Diretrizes para autores

As pessoas designadas como autores devem ter contribuído de forma substancial na elaboração do manuscrito. Neste sentido, a REUFPI adota critérios de autoria conforme deliberação do Uniform Disclosure Form for Potential Conflicts of Interest (ICMJE), no que tange os seguintes critérios: a) contribuições substanciais na concepção ou desenho do trabalho;  b) na coleta, análise e interpretação dos dados; c) na redação do artigo ou na sua revisão crítica; d) na aprovação final da versão a ser publicada. O número máximo de autores é sete. Excepcionalmente, para estudos multicêntricos, será examinada a possibilidade de inclusão de mais autores, considerando a pertinência das justificativas.

Procedimentos para submissão

O autor correspondente deve ter toda a documentação necessária (checklist) e seguir os seguintes passos:

- PASSO 1 (Início):

  • Escolha da seção apropriada para a submissão. Para mais informações, clique aqui;
  • Idioma da submissão (português, espanhol ou inglês);
  • Comentários para o editor (Cover letter) - deve-se apresentar uma carta ao Editor justificando o motivo pelo qual seu manuscrito deve ser publicado na REUFPI, destacando qual a contribuição dos resultados apresentados para o avanço do conhecimento e seu encaminhamento para prática; 

- PASSO 2 (Transferência do manuscrito)

- PASSO 3 (Inclusão dos metadados)

O preenchimento dos metadados é obrigatório, sem o completo preenchimento não será possível o manuscrito prosseguir para primeira etapa de avaliação. Deve-se preencher de forma correta todas as informações solicitadas:

  • Autor(es): Devem ser apresentados os nomes completos sem abreviações, e-mail, ORCiD,  URL do lattes, instituição/afiliação, país, resumo da biografia (maior titulação acadêmica e vínculo institucional);
  • Título: até 15 palavras e na língua do manuscrito (Não usar caixa alta);
  • Resumo: limitado a 200 palavras no idioma do manuscrito. Deve ser estruturado: Objetivo, Métodos, Resultados e Conclusão. Para estudos na seção de protocolos a estrutura será: Objetivo e métodos.
  • Descritores: devem ser de três a cinco descritores nos idiomas português, inglês e  espanhol. Os descritores em português e espanhol devem ser extraídos dos Descritores em Ciências e Saúde (DECS), disponível no endereço: http://decs.bvs.br/e os descritores em inglês devem ser extraídos do MeSH Keywords, disponível no endereço: http://www.nlm.nih.gov/mesh/meshhome.html
  • Contribuidores e agências de fomento: é opcional a inclusão de agradecimento às  pessoas que contribuíram com o estudo, mas não são autores. Em caso de financiamento os autores devem citar a agência de fomento.
  • Referências: devem seguir o Estilo Vancouver, elaborado pelo Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas, disponível no endereço eletrônico: icmje.org

- PASSO 4 (Transferência de documentos suplementares)

  • Title page (Modelo)
  • Declaração de Responsabilidade e Cessão de Direitos Autorais, assinada por todos os autores e endereçada ao editor-chefe, conforme Modelo;
  • Pesquisas envolvendo seres humanos no Brasil, conforme Resoluções do CNS n°. 466/2012 e 510/2016 devem apresentar a documentação comprobatória de aprovação do projeto pelo Comitê de Ética em Pesquisa e/ou CONEP, quando necessário.

- PASSO 5 (Confirmação da submissão)

Nesta etapa o autor deverá revisar os documentos inseridos no sistema e, em seguida, finalizar a submissão.

Apresentação dos Manuscritos

A REUFPI recomenda que os manuscritos sigam as orientações descritas detalhadamente a seguir:

Preparo dos manuscritos

Devem ser digitados usando processador Ms Word com a seguinte configuração de página: papel tamanho A4, margens 2,5cm, fonte Times New Roman, tamanho 12, espaço entrelinhas de 1,5 em todo o texto, com numeração das páginas no canto superior direito. Em quadros e tabelas utilizar espaçamento simples.

O manuscrito deve iniciar com o título (até 15 palavras, centralizado, em negrito e não deve ser apresentado em caixa alta). Em seguida, o resumo (limitado a 200 palavras, estruturado: Objetivo, Métodos, Resultados e Conclusão. Para estudos na seção de protocolos a estrutura será: Objetivo e métodos). Destaca-se que tanto o título, quanto o resumo, devem ser apresentados apenas na língua do manuscrito.

Os descritores, devem vir após o resumo, de três a cinco nos idiomas português (Descritores), inglês (Descriptors) e espanhol (Descriptores). Os descritores em português e espanhol devem ser extraídos dos Descritores em Ciências e Saúde (DECS), disponível no endereço: http://decs.bvs.br/ e os descritores, em inglês, devem ser extraídos do MeSH Keywords, disponível no endereço: http://www.nlm.nih.gov/mesh/meshhome.html 

A REUFPI solicita que após os descritores os autores apresentem os pontos de destaque do estudo (highlights). Os autores devem destacar pelo menos três pontos de cada uma das seguintes questões: O que se sabe sobre o tema? O que o estudo acrescenta sobre o tema?

Os manuscritos deverão apresentar os seguintes itens de forma contínua: Introdução; Métodos; Resultados; Discussão; Conclusão; Referências. Com exceção dos estudos “Protocolos” e “Carta ao Editor”. Os Protocolos não precisam apresentar resultados, discussão e conclusão.

Na Introdução deve ser apresentada delimitação breve e clara do assunto, explicitação dos conceitos utilizados, justificativa do estudo, lacunas do conhecimento e finalizar com o objetivo. 

No Método apresentar descrição completa dos procedimentos metodológicos que permitiram viabilizar o alcance do objetivo. As subdivisões devem obedecer o guideline de cada método, conforme descrito na https://www.equator-network.org/.

  • Para Ensaios Clínicos utilizar o CONSORT
  • Para estudos observacionais o STROBE
  • Para estudos qualitativos o COREQ
  • Para relatos de caso o CARE
  • Para Revisões sistemática o PRISMA
  • Para Protocolo de Ensaio Clínico o SPIRIT
  • Protocolo de Revisão sistemática o PRISMA P
  • Para Protocolo e Revisão de Escopo o PRISMA-ScR
  • Os estudos de reflexão e relatos de experiência podem seguir descrição própria.

Os Resultados devem ser limitados a descrever os achados encontrados, sem interpretações, comparações ou comentários pessoais. Para facilitar a compreensão, pode ser acompanhado por gráficos, tabelas, figuras, fotografias, etc. As Tabelas, Quadros, Gráficos e Figuras, no máximo de cinco, obrigatoriamente, devem estar inseridas no corpo do texto do manuscrito, sempre em formato original. 

Discussão, separada dos resultados, deve se restringir aos dados obtidos (sem repetição dos resultados), destacando sua relação com a literatura nacional e internacional, enfatizar novos e importantes aspectos observados e discutir concordâncias e divergências com outras pesquisas já publicadas. Ao final apresentar limitações e contribuições do estudo.

Conclusão, deve ser escrita em frase clara, simples, direta e responder ao objetivo, fundamentada nos resultados e coerente com título e método. 

Para citações indiretas deve ser utilizado sistema numérico na identificação dos autores mencionados, de acordo com a ordem em que forem citados no texto, sem menção do nome dos autores. Os números que identificam os autores devem ser indicados sobrescritos e entre parênteses e após o ponto final. Se forem sequenciais, deverão ser indicados o primeiro e o último, separados por hífen (Ex.: (1-4)); quando intercalados, os números deverão ser separados por vírgula (Ex.:(1-2,4)).

As citações diretas devem ser apresentadas no corpo do texto entre aspas, indicando o número da referência e a página da citação, independentemente do número de linhas (Ex.:(1:30-31)).

Os depoimentos devem ser citados sem itálico, fonte 11, espaçamento simples, sem aspas, com recuo de 2cm, destacado do parágrafo do texto. Sua identificação deve ser codificada a critério do autor e entre parênteses no final de cada um. Supressões devem ser indicadas pelo uso de reticências entre colchetes.

As ilustrações compreendem tabelas, quadros, gráficos e figuras. O número de ilustrações deve ser de, no máximo, cinco por manuscrito. Todas devem ser inseridas no texto, numeradas consecutivamente com algarismos arábicos, na ordem em que forem citadas no texto, com suas respectivas legendas e fontes. A cada ilustração deve ser atribuído título, contendo local, sigla do estado, país e ano da coleta de dados. Deve-se usar letra minúscula, espaço simples e sem grifo. As ilustrações, quando não elaboradas pelos autores, devem indicar fonte de onde foram extraídas. As tabelas devem ser elaboradas com a ferramenta de tabelas do Microsoft Word, abertas lateralmente e não devem conter linhas internas, com espaçamento simples entre as linhas. Não devem conter células vazias e cada coluna deve ser identificada. As linhas internas deverão ser inseridas somente abaixo e acima do cabeçalho e na última linha.

As referências deverão ser reunidas no final do trabalho, citadas somente as obras utilizadas no texto, em ordem numérica e ordenadas segundo a sequência de aparecimento (Estilo Vancouver). Obedecer os critérios do Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas ― Estilo Vancouver (http://www.nlm.nih.gov/bsd/uniform_requirements.html). As referências estão de acordo com as Recomendações do ICMJE quanto aos títulos dos periódicos que devem ser abreviados de acordo com NLM Catalog: Journals referenced in the NCBI Databases - U.S. National Library of Medicine (Catálogo dos principais Periódicos na área da saúde internacional), disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/nlmcatalog/journals ou de acordo com Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde – BVS (Catálogo dos Periódicos nacionais e da América Latina e Caribe), disponível em: http://portal.revistas.bvs.br/. Recomenda-se que autores considerem as seguintes exigências:

  • Pelo menos 50% das referências devem ser preferencialmente produções publicadas nos últimos 5 anos e, destas, 30% nos últimos 2 anos. Pelo menos, 30% das referências sejam de artigos de periódicos indexados em bases de dados internacionais; A Reufpi sugere que 40% das referências sejam de revistas brasileiras, da coleção SciELO e RevEnf.
  • As referências citadas deverão estar no idioma inglês sempre que disponível;
  • Evitar citações de literatura cinzenta (documentos oficiais, teses, dissertações, livros, manuais, legislação, normas, revistas não científicas, etc.), exceto quando imprescindíveis;
  • A REUFPI incentiva citação dos manuscritos com uso do DOI;
  • Para artigos ou textos publicados na Internet que não contenham o DOI, deve-se indicar endereço do URL completo e a data de acesso em que foi consultado;
  • Serão aceitas até 3 referências de preprint.

Os apêndices e anexos devem ser evitados.

Exemplos mais comuns de referências:

Artigos com o identificador DOI:

Ex: Silva MDF, Gouveia MTO, Fernandes MA, Costa RS. Estratégias de enfrentamento do estresse utilizados por enfermeiros em maternidade. Rev Enferm UFPI. [Internet]. 2020;9(1):178-82. doi: https://doi.org/10.26694/reufpi.v9i0.9153

Artigos Eletrônicos

Silva Júnior FJG, Santos LCS, Moura PVS, Melo BMS, Monteiro CFS. Processo de morte e morrer: evidências da literatura científica de enfermagem. Rev bras enferm. [Internet]. 2011;64(6):1122-6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672011000600020&lng=pt

Preprint

Santos-López M, Jaque-Ulloa D, Serrano-Aliste S. Métodos de Desinfección y Reutilización de Mascarillas con Filtro Respirador Durante la Pandemia de SARS-CoV-2. Int J Odontostomat. 2020;14(3):310-5. doi: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-381X2020000300310 

Instituição como autor

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia Vigilância Epidemiológica. 7a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Livros 

Nunes BMVT, Santos AMR, organizadores. História da Associação Brasileira de Enfermagem seção Piauí: 50 anos de responsabilidade ético-social. Teresina (PI): ABEn; 2009.

Capítulo de livro

Moreira ICCC, Monteiro CFS, Magalhães RLB, Oliveira ADS, Melo BMS. O enfermeiro diante de situações de violência contra a mulher. In: Leite MMJ, coordenação-geral; Martini JG, Felli VEA, organizadores. Programa de Atualização em Enfermagem: saúde do adulto (PROENF). 1a ed. Associação Brasileira de Enfermagem - Porto Alegre (RS): Artmed/Panamericana; 2010. p. 87-105.