Uma crítica institucionalista ao regime de metas de inflação no Brasil

Autores

  • Tales Rabelo Freitas

Palavras-chave:

Brasil; Instituições; Política Monetária; RMI; Taxas de Juros.

Resumo

Desde a implementação do regime de metas de inflação (RMI), em 1999, a política monetária brasileira tem lançado mão recorrentemente de taxas de juros elevadas para conter a inflação sem, contudo, obter o sucesso almejado pela política econômica do governo no que se refere ao alcance da meta. Isso se deve à incapacidade da síntese neoclássica em lidar com as especificidades dos canais de transmissão da política monetária e do processo de precificação dos diversos setores da economia brasileira. A inserção do arcabouço teórico institucionalista no debate é fundamental, visto que esta abordagem parte da existência de múltiplos determinantes para a dinâmica das variáveis econômicas, como a inflação. Assim, este artigo vai no sentido de discutir a importância do rompimento do reducionismo do RMI em prol de uma visão mais ampla para a questão da inflação, concentrada em analisar as especificidades de cada setor da economia, a institucionalidade dos instrumentos da política monetária e a evolução das relações entre os componentes determinantes da inflação.

Referências

ARESTIS, P.; SAWYER, M. The New Consensus Macroeconomics: an unreliable guide for policy. Revista Análise Econômica, ano 26, n. 50, pp. 275-297, setembro de 2008.

BALL, L. Efficient rules for monetary policy. International Finance, v. 2, n. 1, pp. 63-83, April 1999.

BARBOSA, F. H. The contangion effect of public debt on monetary policy: the Brazilian experience. Revista de Economia Política, v. 26, n. 2, pp. 231-238, abril-junho 2006.

BRAGA, J. M. A infação brasileira na decada de 2000 e a importância de políticas não monetárias de controle. Rio de Janeiro: IPEA, TD 1672, outubro de 2011.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; GOMES, C. O regime de metas de inflação no Brasil e a armadilha da taxa de juros/taxa de câmbio. In: Oreiro, José Luís, Luiz Fernando de Paula e Rogério Sobreira (Orgs.). Política Monetária, Bancos Centrais e Metas de Inflação, Rio de Janeiro: Editora FGV, pp. 21-51, 2009.

CARVALHO, F. J. C. Uma contribuição ao debate em torno da eficácia da política monetária e algumas implicações para o caso do Brasil. Revista de Economia Política, v. 25, n. 4, pp. 323-336, 2005.

FAVERO, C. A.; GIAVAZZI, F. Why are Brazil’s interest rates so high? Working Papers 224, IGIER (Innocenzo Gasparini Institute for Economic Research), Bocconi University, 2002.

FERREIRA, A. B.; JAYME JR., F. G. Metas de inflação e vulnerabilidade externa no Brasil. Encontro Nacional De Economia Da Anpec, Anais do XXXIII Encontro Nacional de economia da ANPEC, 2005.

HODGSON, G. The Approach of Institucional Economics. Journal of Economic Literature, v. 36, issue 1, March 1998.

HOLLAND, M. Por que as taxas de juros de curto prazo são tão elevadas no Brasil? Economia & Tecnologia, v. 4, pp. 27-42, 2006.

KEYNES, J. M. A treatise on money. New York: Harcourt, Brace and company, 1930.

KING, M. How should central banks reduce inflation? Conceptual issues. FED of Kansas City, Economic Review, pp. 25-42, fourth quarter 1996.

MARTINEZ, T. S.; CERQUEIRA, V. S. Estrutura da inflação brasileira: determinante e desagregação do IPCA. Rio de Janeiro: IPEA, TD 1634, julho de 2013.

MARTINEZ. T. S. Compatibilização de mudanças em classificações desagregadas do IPCA (1999-2014). Rio de Janeiro: IPEA, TD 2056, março de 2015.

MENDONÇA, H. D. Mecanismos de transmissão monetária e a determinação da taxa de juros: uma aplicação da regra de Taylor ao caso brasileiro. Economia e Sociedade, 16, pp. 65-81, jun. 2001.

MODENESI, A. D. M., & MODENESI, R. L. Quinze anos de rigidez monetária no Brasil pós-Plano Real: uma agenda de pesquisa. Revista de Economia Política, v. 32, n. 3 (128), pp. 389-411, julho-setembro 2012.

MOLLO, M. L. R. Ortodoxia e heterodoxia monetárias: a questão da neutralidade da moeda. Revista de Economia Política, v. 24, n. 3 (95), pp. 323-345, julho-setembro/2004.

MOREIRA, R. R. Uma perspectiva heterodoxa para o regime de metas de inflação: a hipótese da endogenia do produto potencial pelo lado da demanda. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

NAKANO, Y. O regime monetário, a dívida pública e a alta taxa de juros. Conjuntura Econômica, pp. 10-12, nov. 2005.

VEBLEN, T. Why is economics not an evolutionary science? The Quarterly Journal of Economics, v. 12, n. 4, pp. 373-97, July 1898.

ZYSMAN, J. How Institutions Create Historically Rooted Trajectories of Growth. Industrial and Corporate Change, 3(1), pp. 243-283, 1994.

Downloads

Publicado

2020-10-06