O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NUMA ABORDAGEM SOCIOINTERACIONISTA NO ENSINO DE FÍSICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/caedu.v5i3.4611

Palavras-chave:

Abordagem socioconstrutivista, Avaliação formativa, Ensino de Física, Mapas Conceituais

Resumo

Este estudo teve como objetivo auxiliar professores de Física do Ensino Médio no SISTEMA SESI-SP DE ENSINO, através da inserção de Mapas Conceituais (MC) em suas aulas, seguindo uma abordagem socioconstrutivista. Quatro professores participaram do projeto, sediados em diferentes cidades da região do Oeste Paulista. Eles receberam formação em oficinas presenciais, utilizando o software Cmap Tools, com a colaboração do analista técnico pedagógico. Os MC construídos pelos alunos foram utilizados como uma ferramenta para avaliação formativa e para reforçar conceitos importantes. A abordagem cognitivista de Ausubel serviu de base para a integração dos MC no processo de ensino-aprendizagem. O estudo visou contribuir com a organização dos conteúdos e a avaliação diferenciada dos alunos, oferecendo suporte ao trabalho pedagógico e promovendo uma aprendizagem mais significativa.

Biografia do Autor

Luís Fernando Lopes, Universidade Estadual Paulista UNESP

Doutorado em Educação pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (em andamento) Mestre em Ensino de Física pela Universidade Estadual Paulista (2015). Especialista em Psicopedagogia Institucional pela Faculdade de Tecnologia Paulista (2014). Especialista em Metodologia do Ensino de Química pela Faculdade Educacional da Lapa (2014). Especialista em Ensino de Ciências Físicas e Matemática e Gestão Educacional pelo Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium (2008). Engenheiro de Produção pela UNIVESP - SP (2019). Pedagogo pela Faculdade União Cultural do Estado de São Paulo (2013). Físico pela Universidade Federal de São Carlos (2004). Diretor de Escola SESI nos municípios de Santo Anastácio e Álvares Machado (SP) (desde 2017). Membro do Conselho Consultivo de Educação da Rede SESI-SP (desde 2020). Presidente do Conselho Municipal de Educação do Município de Santo Anastácio, SP (desde 2021). Professor Formador da FACULDADE SESI DE EDUCAÇÃO, SP (desde 2022) Professor de Física, Matemática e Química na Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (desde 2003). Possuí experiência em gestão educacional e supervisão escolar, atuante na Supervisão Estratégica da REDE SESI-SP de 2013 à 2015.

Referências

Ausubel, D.P. Educational psychology: A cognitive view. Nova York: Rinehart and Winston Inc, 1968.

Ausubel, D.P.; Novak, J.; Hanesian, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

Ausubel, D.P. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Freire, P. Pedagogia do oprimido. 48ª reimpr. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

Galvão, I., Wallon, H. Uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ. Editora Vozes, 1995.

Moreira, M. A. MC e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

Lüdke, M., André, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

Marfan, M.A., Resenhas, Em Aberto, Brasília, n. 31, 1986, http://www.rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/2237/1505, acessado em março de 2015.

Moreira, M. A. Teorias de aprendizagem. 2. Ed. São Paulo: E.P.U., 2014.

Moreira, M.A., Aprendizagem significativa: da visão clássica à visão crítica. Conferência de encerramento do V Encontro Internacional sobre Aprendizagem Significativa, Madrid, Espanha, setembro de 2006;

Moreira M. A.; Buokweitz, B. Mapas Conceituais. São Paulo, Editora Moreira, 1982.

Moreira, M.A; Masini, E.F.S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

Novak, J.D. e Gowin, D.B. Aprender a aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas. Tradução de Lerning how to learn. 1984.

Peña, A.O. et al. MC: uma técnica para aprender. São Paulo: Loyola, 2005.

Santos, C.A. – “Aplicação da análise multidimensional e da análise de agrupamentos hierárquicos ao mapeamento cognitivo de conceitos físicos.” Dissertação de mestrado não-publicada. Porto Alegre, Instituto de Física da UFRGS, 1978.

Santos F.T. Educar para crescer. Disponível em: <http://educarparacrescer.abril.com.br /aprendizagem/henri-wallon-307886.shtml> Acesso em jul. 2023.

SESI. Referencial Curricular: Ensino Fundamental. São Paulo: SESI-SP Editora, 2015.

Tavares, R. Construindo mapas conceituais. Ciência & Cognição, [S.l.}, v. 12, p. 72-85, dez. 2007. Disponível em. Acesso em fev. 2014

Vygotsky, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984, 1988.

Downloads

Publicado

2023-12-18

Como Citar

LOPES, L. F. O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NUMA ABORDAGEM SOCIOINTERACIONISTA NO ENSINO DE FÍSICA. CAMINHOS DA EDUCAÇÃO diálogos culturas e diversidades, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 01-18, 2023. DOI: 10.26694/caedu.v5i3.4611. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/cedsd/article/view/4611. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS