas (negativas) em relação à cena, atravessadas pela euforia fugaz da droga, o ressentimento em torno do uso e as implicações negativas do contexto.

Referências

ADORNO, Rubens. Sobre drogas, rua e autonomia: entre razões repressivas e razões sanitárias. In: FIGUEIREDO, Regina; FEFFERMANN, Marisa; ADORNO, Rubens (org.). Drogas e sociedade contemporânea: perspectivas para além do proibicionismo. São Paulo: Instituto de Saúde, 2017. p. 23-32.

ANDREOTTI, Giuliana. Geografia emocional e cultural, em comparação com a racionalista. In: HEIDRICH, Álvaro Luiz; COSTA, Benhur Pinós da; PIRES, Cláudia Luisa Zeferino Pires. Maneiras de ler a geografia e cultura. Porto Alegre: Impressa Livre, 2013. p. 98-105.

ARAUJO, Tarso. Guia sobre drogas para jornalistas. São Paulo: IBCCRIM-PBPD-Catalize-SSRC, 2017.

DIAS, Alan Pereira. A EXPERIÊNCIA ESPACIAL DE PESSOAS QUE USAM CRACK E/OU SIMILARES NO CENTRO HISTÓRICO DE BELÉM-PA: territorialidade e lugaridade no espaço público. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Planejamento do Desenvolvimento) - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Universidade Federal do Pará, 2021.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. In: CIVITA, Victor (ed.). Os pensadores 38. São Paulo: Abril Cultural, 1974. p. 339-512.

BASTOS, Francisco Inácio; BERTONI, Neilane. O cenário do consumo de crack e o Inquérito Nacional sobre Crack, 2012. In: BASTOS, Francisco Inácio; BERTONI, Neilane (org.). Pesquisa nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? quantos são nas capitais brasileiras?. Rio de Janeiro: ICICT/FIOCRUZ, 2014, v. 1, p. 131-146.

BRITO, Lilian Simone Amorim. Intervenção no centro histórico e a reorganização sócio-espacial do Bairro da Cidade Velha–Belém/PA. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará, Belém, 2007.

CASTEL, Robert. A dinâmica dos processos de marginalização: da vulnerabilidade a “desfiliação”. CADERNO CRH, Salvador, n. 26/27, p. 19-40, jan./dez. 1997.

CENTRO de Belém cede espaço para a cracolândia. Diário Online, Belém, fev. 2013. Disponível em: <http://www.diarioonline.com.br/noticiasinterna.php?nIdNoticia=236445&idrand=780. Acesso em: 15 jun. 2020.

DARDEL, Eric. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2005.

FRÚGOLI JR., Heitor; CAVALCANTI, Mariana. Territorialidades da(s) cracolândia(s) em São Paulo e no Rio de Janeiro. Anuário Antropológico, v. 38, n. 2, p. 73-97, 2013.

HOLZER, Werther. O método fenomenológico: humanismo e a construção de uma nova geografia. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (org.). Temas e caminhos da geografia cultural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010. p. 37-71.

HOLZER, Werther. Sobre territórios e lugaridades. Revista Cidades, v. 10, n. 17, 2013.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. Introdução à sociologia da emoção. João Pessoa: Manufatura/GREM, 2004.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

NANCY, Jean-Luc. A imagem - o distinto. Outra travessia, n. 22, p. 97-109, 2016.

PERLONGHER, Néstor. O negócio do michê: prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Editora brasiliense, 1987.

SCHUTZ, A. O cenário cognitivo do mundo da vida. In: WAGNER, H. R. (org.). Fenomenologia e relações sociais: textos escolhidos de Alfred Schütz. Rio de Janeiro: Zahar, 1979a. p. 79-122.

SERPA, Angelo. Por uma geografia dos espaços vividos: geografia e fenomenologia. São Paulo: Contexto, 2019.

SILVA, Marcia Alves Soares da. Por uma geografia das emoções. GEOgraphia, v. 18, n. 38, p. 99-119, 2016.

SIMMEL, Georg. Como as formas sociais se mantêm. In: MORAES FILHO, E. (org.). Georg Simmel: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983. p. 46-58.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

TRINDADE JR., Saint-Clair Cordeiro da; SANTOS, Tiago Veloso dos. Para além da cidade: entre fragmentações e permeabilidades, os desafios do planejamento e da gestão urbana no espaço metropolitano de Belém. Ateliê geográfico (UFG), v. 4, p. 20-50, 2010.

TUAN, Yi-fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

TUAN, Yi-fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1993.

Downloads

Publicado

2023-10-22

Como Citar

PEREIRA DIAS, A. . Uso de crack, experiência espacial e sentimentos: a lugaridade fugaz entre euforia e ressentimento no Centro Histórico de Belém. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 131-149, 2023. DOI: 10.26694/rer.v6i1.14056. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5147. Acesso em: 17 abr. 2024.