Desenvolvimento local e experiências territoriais no Nordeste brasileiro: casos de sucesso no estado do Ceará

Autores

  • Andressa de Sousa Santos Ferreira
  • Socrates Jacobo Moquete Guzmán

Palavras-chave:

Arranjo produtivo local. Desenvolvimento local. Ceará. Território. Sítios simbólicos de pertencimento.

Resumo

O propósito deste trabalho é analisar, à luz de algumas teorias sobre Desenvolvimento Local, experiências cearenses selecionadas identificando fatores que as tornaram sucesso. São mostradas também as limitações das teorias dada a complexidade do território, seguindo a classificação de Ferreira (2018). O trabalho utilizou dados secundários que permitiram uma análise qualitativa dos casos usando análise de conteúdo e comparação. Observou-se dependência do poder público para consolidar a produtividade através do apoio financeiro e técnico de políticas públicas e iniciativas nos três casos. A experiência do arranjo Pingo D’água se firma em pilares da especialização produtiva, alto vínculo de cooperação e governança dos Arranjos Produtivos Locais. O estudo de caso do Programa Agente de Cidadania e Controle Social é uma experiência que ressalta as ideias da visão crítica, enquanto o caso do Banco Palmas utiliza técnicas do desenvolvimento comunitário e premissas da Economia Solidária que se encaixa prioritariamente à teoria dos Sítios Simbólicos de Pertencimento.

Referências

BACELAR, T. A. “questão regional” e a “questão nordestina”. In: BACELAR, T. (Org). Celso Furtado e o Brasil. 1ª reimpressão. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001. Disponível em: <https://fpabramo.org.br/publicacoes/estante/celso-furtado-e-o-brasil/>. Acesso em: 28 jul. 2020.

CABRAL, R. Das ideias à ação: a Sudene de Celso Furtado - oportunidade histórica e resistência conservadora. Cadernos do Desenvolvimento, v. 8, p. 17-34, 2011. Disponível em: <http://www.centrocelsofurtado.org.br/arquivos/image/201109201209490.CD8_0_018.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2020.

CANO, W. Celso Furtado e a questão regional no Brasil. In: BACELAR, T. (Org). Celso Furtado e o Brasil. 1ª reimpressão. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001. Disponível em: <https://fpabramo.org.br/publicacoes/estante/celso-furtado-e-o-brasil/>. Acesso em: 13 ago. 2020.

Novas determinações sobre as questões regional e urbana após 1980. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 13, n. 2, p. 27-53, 2011.

CARVALHO, D. S. S. Banco Palmas: uma abordagem sociológica de sua instituição e seus critérios de liberação de crédito. 159 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, 2016.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H.; MACIEL, M. L. (Comp.). Systems of innovation and development: evidence from Brazil. Cheltenham, RU: Edward Elgar, 2003.

DINIZ, C. C. Celso Furtado e o desenvolvimento regional. Revista Nova Economia, Belo Horizonte, v. 19, n. 02, p. 227-249, mai/ago. 2009.

FERREIRA, A. S. S. Desenvolvimento local no contexto de comunidades de pequeno porte: análise e comparações teóricas. 112f. Dissertação (Mestrado em Economia Regional e Políticas Públicas) – Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, 2018.

FORTALEZA. Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. Desenvolvimento humano, por bairro, em Fortaleza. Fortaleza: Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, 2014.

______. Prefeitura Municipal. Planejamento e Gestão. 2017. Disponível em: <https://planejamento.fortaleza.ce.gov.br/menu-programas/ciclo-planejamento>. Acesso em: 13 ago. 2020.

FREITAS, C.; OLIVEIRA, G.; TEIXEIRA, A. Voluntários: Iniciativas do bem. G1 Globo.com, Ceará, 29 out. 2017. Disponível em: <https://g1.globo.com/ceara/noticia/voluntarios-iniciativas-do-bem.ghtml>. Acesso em: 13 ago. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Brasília: IBGE, 2010. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html>. Acesso em: 13 ago. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Tabela 6579 - População residente estimada - Ceará e Fortaleza. Brasília: IBGE, 2019. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6579#resultado>. Acesso em: 12 ago. 2020.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA)/PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD)/FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO (FJP). Radar IDHM: evolução do IDHM e de seus índices componentes no período de 2012 a 2017. Brasília: IPEA/PNUD/FJP, 2019. Disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/ data/rawData/Radar%20IDHM%20PNADC_2019_Book.pdf>. Acesso em: 18 jul.2020.

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE). Anuário Estatístico do Ceará 2010. 2010. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br>. Acesso em: 13 ago. 2020.

Perfil básico municipal 2015: Fortaleza. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2020.

Caracterização Territorial. 2017. Disponível em: <http://www2.ipece.ce.gov.br/ publicacoes/ceara_em_numeros/2017/completa/Ceara_em_Numeros_2017.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2020.

PIB do Ceará nas Óticas da Produção e da Renda em 2017, novembro de 2019. Disponível em: <https://www.ipece.ce.gov.br/wp-ontent/uploads/sites/45/2019/11/PIB_Ceara _nas_Oticas_Producao_e_Renda_2017.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2020.

INSTITUTO PALMAS DE DESENVOLVIMENTO E SOCIOECONOMIA SOLIDÁRIA (IPDSS). Nota sobre o estudo da Prefeitura Municipal de Fortaleza indicando o Conjunto Palmeiras como o bairro de pior IDH. 2014. Disponível em: <http://www.institutobancopalmas.org/conjunto-palmeiras-x-idh/>. Acesso em: 13 ago. 2020.

______. Manifesto 20 Anos Banco Palmas. 2018. Disponível em: <http://www.institutobanco palmas.org/manifesto-20-anos-banco-palmas/>. Acesso em: 13 ago. 2020.

JACOB, C. A. A.; BRANDÃO, J. B. Projeto Conexão Local, Ano II - Projeto Pingo D’Água: Quixeramobim Ceará. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas (FGV) - Centro de Estudos em Administração Pública e Governo (CEAPG) e GV pesquisa, 2006.

LASTRES, H. M. M. et al. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: IE/UFRJ-SEBRAE, novembro 2003.

NÚCLEO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA (NESOL). Banco Palmas 15 anos: resistindo e inovando. Núcleo de Economia Solidária e Instituto Palmas. USP. São Paulo: A9 Editora, 2013.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. 2013. Disponível em: <http://www.atlas brasil.org.br/2013/pt/radar-idhm/>. Acesso em: 19 dez. 2019.

SILVA, M. A. Q. O Contributo dos Bancos Comunitários para o Desenvolvimento Local e a Economia Solidária: Estudo de Caso do Banco Palmas. 2013. 81 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento, Diversidades Locais e Desafios Mundiais) – Escola de Ciências Sociais e Humanas, Instituto Universitário de Lisboa, 2013.

SINGER, P. Economia solidária versus economia capitalista. Revista Sociedade e Estado, v. 16, n. 1-2, p. 100-112, 2001.

TEIXEIRA, C. D. Historiador analisa cadeia produtiva do Pingo D’água. Jornal Diário do Nordeste, Fortaleza-Ceará, 23 set. 2012. Disponível em: <http://diariodonordeste.verdes mares.com.br/cadernos/regional/historiador-analisa-cadeia-produtiva-do-pingo-d-agua-1.629426>. Acesso em: 13 ago. 2020.

TEIXEIRA, K. H. et al. Arranjo produtivo local Pingo D'água: inovação e cooperação. Revista Econômica do Nordeste. Fortaleza, v. 38, n. 2, abr./jun., p. 276-288, 2007.

ZAOUAL, H. Nova Economia das Iniciativas Locais: uma introdução ao pensamento pós-global. Rio de Janeiro: DP&A; COPPE/UFRJ, 2006.

Downloads

Publicado

2020-10-06