‘Resistir para existir’: Meninos bons de bola e uma etnografia possível sobre o se fazer time de Futebol

Autores

  • Maurício Rodrigues Pinto Universidade de São Paulo
  • Heloisa Buarque de Almeida Professora do Departamento de Antropologia da USP

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v5i2.13482

Palavras-chave:

Futebol, Gênero, Transmasculinidades, Etnografia em contexto pandêmico

Resumo

Neste ensaio, apresentamos relatos e considerações etnográficas sobre o Meninos Bons de Bola (MBB), equipe de futsal amadora da cidade de São Paulo, formada por homens trans e pessoas transmasculinas. A partir de diálogos e trocas com jogadores da equipe, revemos alguns eventos vivenciados em 2020 e 2021 na rearticulação do time diante da pandemia, sem poder realizar os encontros presenciais que davam sentido à sua existência. Refletimos nesse processo sobre os desafios e rearranjos na pesquisa etnográfica impostos pela pandemia de Covid-19. Por meio de narrativas biográficas, construídas em colaboração com jogadores do time, mostramos como os integrantes do MBB pensam suas relações com o futebol, os impactos da pandemia em suas rotinas, além dos significados de fazer parte de um coletivo acolhedor, que os possibilita jogar bola entre os seus. O artigo abarca também a retomada dos encontros presenciais do MBB, a partir do segundo semestre de 2021, momento em que sujeitos lidos como dissonantes dos padrões estabelecidos pela cisgeneridade, por meio da prática do futebol e da exposição dos seus corpos, reivindicam coletivamente o direito de aparição das suas existências em espaços públicos.

Biografia do Autor

Maurício Rodrigues Pinto, Universidade de São Paulo

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da USP (PPGAS/USP)

Heloisa Buarque de Almeida, Professora do Departamento de Antropologia da USP

Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Docente do Departamento de Antropologia

Referências

CPI da Pandemia: principais pontos do relatório. In Agência Senado, 20 de out. 2021. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/10/20/cpi-da-pandemia-principais-pontos-do-relatorio>. Acesso em 27/04/2022.

ALMEIDA, Guilherme. “Homens trans”: novos matizes na aquarela das masculinidades. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 513-523, maio/ago. 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0104-026X2012000200012>.

ALMEIDA, Guilherme; CARVALHO, Raquel Reis. Homens inesperados: emergência pública de transmasculinidades na cena brasileira do início dos anos 2000.In: FACCHINI, Regina; FRANÇA, Isadora Lins. Direitos em disputa: LGBTI+, poder e diferença no Brasil contemporâneo. Campinas: Editora da Unicamp, 2020.

AULTMAN, B. Cisgender. In: Transgender Studies Quarterly. Postposttransexual: Key Concepts for a 21st Century Transgender Studies. Duke University Press Books, v. 1, n. 1-2, 2014. Disponível em: <http://tsq.dukejournals.org/content/1/1-2/26.full.pdf>

BRAZ, Camilo. “Eu já tenho nome” – Itinerários de homens trans em busca de respeito. In Habitus, Goiânia, v.16, n.1, pp. 162-176, jan./jun. 2018. Disponível em: <http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/habitus/article/view/6367>

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: Notas performativas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CAMARGO, Wagner Xavier. Circulando entre práticas esportivas e sexuais: etnografia em competições esportivas mundiais LGBTs. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

CAMARGO, Wagner Xavier. Dilemas insurgentes no esporte: as práticas esportivas dissonantes. In Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 4, out./dez. 2016. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/6618>.

CAVALCANTI, Céu; BARBOSA, Roberta B.; BICALHO, Pedro Paulo G. Os Tentáculos da Tarântula: Abjeção e necropolítica em operações policiais a travestis no Brasil pós-redemocratização. Psicologia: Ciência e Profissão, nº 38 (n.spe.2), pp. 175-191, 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1982-3703000212043>.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Ed. Boitempo, 2019.

DAMO, Arlei Sander. Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: Aderaldo & Rithschild Ed., Anpocs, 2007.

HINE, Christine. How can qualitative internet researchers define the boundaries of their project? In: MARKHAM, Annette; BAYM, Nancy. (Orgs.). Internet Inquiry. Conversations About Method. Los Angeles: Sage, 2009, p. 1-20.

NASCIMENTO, Letícia Carolina Pereira do. Transfeminismo. São Paulo: Jandaíra, 2021.

NERY, João W.; MARANHÃO FILHO, Eduardo Meinberg de Albuquerque. Trans-homens no ciberespaço II: biopolíticas nos tecno-homens. In: BENTO, Berenice; FÉLIX-SILVA, Antônio Vladimir (ogs.). Desfazendo gênero: subjetividade, cidadania, transfeminismo. Natal, RN : EDUFRN, p. 105-129, 2015.

PISANI, Mariane da Silva. “Sou feita de chuva, sol e barro”: o futebol de mulheres praticado na cidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2018.

RUI, Taniele. Usos da “Luz” e da “cracolândia”: etnografia de práticas espaciais. Saúde e Sociedade [online], v. 23, n. 104, 2014. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000100007>.

SILVESTRIN, Julian Pegoraro e VAZ, Alexandre Fernandez. Transmasculinidades no esporte: entre corpos e práticas dissonantes. Revista Estudos Feministas [online]. v. 29, n. 2, 2021. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n279366>.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade) - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Salvador, 2015.

WACQUANT, Loïc. Corpo e alma: Notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

Entrevistas:

MARTINS, Raphael Henrique. Relatos concedidos a PINTO, Maurício Rodrigues. São Paulo, 29/01/2021 e 17/03/2021. Transcrito por Maurício Rodrigues Pinto e Aline Ribeiro.

SANTOS, Alex da Rocha. Relatos concedidos a PINTO, Maurício Rodrigues. São Paulo, 30/03/2021 e 31/03/2021. Transcrito por Maurício Rodrigues Pinto.

VIEIRA, Pedro. Relato concedido a PINTO, Maurício Rodrigues. São Paulo, 21/05/2020. Transcrito por Maurício Rodrigues Pinto.

Downloads

Publicado

2023-07-11

Como Citar

RODRIGUES PINTO, M. .; BUARQUE DE ALMEIDA, H. . ‘Resistir para existir’: Meninos bons de bola e uma etnografia possível sobre o se fazer time de Futebol. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 07-35, 2023. DOI: 10.26694/rer.v5i2.13482. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5153. Acesso em: 18 jun. 2024.