“É só pra pessoas LGBTs isso daqui?”: a produção de espaços visíveis e abertos como formas de fazer política pela Casa 1

Autores

  • Jesser R de Oliveira Ramos Mestrando em Antropologia Social na Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v2i1.10480

Palavras-chave:

Casa 1, Política de alianças, LGBTQI , Espacialidades

Resumo

Localizada no Bela Vista, bairro central da cidade de São Paulo, a Casa 1 é um centro cultural e de acolhimento que recebe jovens LGBTQI+, entre 18 e 25 anos, expulsos de suas casas por seus familiares. Nos diferentes espaços do centro cultural são realizadas variadas atividades e atendimentos não apenas para os jovens LGBTQI+ acolhidos, mas também para a vizinhança, as crianças vizinhas, as pessoas em situação de rua e muitos outros públicos. Sendo assim, na feitura de seus espaços, a Casa 1 é composta por uma multiplicidade de pessoas, afetos, necessidades e demandas. Partindo de sua política de visibilidade e abertura, proponho nesse artigo discutir as relações que são estabelecidas entre a Casa 1 e as pessoas que frequentam seus espaços cotidianamente. O objetivo é i) mostrar como a fabricação de espaços visíveis e abertos envolve a Casa 1 em uma série de relações que extrapolam sua espacialidade e ii) descrever de que modo essa política implica a Casa 1 em relações de consideração, conança e ajuda com sua vizinhança. Visibilidade e abertura operam uma política que conecta muitas pessoas à Casa 1 em meio a suas práticas e ações cotidianas e que expande sua existência para outros lugares. Uma política que, como pretendo argumentar, produz múltiplas alianças com o que está fora e que, como efeito disso, promove uma modo de agir plural e heterogêneo.

Referências

ALMEIDA, Mauro William Barbosa de. “Redescobrindo a família rural brasileira”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 66-83, 1986.

ALVES, Yara. “Sob a luz e o calor do fogo: A criação entre os moradores de Pinheiro e as interconexões entre casas, famílias e corpos”. In: MARQUES, Ana Claudia Duarte Rocha e LEAL, Natacha Simei. Alquimias do Parentesco: casas, gentes, papéis, territórios. Rio de Janeiro: Gramma/Terceiro Nome, 2018.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Tradução de Fernanda Siqueira Miguens ; revisão técnica Carla Rodrigues. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2018.

CARSTEN, Janet; HUGH-JONES, Stephen. About the House: Levi-Strauss and Beyond. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

COMERFORD, John Cunha; BEZERRA, Marcos Otávio. “Etnografias da política: uma apresentação da Coleção Antropologia da Política”. Análise Social, 207, xlviii (2.º), 2013.

DA MATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5a. ed. Rio de Janeiro: Editora Brasiliense, 1997.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia. Vol. 4. São Paulo: Editora 34, 1997.

______. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3. Tradução de Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 2012.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essay in livelihood, dwelling and skill. London and New York: Routledge, 2000.

GOLDMAN, Marcio. “Uma teoria etnográfica da democracia: a política do ponto de vista do movimento negro de Ilhéus, Bahia, Brasil”. Etnográfica. Vol IV (2), pp. 311-332, 2000.

POSTIGO, Augusto de Arruda. A terra vista do alto: usos e percepções acerca do espaço entre os moradores do Rio Bagé, Acre. Tese de Doutorado. PPGAS, Universidade de Campinas, 2010.

VILLELA, Jorge Mattar. “Família como grupo? Política como agrupamento? O sertão de Pernambuco no mundo sem solidez”. Revista de Antropologia. São Paulo, USP, V.52 nº1, 2009.

Downloads

Publicado

2020-04-28

Como Citar

OLIVEIRA RAMOS, J. R. de . “É só pra pessoas LGBTs isso daqui?”: a produção de espaços visíveis e abertos como formas de fazer política pela Casa 1. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 41-55, 2020. DOI: 10.26694/rer.v2i1.10480. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5234. Acesso em: 18 jun. 2024.