Práticas letradas das mulheres estudantes do Miguel Velho: saberes diários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/rer.v3i01.10503

Palavras-chave:

Letramentos, Mulheres, EJA

Resumo

Este artigo refere-se ao recorte de uma dissertação de mestrado, intitulada Mulheres do Miguel Velho: reinventando letramentos em práticas cotidianas, que constituiu-se na tentativa de conhecer as práticas de letramentos no cotidiano de mulheres. A escolha do tema e do objeto de estudo desta pesquisa está intimamente relacionada com a trajetória de vida pessoal e profissional da pesquisadora. A pesquisa é de inspiração etnográfica, a qual, na primeira fase utilizou a abordagem de pesquisa do tipo Estado da Arte, além de autores que tratassem letramentos, numa perspectiva social. As informações foram coletadas a partir da observação participante, entrevistas semiestruturadas, aplicação de questionário e registros fotográficos. Neste, percebemos que as mulheres do Miguel Velho, se envolvem em diversos eventos de letramento fora da escola e usam suas capacidades e conhecimentos de mundo. São mulheres ativas, independentes, guerreiras, que apesar do rótulo de “iletradas”, conduzem as suas vidas com destreza e sabedoria.

Biografia do Autor

Zislene Santos Bahia, Universidade do Estado da Bahia

Mestre em Crítica Cultural pela Universidade do EStado da Bahia, coordenadora pedagógica e professora da Rede pública de ensino

Referências

AGENCIA BRASIL. Taxa de analfabetismo no país na faixa de 15 anos ou mais foi de 72% em 2016. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2017-12/taxa-de-analfabetismo- no-pais-na-faixa-de-15-anos-ou-mais-foi-de-72-em-2016>. Acesso em: 22 out. 2016.

ALVES-MAZZOTTI, AJ. Relevância e aplicabilidade da pesquisa em educação. AJ Alves-Mazotti. Cadernos de pesquisa, 39-50, 2001.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Etnografia da prática escolar.18. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

BAIRROS, L. Mulher negra: o reforço da subordinação. In: Desigualdade racial no Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: CEDEPLAR-FACE-UFMG, 1991. p.177-193.

BARTON, David. Literacy – an introduction to the ecology of written language.

Cambridge/USA: Brackwell, 1994.

BAYNHAM, Mike. Ethnographies of Literacy: Introduction. Language and Education. Leeds, UK, University of Leeds, School of Education. v. 18, n. 4, 2004. pp. 285-290.

BENTO, M. A. Raça e Gênero no mercado de trabalho. In: Trabalho e Gênero: mudanças, permanências e desafios. São Paulo: ABEP/NEPO – UNICAMP/CEDEPLAR- UFMG/ Editora 34; 2000. p 295-307.

CHARTIER, Anne-Marie. Leitura escolar: entre pedagogia e sociologia. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro: n. 0, p. 17-52, set./dez., 1995.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados. nº49, 2003. p.117-132

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Artigo apresentado no Seminário Internacional sobre Racismo, Xenofobia e Genero, organizado por Lolapress em Durban, África do Sul, em 27-28 de agosto de 2001.

DI PIERRO, Maria Clara; GRACIANO, Mariângela. A Educação de Jovens e

Adultos no Brasil: informe apresentado à oficina regional da UNESCO para América Latina y Caribe. São Paulo: Ação Educativa – Assessoria, Pesquisa e Informação, 2003.

FERREIRA, N.S.A. As pesquisas denominadas ‘estado da arte’. Educação & Sociedade, Campinas, ano 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002.

FISCHER, Adriana. A construção de letramentos na esfera acadêmica. Florianópolis. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, 2007. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/viewFile/1984- 8412.2009v6n2p55/12514>. Acesso em: 10 jan 2018.

GEE, J. P. Social linguistics and literacies: ideology in Discourses. 2 ed. London/Philadelphia: The Farmer Press, 1999.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social.6ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

GONZALEZ, L. A mulher negra na sociedade brasileira. In: Luz M. O lugar da mulher. Rio de Janeiro: Graal; 1982. p. 87-106.

HEATH, Shirley Brice.; STREET, Brian Vincent. On ethnography: approaches to languages and literacy research. National Conference on Research in language and literacy. New York: Teachers College Columbia, 2008.

KATO, Mary Aizawa. No mundo da escrita: Uma perspectiva psicolinguística. 7 ed. São Paulo: Ática, 2009. 144 pp.

KLEIMAN, A. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. In: Signo. Santa Cruz do Sul, v. 32 n 53, p. 1-25, dez, 2007. Disponível em:

<http://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/viewFile/242/196>. Acesso em: 09 out. 2017.

KLEIMAN, Angela Bustos. (Org.) Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2005.

LEITE, Alda Fernanda Correa. Trabalhando a oralidade na sala de aula. 2009. Disponível em Acesso em:01 de junho de 2012.

NOGUEIRA, O. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: Sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 287-308, 2006. Disponível em:

PAHL, K.; ROWSELL, J. Literacy and education: Understanding the New Literacy 106 Studies in the classroom. 2005. (Ed.). London: Paul Chapman Publishing.

PASSOS, J. C. Juventude negra na EJA: os desafios de uma política pública. Florianópolis: PPGE: UFSC (Tese de Doutorado), 2010.

POVEDA, David; CANO, Ana; PALOMARES–VALERA, Manuel. Religious genres,

entextualization and literacy in Gitano children. Language in Society. United States of

America, 2005, n. 34. p.87-115.

QUEIROZ, D. M., 'Raça' e educação na Bahia nos anos 90". Revista da FAAEBA, 12 (jul./dez., 1999).

RUFINO, Alzira. Bolsa Poética. Edição da autora. Idem. Eu, Mulher Negra, Resisto. 1988. Gráfica A Tribuna de Santos. 2010

SARDENBERG, M. B. Cecília. Conceituando “Emporedamento” na Perspectiva Feminista. 2006. 12 f. Artigo – NEIM/UFBA, Bahia, 2006.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramento da reexistência. Poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola, 2011.

STREET Brian. Abordagens Alternativas ao Letramento e Desenvolvimento. Apresentado durante a Teleconferência Unesco Brasil sobre “Letramento e Diversidade”, 2003. Disponível em: http://docslide.com.br/documents/street-traduzido.html> Acesso em 20 out. 2016.

STREET Brian. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

STREET B; LEFSTEIN, A. Literacy: an advanced resource book. London/New York: Routledge, 2007.

VÓVIO, C. L. Entre discursos: sentidos, práticas e identidades leitoras de alfabetizadores de jovens e adultos. Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada) –Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 2007.

YIN, R. K. Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman,

Downloads

Publicado

2020-09-26

Como Citar

SANTOS BAHIA, Z. .; LIMA BARBOSA, L. M. . Práticas letradas das mulheres estudantes do Miguel Velho: saberes diários. Revista EntreRios do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 43-62, 2020. DOI: 10.26694/rer.v3i01.10503. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/entrerios/article/view/5211. Acesso em: 19 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.