Esquecimento e natureza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/pensando.vol14i33.4898

Palavras-chave:

David Kopenawa, Friedrich Nietzsche, Esquecimento, Natureza

Resumo

Este artigo explora algumas possibilidades de correlacionar esquecimento e natureza a partir da filosofia de Nietzsche, tendo em vista certas aproximações com algumas de suas leituras que envolvem o tema, particularmente a leitura do Fausto de Goethe, e algumas interlocuções possíveis, como é o caso de um dos modos como a ideia de esquecimento aparece no livro A queda do céu, do xamã yanomami David Kopenawa. Nesses diferentes textos, conforme a hipótese assumida neste estudo, o esquecimento se aproxima da ideia de um repouso na natureza, entendida como um ambiente propício ao encontro consigo e ao restabelecimento do indivíduo.

Biografia do Autor

Antonio Edmilson Pachoal, Universidade Federal do Paraná

Sou professor do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Paraná, onde atuo no Curso Graduação em Filosofia, na Pós-Graduação em Filosofia e no núcleo local do PROF-FILO. Minha formação em Filosofia foi feita na PUC-PR, PUC-SP e UNICAMP. Além de ter realizado estágios de pesquisa no exterior, em especial na Alemanha: na Freie Universität-Berlin, na Universität Leipzig, na Ernst Moritz Arndt Universität Greifswald e na Universität Stuttgart. Atualmente concentro minhas atividades em duas áreas de atuação. A primeira é a Filosofia Prática posterior a Kant, com projetos sobre ?Má consciência e ressentimento", ?Tempo histórico e subjetividade" e sobre ?A autoencenação filosófica de Nietzsche em seus últimos escritos?. Nesses projetos realizo estudos sobre aspectos da Filosofia de Nietzsche em interface com o pensamento de Kant, Dostoiévski, Schopenhauer, Foucault e Derrida. Como resultados do meu trabalho nessa área fiz algumas traduções e publicações autorais, dentre as quais destacam-se os livros ?A genealogia de Nietzsche?, ?Nietzsche e a auto-superação da moral? e "Nietzsche e o ressentimento", além de vários artigos e da participação em outras publicações. A segunda área de atuação compreende o ensino da Filosofia, em especial no Ensino Médio. Nessa área desenvolvo o projeto "História da Filosofia e autonomia de pensamento". Como resultados de minhas atividades nessa área, além de várias assessorias ao MEC, SEED-PR e ANPOF, participei na redação das "Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino de Filosofia no Ensino Médio" e trabalhei na organização do PROF-FILO, um Programa de Pós-Graduação em Filosofia em rede nacional, voltado para o ensino de Filosofia no Ensino Médio. Atuei ainda como membro da diretoria da ANPOF (gestões 2016-2020), do grupo de sustentação do GT-Nietzsche da ANPOF, do Grupo Internacional de Pesquisa chamado Hyper-Nietzsche, da Nietzsche Gesellschaft (Alemanha) e do Internationale Nietzscheforschungsgruppe Stuttgart, além de ser um dos editores da Revista Estudos Nietzsche, do GT Nietzsche da ANPOF.

Referências

ASSAMAN, Aleida. Formen des Vergessens. Göttingen: Wallstein Verlag, 2016.

CAMPIONI, Giuliano et al. Nietzsches persönliche Bibliothek. Berlin, New York: De Gruyter, 2002.

CARVALHO. Irene B. O motivo do esquecimento no Fausto de Goethe. Orientador: Marcos V. Mazzari. 2022. 141 f. Dissertação (mestrado) – USP, Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária e Literatura Comparada, São Paulo, 2022.

DE CASTRO, Viveiros. O recado da mata. In: KOPENAWA, David & ALBERT, Bruce. A queda do céu. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. Pref. Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 11-41.

DE CASTRO, Viveiros. Metafísicas canibais: Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu Editora, n-1 edições, 2018.

DERRIDA, Jacques. Esporas. Os estilos de Nietzsche. Tradução de Rafael Haddock-Lobo e Carla Rodrigues. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2013.

FREUD, Sigmund (1904 1905). O método psicanalítico freudiano. In: FREUD, Sigmund. Fundamentos da Clínica Psicanalítica. Trad. Claudia Dornbusch. 2ª. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2022.

FREZZATTI JR, Wilson. Nietzsche e a psicofisiologia francesa do século XIX. São Paulo: Humanitas, 2018, p. 107-109.

GIOPPO, Gabriel Pereira. Tradução, transdução, traição: perspectivismo e filosofia em Viveiros de Castro. In: GIACOIA JR, Oswaldo; PASCHOAL, Antonio E.; OLIVEIRA, Jelson O. Sala de espelhos. Nietzsche e o perspectivismo. Curitiba, Kotter Editorial, 2023, p. 163, 175.

GOETHE, J. Wolfgang von. Fausto. Uma tragédia. Trad. Jenny Klabin Segall. Apresentação, comentários e notas de Marcus V. Mazzari. São Paulo: Editora 34, 2004.

KOPENAWA, David & ALBERT, Bruce. A queda do céu. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. Prefácio de Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

NIETZSCHE, Friedrich. Die Geburt der Tragödie. Unzeitgemässe Betrachtungen I-IV. Nachgelassene Schriften 1870-1873. Kritische Studienausgabe. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari, Bd. 1. München: De Gruyter, 1988.

NIETZSCHE, Friedrich. Mesnchlisches, Alzumenschilisches I und II. Kritische Studienausgabe. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari, Bd. 2. 2. Auflage. München: De Gruyter, 1988.

NIETZSCHE, Friedrich. Also Sprach Zarathustra I-IV. Kritische Studienausgabe. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. München: De Gruyter, 1988.

NIETZSCHE, Friedrich. Jenseits von Gut und Böse. Zur Genealogie der Moral. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari, Bd. 5. 9. Auflage. München: De Gruyter, 1999.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

PASCHOAL, Antonio E. Nietzsche e o ressentimento. São Paulo: Humanitas, 2014.

SOMMER, Andreas Urs. Kommentar zu Nietzsches Jenseits von Gut und Böse. Berlin / Boston: Walter de Gruyter GmbH, 2016.

STEGMAIER, Werner. Nietzsches ‘Genealogie der Moral’. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1994.

WEINRICH, Harald. Lete. Arte e crítica do esquecimento. Trad. de Lya Luft. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

Publicado

2024-01-23

Como Citar

EDMILSON PACHOAL, A. Esquecimento e natureza. PENSANDO - REVISTA DE FILOSOFIA, [S. l.], v. 14, n. 33, p. 104-115, 2024. DOI: 10.26694/pensando.vol14i33.4898. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/pensando/article/view/4898. Acesso em: 19 abr. 2024.