A legislação para a quantidade permitida de agrotóxicos na água: os casos do Brasil e da União Europeia

Autores

  • André Devecchi de Freitas
  • Josueh Estevão Bartolomeu Regino

Palavras-chave:

Agrotóxicos, Água, Legislação, Teoria da dependência, Meio ambiente

Resumo

O presente artigo tem como objetivo comparar as legislações vigentes no Brasil com a da União Europeia, com base na Teoria da Dependência, mostrando como o sistema colônia-metrópole do período colonial está de alguma forma presente até hoje, porém, através da dependência de bens de capital, tecnologia e especificamente para este trabalho, dos agrotóxicos. A análise tem enfoque na legislação de agrotóxicos permitidos na água brasileira, em comparação a dos países europeus, e como isso impacta no meio ambiente do Brasil, poluindo rios, chuva, água para consumo humano e a biota em geral. O método utilizado foi o comparativo. Os resultados indicam que há dependência do Brasil, como país agroexportador no comércio internacional, devido a uma legislação historicamente mais flexível para as quantidades de agrotóxicos que podem ser encontradas na água, que impactam diretamente o meio ambiente e o bem-estar, podendo causar danos na saúde dos indivíduos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA (ABRASCO); FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ); INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA). Uma verdade cientificamente comprovada: os agrotóxicos fazem mal à saúde das pessoas e ao meio ambiente. Rio de Janeiro: ABRASCO/FIOCRUZ/INCA, 6 set. 2013.

BAER, W. Economia brasileira. 2ª ed. Barueri: Nobel, 2002.

BOMBARDI, L. M. Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia. São Paulo: FFLCH-USP, 2017.

BOMBARDI, L. M. Agrotóxicos e agronegócio: arcaico e moderno se fundem no campo brasileiro. In: Direitos humanos no Brasil 2012: relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, 2012.

BOMBARDI, L. M. Intoxicação e morte por agrotóxicos no Brasil: a nova versão do capitalismo oligopolizado. Boletim Dataluta, v. 45, p. 1-21, 2011.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Brasília: ANVISA (2019). Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/>. Acesso em: 2 jun. 2019.

BRASIL. IBAMA. Ranking dos Agrotóxicos. Disponível em: <https://www.gov.br/pt-br>. Acesso em: 26 maio 2020.

BRUE, S. L. História do Pensamento Econômico. 5ª ed. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

MORAES, R. F. Agrotóxicos no Brasil: padrões de uso, política da regulação e prevenção da captura regulatória. TD 2506. Brasília: IPEA, setembro de 2019.

SANTOS, T. La teoría de la dependencia: un balance histórico y teórico. Los retos de la globalización. Ensayo en homenaje a Theotonio Dos Santos, p. 93-151, 1998.

DUARTE, P. H. E.; GRACIOLLI, E. J. A teoria da dependência: interpretações sobre o (sub)desenvolvimento na América Latina. In: V Colóquio Internacional Marx e Engels, Campinas, UNICAMP, 2007.

FAUSTO, B.; FAUSTO, S. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1994.

GRÜTZMACHER, D. D., GRÜTZMACHER, A. D., AGOSTINETTO, D., LOECK, A. E., ROMAN, R., PEIXOTO, S. C., ZANELLA, R. Monitoramento de agrotóxicos em dois mananciais hídricos no sul do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 12(6), p. 632-637, 2008.

HUNT, E. K.; LAUTZENHEISER, M. História do Pensamento Econômico. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

MACHADO, L. T. A Teoria da Dependência na América Latina. Estudos avançados, v. 13, n. 35, p. 199-215, 1999.

MARÇAL, E. F. Há realmente uma tendência a deterioração dos termos de troca? Uma análise dos dados brasileiros. Revista Economia, v. 7, n. 2, p. 307-329, 2006.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2004.

MARQUES, R. M. Economia brasileira. São Paulo: Saraiva, 2018.

MONTOYA, M. A. O agronegócio no Mercosul: dimensão econômica, desenvolvimento industrial e interdependência estrutural na Argentina, Brasil, Chile e Uruguai. Revista Brasileira de Economia, v. 56, n. 4, p. 605-660, 2002.

MOREIRA, J. C.; PERES, F.; SIMÕES, A. C.; PIGNATI, W. A.; DORES, E. D. C.; VIEIRA, S. N.; MOTT, T. Contaminação de águas superficiais e de chuva por agrotóxicos em uma região do estado do Mato Grosso. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 1557-1568, 2012.

NEVES, J. L. Pesquisa Qualitativa – Características, usos e possibilidades. Cadernos de Pesquisa em Administração. FEA-USP, São Paulo. v. 1, n. 3, 2º sem. 1996.

PAULINI, F.; MATTEI, L. A Deterioração dos Termos de Troca na Agricultura Brasileira no Pós-Guerra, Segundo a Abordagem Convencional. Revista Economia Ensaios, v. 23, n. 1, p. 1-18, 2008.

RIGOTTO, R. M.; VASCONCELOS, D. P.; ROCHA, M. M. Uso de agrotóxicos no Brasil e problemas para a saúde pública. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, p. 1360-1362, 2014.

SERRA, L. S.; MENDES, M. R. F.; SOARES, M. V. A.; MONTEIRO, I. P. Revolução Verde: reflexões acerca da questão dos agrotóxicos. Revista Científica do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB, v. 1, n. 4, p. 2-25, 2016.

STEFFEN, G. P. K.; STEFFEN, R. B.; ANTONIOLLI, Z. I. Contaminação do solo e da água pelo uso de agrotóxicos. Tecno-lógica, v. 15, n. 1, p. 15-21, 2011.

VIEIRA, N. M.; CARVALHO, F. M. A. O setor agroexportador brasileiro no contexto da integração Mercosul/UE. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 47, n. 2, p. 311-334, 2009.

XAVIER, G. L. Agronegócio e capitalismo dependente na América Latina: o caso brasileiro. Argumentum, v. 9, n. 2, p. 147-160, 2017.

ZANELLA, L. C. H. Metodologia da pesquisa. Florianópolis: SEAD/UFSC, 2006.

Downloads

Publicado

2021-02-21