O sangue estampado - menstruação, antropologia das emoções e design em um projeto inspirado no livro de Lara Owen

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v6i1.14112

Palavras-chave:

Seu Sangue é Ouro, Design Emocional, Antropologia das emoções, feminismos menstruais

Resumo

Este artigo apresenta e discute um conjunto de estampas que foram concebidas a partir dos arquétipos menstruais propostos por Lara Owen, em seu livro Seu Sangue é Ouro. Os desenhos foram pensados como linguagem de resistência e ressignificação das emoções em torno do ciclo menstrual associado, pelas pessoas que participaram da pesquisa, à vergonha, ao medo e, por vezes, ao desejo de ter nascido com outro corpo. O ciclo menstrual é discutido a partir de aportes críticos dos estudos feministas pós-estruturalistas, da antropologia das emoções contextualista e do design emocional. Tencionamos as abordagens biologizantes em torno da menstruação e das emoções propondo-nos, por meio dos desenhos estampados em camisetas, provocar outros olhares e politizar as emoções em torno da menstruação.

Biografia do Autor

Larissa Maués Pelúcio, Universidade Estadual Paulista

Profa. associada, Departamento de Ciências Humanas

Referências

ABU-LUGHOD, Lila.; LUTZ, Catherine. Introduction: emotion, discourse, and the politics of everyday life. In: ABU-LUGHOD, L.; LUTZ, C. Language and the politics of emotion. York: Cambridge University Press, 1990. p. 1-23.

ASSIS, Fernanda Regina Rios. Não é só uma Camiseta: Mulheres e o Ativismo em Redes e Ruas. Anais Eletrônicos do Seminário Internacional Fazendo Gênero 12, Florianópolis, 2021, pp, 1-12.

BAHIA, Alexandre M. F., MELLO, Ge. O Pânico Moral Cisnormativo contra “pessoas que menstruam”. Empório do Direito.com.br. 08/12/2022. Disponível em: https://emporiododireito.com.br/leitura/o-panicomoral-cisnormativo-contra-pessoas-que menstruam#:~:text=No%20dia%2001%20de%20dezembro,Djamila%20Ribeiro%20par a%20sua%20coluna. Último acesso em 20/05/2023.

BAGAGLI, Beatriz Pagliarini. Abordando estereótipos de gênero e cisgeneridade: entre a subversão e resistência nos discursos transfeministas e feministas radicais trans- excludentes. Leitura, n. 69, p. 55-68, 2021.

BISPO, Raphael; COELHO, Maria Claudia. Emoções, Gênero e Sexualidade: apontamentos sobre conceitos e temáticas no campo da Antropologia das Emoções. Cadernos de Campo (São Paulo-1991), v. 28, n. 2, p. 186-197, 2019.

BOBEL, Chris. New blood: Third-wave feminism and the politics of menstruation. Rutgers: University Press, 2010.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos pagu, v. 26, p. 329- 376, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CALAFELL SALA, Núria. “La ginecología natural en América Latina: un movimiento sociocultural del presente”. Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 33, p. 59-78, 2019.

CASTELLANOS, Gina. Menstruación consciente - Despierta tu energía y activa tu amor propio. Ciudade de Mexico: Grijalbo, 2023.

DÍAZ-BENÍTEZ, María Elvira; GADELHA, Kaciano; RANGEL, Everton. Nojo, humilhação e desprezo: uma antropologia das emoções hostis e da hierarquia social. Anuário Antropológico, v. 46, n. 3, p. 10-29, 2021.

DIEGUEZ, Roberta Siqueira Mocaiber; ALZUGUIR, Fernanda de Carvalho Vecchi; NUCCI, Marina Fisher. “Descolonizar o nosso corpo”: ginecologia natural e a produção de conhecimento sobre corpo, sexualidade e processos reprodutivos femininos no Brasil. Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 37, p. 1-24, 2021.

DE FÁVERI, Marlene; VENSON, Anamaria Marcon. Entre vergonhas e silêncios, o corpo segregado. Práticas e representações que mulheres produzem na experiência da menstruação. Anos 90, v. 14, n. 25, p. 65-97, 2007.

GOTTLIEB, Alma. Menstrual taboos: Moving beyond the curse. In: Bobel, C., Winkler, I.T., Fahs, B., Hasson, K.A., Kissling, E.A., Roberts, TA. (Eds), The Palgrave handbook of critical menstruation studies. Singapore: Palgrave MacMillan, p. 143-162, 2020.

GUZMÁN, Boris Ramírez. Colonialidad e cis-normatividade. Entrevista con Viviane Vergueiro. Iberoamérica Social: revista – red de estudios sociales (III), pp.15–21, 2014.

JESUS, Jaqueline Gomes de; ALVES, Hailey. Feminismo transgênero e movimentos de mulheres transexuais. Cronos – Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN, v. 11, n. 2, 2010, p. 8-19.

KAAS, Hailey. Birth of Transfeminism in Brazil: Between Alliances and Backlashes. Transgender Studies Quarterly, v. 3, n. 1-2, p. 146-149, 2016.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. Pela consolidação da sociologia e da antropologia das emoções no Brasil. Sociedade e Estado, v. 29, p. 841-866, 2014.

LINDNER, Evelin Gerda. O que são emoções?. Revista Brasileira de Sociologia das Emoções, RBSE, v. 12, n. 36, p. 854-846, 2013.

MARIANO, Miriam Oliveira. A construção da síndrome pré-menstrual. Tese (Doutorado em Ciências Humanas e Saúde; Epidemiologia; Política, Planejamento e Administração em Saúde; Administra) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

MARIANO, Silvana Aparecida. O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo. Revista Estudos Feministas, v. 13, n. 3, p. 483-505, 2005.

MARÍN, Yonier Alexander Orozco; CASSIANI, Suzani. Como seria o mundo se os homens cisgêneros também menstruassem? Outras abordagens sobre a menstruação no ensino de ciências e biologia. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 14, n. 22, 2021.

NASCIMENTO, Letícia. Transfeminismo – V. 10. São Paulo: Jandaíra, 2021.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Revista de Estudos Feministas, v. 8, n. 2, p. 9-41, 2000.

NORMAN, Donald. Design Emocional. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2004.

OWEN, Lara. Seu sangue é ouro: resgatando o poder da menstruação. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1994.

PALETTA, Gabriel. C. . Menstruapps e possíveis interseções entre corpo, tecnologia, política e gênero. Anais da Reunião Brasileira de Antropologia. Anais da 31ª RBA, 2018. p. 1-20.

PELÚCIO, Larissa. As Fridas, o capitão e os grupos da família: estratégias emocionais feministas para enfrentar a desordem da informação. PELÚCIO, L; CABRAL, R. (org.). Comunicação,contradições narrativas e desinformação em contextos contemporâneos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2021. p. 153-172.

PISCITELLI, Adriana. Re-criando a (categoria) mulher. A prática feminista e o conceito de gênero. Textos Didáticos, v. 48, p. 7-42, 2002.

SCOTT, Joan. “Gênero, uma categoria útil de análise histórica”. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, 1995, pp. 71-99.

SORIA, Salma. A camiseta como suporte político. Modapalavra e-periódico, v. 9, n. 18, p. 171-191. 2016.

TONETTO, Leandro Miletto; XAVIER DA COSTA, Filipe Campelo. Design Emocional: conceitos, abordagens e perspectivas de pesquisa. Strategic Design Research Journal, v. 4, n. 3, 2011.

TREVIZAN, Helena. O Fluxo da Vida: Estampas inspiradas nos conceitos do livro “Seu sangue é ouro”, de Lara Owen, Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Design da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2023.

VERGUEIRO, Viviane; GUZMÁN, Boris Ramírez. Colonialidade e Cis-normatividade. Conversando com Viviane Vergueiro. Iberoamérica Social: Revista-red de estudios sociales, n.3, p. 15-21, 2014.

VÍCTORA, Ceres; COELHO, Maria Claudia. A antropologia das emoções: conceitos e perspectivas teóricas em revisão. Horizontes Antropológicos, v. 25, p. 7-21, 2019.

YORK, Sara Wagner; OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes; BENEVIDES, Bruna. Manifestações textuais (insubmissas) travesti. Revista Estudos Feministas, v. 28, 2020.

Downloads

Publicado

2023-10-22

Como Citar

PELÚCIO, L. M. .; AIRES RAMOS, H. T. . O sangue estampado - menstruação, antropologia das emoções e design em um projeto inspirado no livro de Lara Owen. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 13-38, 2023. DOI: 10.26694/rer.v6i1.14112. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5141. Acesso em: 17 abr. 2024.