Experimentação corpoética no Tambor de Crioula Afinado a fogo, tocado a murro, dançado a coice

Autores

  • Salvio Fernandes de Melo Doutor em Estudos Literários e Artes do Espetáculo

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v4i1.12939

Palavras-chave:

Tambor de Crioula, corpoética, experimentação, diáspora

Resumo

Este artigo traz a tona reflexões a respeito das performances artísticas no Tambor de Crioula (Punga), tendo como horizontes teóricos a concepção de corpoética, a experimentação artística e a existência ética de grupos, manifestações e comunidades, compreendidas como um todo, que relaciona vida e arte, o cotidiano e o fazer artístico, pelo corpo. A Corpoética surge como experimentação artística e ritualística do corpo criador que se nutre da vida cotidiana das pessoas que realizam a festa do Tambor de Crioula. A Punga é uma manifestação afro-diaspórica que é cantada, versada e dançada, firmada na combinação simbiótica entre a marcação rítmica do tambor grande e a pungada, (umbigada) das mulheres (coreiras), umas nas outras. Sendo assim, nos interessa todo o contexto social, histórico, geográfico e cultural no qual o Tambor de Crioula está inserido, mas com ênfase na corpoética que atravessa a existência dessa tradição negra maranhense ao longo da história.

Biografia do Autor

Salvio Fernandes de Melo, Doutor em Estudos Literários e Artes do Espetáculo

Professor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB

Referências

ANDRADE, Mário de. Música de Feitiçaria no Brasil. v. 12. São Paulo: Martins, 1933.

BARBOSA, Muryatan S. A razão africana: Breve história do pensamento africano contemporâneo. São Paulo: Todovia, 2020.

Dossiê IPHAN, nº 15. Tambor de Crioula do Maranhão. Departamento de Patrimônio Imaterial. Registro do Tambor de Crioula do Maranhão. Prefeitura de São Luís (MA), 2007.

FARAH, Daniel Júlio de Souza. O tambor de crioula e suas características. Anais do III fórum de pesquisa científica em arte. Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Curitiba, 2005.

FERRETTI, Sergio. Tambor de Crioula: ritual e espetáculo. 3. ed. São Luís: Comissão Maranhense de Folclore, 2002.

________________ & NOGUEIRA, Thiago Victor A. S. O calor do tambor: análise do discurso das cantigas e toadas do Tambor de Crioula em São Luís no Maranhão. Cad. Pesq., São Luís, v. 19, n. especial, jul. 2012. In: file:///C:/Users/pc/AppData/Local/Temp/1066-14653-1-PB.pdf.

FILHO, Domingos Vieira. Folclore do Maranhão. Brasília: Cultura, 1973.

FUX, Maria. Dança, experiência de vida. 2ª ed. São Paulo: Summus, [1983?].

GALEFFI, Dante Augusto. Filosofar e educar; inquietações pensantes. Salvador: Quarteto, 2003.

GILROY, PAUL. O Atlântico Negro. São Paulo: Editora 34. 2012.

MACHADO, Adilbênia F. Ancestralidade e Encantamento como Inspirações Formativas: Filosofia Africana e Práxis de Libertação. In. Revista Páginas de Filosofia - Universidade Metodista de São Paulo. 2015.

MELLO, Ivan Maia. Autopoiesis do corpoema: a vida como obra de arte. Tese de Doutorado – programa de pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2012.

__________________. Nomadismo Corpoético. Z Cultural. Revista do Programa Avançado de Cultura Contemporânea. Ano IX. Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. 2015. http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/nomadismo-corpoetico-ivan-maia/.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia: ou helenismo e Pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SILVA, Pamela Lacorte Da. Diáspora africana no Brasil - a música negra como fruto de identidade. Revista ÎANDÉ-Ciências e Humanidades, Universidade Federal do ABC - UFABC. São Bernardo do Campo, v.2, n.1, p.136- 147, 2018.

TINHORÃO, José Ramos. Os sons dos negros no Brasil. São Paulo: ERT Editora, 1988.

WISNIK, José Miguel. O Som e o Sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Downloads

Publicado

2022-01-19

Como Citar

FERNANDES DE MELO, S. . Experimentação corpoética no Tambor de Crioula Afinado a fogo, tocado a murro, dançado a coice. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 77-95, 2022. DOI: 10.26694/rer.v4i1.12939. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5185. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS