MEDICALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO: O OLHAR DA PSICANÁLISE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/caedu.v5i3.4752

Palavras-chave:

Medicalização, Psicanálise, Educação, TDAH, Diagnóstico

Resumo

Esse artigo tem como objetivo discutir a medicalização da educação a partir do aumento crescente dos diagnósticos de Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade (TDAH) na atualidade. Para essa reflexão utilizamos como base epistemológica a psicanálise, propondo uma guinada no modo de olhar as crianças que apresentam comportamentos diferentes do esperado pela família e pela escola. O método utilizado foi a netnografia, sendo que foram coletados e analisados relatos de um grupo de Facebook destinado a pessoas com TDAH e a pessoas responsáveis por crianças/adolescentes com esse diagnóstico. Com base nesses relatos, a pesquisa concluiu que o diagnóstico acaba por apagar as diferenças, normalizando o corpo da criança às condições sociais pré-determinadas. 

Biografia do Autor

Amanda Carolina Pereira, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Campinas(2021). Atualmente é Professor do Colégio Objetivo Americana. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem.

Lilian Cristine Ribeiro Nascimento, Universidade Estadual de Campinas

Graduada em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1987), mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2002) e doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2007), pos-doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (Laboratório de estudos e pesquisas psicanalíticas e educacionais sobre a infância). Atualmente é professora associada I (Livre docente) da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas e Coordenadora Associada do curso de Pedagogia de Faculdade de Educação da UNICAMP, além de ser membro do grupo de pesquisa do CNPq: Linguagem na Diferença. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em educação de surdos, atuando principalmente nos temas: educação de surdos, tecnologias digitais na educação de surdos, ensino de português como segunda língua, psicanálise e educação. 

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DÉFICIT DE ATENÇÃO (ABDA). O que é TDAH. https://tdah.org.br/sobre-tdah/o-que-e-tdah/

BARROS, D. B.. Os usos e sentidos do metilfenidato: experiências entre o tratamento e o aprimoramento da atenção. Tese (Doutorado em Ciências Humana e Saúde; Epidemiologia; Política; Planejamento e Administração em Saúde; Administra) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, p. 184, 2014.

BRUM, E.. O Doping das Crianças. Revista Época 2013. .http://desacontecimentos.com/tag/alfredo-jerusalinsky/

CANGUILHEM, G. (1943). O normal e o patológico. Tradução de Maria Thereza Redig de Carvalho Barrocas. 6ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A. A. Preconceitos no cotidiano escolar: ensino e medicalização. São Paulo: Cortez, 1996. p. 11-264.

CORDIÉ, A.. Os atrasados não existem: psicanálise de crianças com fracasso escolar. 1. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 7-214.

COUTO, D. P. do. O sujeito-criança: A constituição subjetiva graças aos pais e apesar deles. Dissertação de mestrado. São João del-Rei PPGPSI-UFSJ 2014.

HASHIGUTI, S. T.. O discurso médico e a patologização da educação. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, v. 48, n. 1, p. 41-51, Jun 2009. https://www.scielo.br/pdf/tla/v48n1/04.pdf

KATZ, I.. Hiperatividade, sintoma e tratamento. Entrevista Ilana Katz: Os psicanalistas e suas análises #42. Youtube, 10 de nov. de 2016. https://www.youtube.com/watch?v=CN0l4RLCRIM

MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS [recurso eletrônico]: DSM-5 / [American Psychiatric Association; tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento ... et al.] ; revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli ... [et al.]. – 5. ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre: Artmed, 2014.

MEIRA, M. E. M. Para uma crítica da medicalização na educação. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 135-142, jul./2012. https://www.scielo.br/pdf/pee/v16n1/14

MONTARDO, S. P.; PASSERINO, L. M.. Estudo dos blogs a partir da netnografia: possibilidades e limitações. Revista Novas tecnologias na educação, v. 4, n. 2, p. 2-10, 2006. https://doi.org/10.22456/1679-1916.14173

OLIVEIRA, S. S. B. de. Psicanálise e medicalização de crianças na escola. 2019. 179 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2019. http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/335919

RANÑA, W.. Medicalização de crianças e adolescentes. Youtube, 05 de mar. de 2019. https://www.youtube.com/watch?v=rvQMrgDLOWI

ROCHA, G. dos S. da; ROSA, M. I. P. D.. Diagnóstico psicanalítico do Transtorno de Déficit de Atenção e/ou Hiperatividade (TDAH) na infância. Psicologia Argumento, v. 37, n. 96, p. 230-247, 2019. https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/23367

RODRIGUES, A. H. B.. Psicanálise substitui medicamentos contra hiperatividade: Por outro lado, psiquiatras consideram remédio como o tratamento mais eficaz. Sociedade, São Paulo, v. 47, n. 35, p. 1-2, 2014. http://www.usp.br/aun/antigo/exibir?id=6079&ed=1069&f=23

SAFATLE, V.; JUNIOR, N. da S.; DUNKER, C.. Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico. Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2020.

SIGNOR, R. de C. F.; BERBERIAN, A. P.; SANTANA, A. P.. A medicalização da educação: implicações para a constituição do sujeito/aprendiz. Revista da Faculdade de Educação da USP, Educação e Pesquisa, v. 43, n. 3, p. 743-763, 2017. https://www.scielo.br/pdf/ep/v43n3/1517-9702-ep-S1517-9702201610146773.pdf

SILVA, S. de A.. Desvelando a Netnografia: um guia teórico e prático. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 38, n. 2, p. 339-342, 2015. https://doi.org/10.1590/1809-58442015217

SILVEIRA, Rodrigo da Rosa, LEJDERMAN, Betina, FERREIRA, Pedro Eugênio Mazzucchi Santana. Padrões do uso não médico de metilfenidato em estudantes do 5º e do 6º ano de uma faculdade de medicina do Brasil. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, v. 36, n. 2, 101-106, disponível em: https://www.scielo.br/j/trends/a/mHzgBd8dZm3yzmHKFYcMPRt/?lang=en. Acesso em 20 de agosto de 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-18

Como Citar

PEREIRA, A. C.; NASCIMENTO, L. C. R. MEDICALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO: O OLHAR DA PSICANÁLISE. CAMINHOS DA EDUCAÇÃO diálogos culturas e diversidades, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 01-16, 2023. DOI: 10.26694/caedu.v5i3.4752. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/cedsd/article/view/4752. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS