“Me vejo menos travada e com menos receio de me expressar, de me expor”: algumas notas antropológicas sobre o Teatro como lazer

Autores

  • João Pedro de Oliveira Medeiros Mestrando em Antropologia na Universidade Federal Fluminense https://orcid.org/0000-0003-2389-3609
  • Luiz Fernando Rojo Professor e Antropólogo na Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v5i2.13483

Palavras-chave:

Teatro, Lazer, Emoções

Resumo

Este estudo é baseado em um trabalho de campo etnográfico de um ano, realizado entre fevereiro de 2021 e fevereiro de 2022, em uma escola de teatro em Niterói, Rio de Janeiro. O artigo versa sobre como os discentes, mais especificamente aqueles que não demonstravam motivações profissionais com o curso, significavam o seu contato com tal experiência. Ambiciona entender, dentre outras coisas, o que eles queriam dizer por “fazer teatro” e os usos que faziam dele. O Lazer, importante categoria acionada nesta análise, conserva chaves interpretativas cruciais ao que tange as emoções, suas modalidades de expressão e a vida interior dos sujeitos.

Biografia do Autor

João Pedro de Oliveira Medeiros, Mestrando em Antropologia na Universidade Federal Fluminense

bacharel em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e, atualmente, é bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES, Brasil) do mestrado acadêmico no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da mesma universidade. Sob a orientação do professor Luiz Fernando Rojo, conduz o projeto de pesquisa intitulado “O Indivíduo no Teatro: do noviço ao ator-personagem, uma possibilidade de contestação pelo corpo?”.

Referências

BECKER, Howard. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

COELHO, Maria Claudia. Teatro e contracultura: um estudo de antropologia social. Dissertação (mestrado) - UFRJ/Museu Nacional/PPGAS. 1989.

ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. A busca da excitação. Lisboa: Difusão Editorial, 1985.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. – 1. ed. – [Reimpr]. – Rio de Janeiro: LTC. 2017.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2019.

MACHADO, Bernardo. O INTERESSE DO ANTROPÓLOGO: NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE PESQUISAS EM TEATRO. Cadernos do Centro de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. [SYN]THESIS, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 08-17, set./dez. (2020).

PESSOA, C. J. (2020). Breve reflexão sobre Teatro em tempo de pandemia: ensino e prática cénica. Boletim De Estudos Clássicos, (65), 137-145.

REZENDE, Claudia B. Diversidade e Identidade: discutindo jovens de camadas médias urbanas. In: Individualismo e juventude. VELHO, Gilberto (Org). – Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social. Museu Nacional – UFRJ. Rio de Janeiro. Comunicação n.º18, 1990.

ROJO, Luiz Fernando. O estatuto das emoções nas práticas esportivas. Atas do IX Congresso Português de Sociologia. Faro, 2016.

SCHECHNER, Richard. Ritual. In: Performance e Antropologia de Richard Schechner. Zeca Ligiéro (Org). – Rio de Janeiro: Maud X, 2012.

TURNER, Victor. Do ritual ao teatro: a seriedade humana de brincar. – Rio de Janeiro: Editora UFRJ: 2015.

Downloads

Publicado

2023-07-11

Como Citar

OLIVEIRA MEDEIROS, J. P. de .; ROJO, L. F. . “Me vejo menos travada e com menos receio de me expressar, de me expor”: algumas notas antropológicas sobre o Teatro como lazer. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 84-98, 2023. DOI: 10.26694/rer.v5i2.13483. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5156. Acesso em: 18 jun. 2024.