Políticas multipolares nas migrações: Fundo Fiduciário de Emergência da União Europeia para a África

Autores

  • Thainá Letícia Sales

Palavras-chave:

Políticas multipolares, Migrações irregulares, FFUE para a África, Neocolonial

Resumo

O artigo apresenta a política multipolar dos Estados Europeus no controle das migrações irregulares através de uma análise do discurso do Fundo Fiduciário de Emergência da União Europeia (FFUE) para a África, lançado em 2015 e do relatório do Tribunal de Contas Europeu de 2018 sobre o mesmo fundo. Propõe-se uma análise crítica à gestão dos países do bloco, a partir do estudo do controle biopolítico dos corpos migrantes com base em Michel Foucaulte e Achille Mbembe. Analisa-se o discurso com base nos textos do fundo tendo suporte da epistemologia decolonial. Nessa perspectiva epistemiológica, questiona-se a possível implementação de uma política neocolonial que tem como proposito real garantir a seguridade das fronteiras europeias, e utiliza o discurso da assistência humanitária sem cumprir o objetivo principal descrito no fundo: “combater as causas profundas da migração irregular”. Assim, o artigo está dividido em quatro partes: 1. a União Europeia como bloco multipolar na gestão migratórias; 2. breve descrição do FFUE para a África; 3. a falta de capacidade gestora, transparência e precisão dos resultados do FFUE para a África; 4. apresentação deste FFUE como uma política neocolonial de controle biopolítico dos corpos migrantes. Conclui-se que o FFUE para a África é uma política neocolonial para garantir a seguridade dos seus membros e o controle da mobilidade dos africanos rumo à Europa.

Referências

AGIER, M. Managing the Undesirables: Refugee Camps and Humanitarian Government. Polity Press, 2011.

AJANA, B. Asylum, Identity Management and Biometric Control. Journal of Refugee Studies, 26(4), 2013, pp. 576–595. Disponível em: < https://academic.oup.com/jrs/article abstract/26/4/576/1594233?redirectedFrom=fulltext>. Acesso em: 17/12/2020.

ALVES, Laís Azeredo. Novas ameaças: Fluxos migratórios como um problema de segurança estatal. Trabalho preparado para apresentação no VII Congresso Latino-americano de Ciência Política, organizado pela Associação Latino-americana de Ciência Política (ALACIP). Bogotá, 25 a 27 de setembro de 2013.

ARIAS, Carlota Sofia Garza. Refugiados na União Europeia: Análise da Política Europeia para os Refugiados. Dissertação de Mestrado em Ciências Políticas e Relações Internacionais – área de especialização em Globalização e Ambiente, jan. 2017. Disponível em: <https://run.unl. pt/bitstream/10362/24351/1/Tese_CPRI_a43965_CarlotaGarza.pdf>. Acesso em: 17/12/2020.

BALLA, Evanthia. A Crise dos Refugiados: A Resposta da União Europeia. Revista Europa, n. 1, abril 2020. Disponível em: <https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/9695/1/A%20 Crise%20dos%20Refugiados%20A%20resposta%20da%20Uni%C3%A3o%20Europeia2017.pdf>. Acesso em: 17/12/2020.

BERTHELET, Pierre. L’Europe de la sécurité va-t-elle se construire ? in Sebastian Roché (dir.), Enquête de sécurité : causes de la délinquance et nouvelles réponses, Paris, Armand Colin, pp. 297-308, 2003.

CERNADAS, Paplo Ceriani. Controle migratório europeu em território africano: a omissão do caráter extraterritorial das obrigações de direitos humanos. Tradução de Pedro Maia Soares. Sur, Rev. int. direitos human. vol.6 no.10 São Paulo, junho 2009, pp 188-214.

CHAMAYOU, Grégoire. Les chasseurs aux hommes. Lyon: La Fabrique Éditions, 2010.

CHIRON, Paul. Les politiques migratoires européennes, à la frontière du droit. IRIS : Institut de Relations Internationales et Stratégiques, jun. 2017. Disponível em : <https://www.iris-france.org/wp-content/uploads/2018/07/Obs-huma-Chiron-Politiques- migratoires.pdf>. Acesso em: 17/12/2020.

DAPSENS, Sandrine. Les causes des migrations: pistes d’analyse et d’action. Centre Avec, Bruxelles, 2005.

FARIA, Fernanda. “Um por Todos e Todos por Um”? Atores e Dimensões da Abordagem Global da União Europeia. Rev. Nação e Defesa, 2016, N.º 144, pp. 88-102.

FERREIRA, Susana. Imigração. Uma ameaça securitária para a Europa? Jornal de Defesa e Relações Internacionais, 21 jan. 2013, pp. 1-6.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008a.

_______. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2008b.

_______. Segurança, Território, População. Editora Martins Fontes, 2008c.

_______. Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. São Paulo: Vozes, 1999.

HYNDMAN, Jennifer. Managing Displacement. Refugees and the Politics of Humanitarianism. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2000.

LOPES, Ana Mónica Henriques. Neocolonialismo na África. Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana. Ano IV, Nº 8, Dezembro/2011.

MBEMBE, Achille. A ideia de um mundo sem fronteiras. Tradução de Stephanie Borges. Tanner Lectures on Human Values, Universidade Yale, 2018.

______. Os africanos devem ser livres do desejo da Europa. Tradução de André Langer. Le Monde, via Instituto Humanitas Unisio, fev. 2019.

NEVES, Alex Jorge das; ROCHA, Gustavo de Souza Rocha; SILVA, José Camilo da. Políticas de segurança pública nas regiões de fronteira da União Europeia: Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras (ENAFRON). Brasília: Ministério da Justiça e Cidadania. Secretaria Nacional de Segurança Pública, 2016.

PATRÍCIO, Emilia Mourinho. Securitização da Imigração - Que impactos sobre os fluxos de imigrantes turcos para Alemanha e sobre as comunidades turcas aí residentes no período de 1999-2009. 2011.

REIS, Maurício de Novais; ANDRADE, Marcilea Freitas Ferraz de Andrade. O pensamento decolonial: análise, desafios e perspectivas. Revista Espaço Acadêmico, n. 202, mar. 2018.

REVEL, Judith. Dicionário Foucault. Editora Forense Universitária; 1ª edição, 2011.

SALES, Thainá Letícia. Resenha: Onisciente, a série que ajuda a repensar a segurança pública. Observatório de Segurança Pública, fev. 2020a. Disponível em: < https://www.observatorio deseguranca.org/imprensa/onisciente-a-serie-que-ajuda-a-repensar-a-seguranca-publica/>. Acesso em: 17/12/2020.

_____, Thainá Letícia. Stateless: não ser, ser e deixar de ser o homo sacer. Observatório de Segurança Pública, out. 2020b. Disponível em: < https://www.observatoriodeseguranca .org/imprensa/stateless-nao-ser-ser-e-deixar-de-ser-o-homo-sacer/>. Acesso em: 17/12/2020.

SAYAD, Abdelmalek. Imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo, Edusp, 1998.

SEBBEN, Fernando Dall’Onder; MÜLLER, Gustavo Gayger. Do momento unipolar ao multiregionalismo: estratégia e fundamentos na ordem multirregional. 8º Encontro da ABCP 01 a 04 de agosto de 2012, Gramado, RS. Disponível em: < https://cienciapolitica.org.br/system /files/documentos/eventos/2017/02/momento-unipolar-ao- multilateralismo-20-estrategias-e.pdf>. Acesso em: 17/12/2020.

TARDIS, Mathieu. L’UE est-elle prête pour les prochains défis migratoires ? Institut Français de Relations Internationales. Politique étrangère, v. 84, n° 3, 2019, pp. 101.

VILELA, Eugênia. Muros. « O estilhaçamento cultural do mundo, Tópicos Especiais: Seminário temático I do Núcleo “Diferença, Subjetivação e educação” – Eixo: Diferença, inclusão e educação (Print-CAPES) - Entre os muros da governamentalidade neoliberal e as resistências de quem encarna o signo da diferença: agenciamentos educacionais, artísticos e suas políticas de alianças», anotações em aula, 3 e 4 set, Unesp-Marília, 2019.

Downloads

Publicado

2021-02-21