Contribuições acadêmicas de Maria do Livramento Clementino: a interpretação do lugar em suas múltiplas escalas

Autores

  • Wagna Maquis Cardoso de Melo Gonçalves

Palavras-chave:

Abordagens teóricas e metodológicas. Interpretações das escalas. Urbanização. Áreas não Metropolizadas. Região Metropolitana de Natal.

Resumo

O presente trabalho pretende discutir as abordagens teóricas e metodológicas, acerca dos estudos das novas dinâmicas e hierarquias produtivas e os aglomerados urbanos não metropolizados, apresentados pela professora Maria do Livramento Miranda Clementino na ocasião da ministração da disciplina “O Rio Grande do Norte e Natal como objeto e campo de estudo”. Apresentam-se as contribuições do curso e o legado da professora a toda comunidade acadêmica que estuda sobre temas correlatos. Pretende-se contribuir para a consolidação de abordagens teóricas e metodológicas alternativas acerca dos estudos da urbanização em áreas não metropolizadas. Os resultados da metodologia de Clementino apontam que as transformações dos espaços e territórios são: i) produtos de processos heterogêneos e conflitivos, e resultados de lutas sociais históricas; relações econômicas, políticas, culturais; bem como de poder; ii) que não deve haver recortes territoriais sem significado explicativo e liberto da analogia cartográfica; iii) a configuração do território é resultado balanceado da atuação das forças políticas e econômicas; e iv) as formulações heterodoxas e a interdisciplinaridade são importantes na concepção teórica e metodológica na análise dos conflitos que estruturam um determinado espaço e seu legado às gerações futuras. Conclui-se que Clementino apresenta três grandes procedimentos em sua metodologia sobre os estudos do lugar: i) os métodos e as advertências a serem consideradas; ii) a importância de caracterizar, situar historicamente e mediar o local ora estudado, dentro de um contexto de múltiplas escalas; e iii) a necessidade de realizar reflexões acerca dos cenários recentes de transformações do lugar e seus respectivos indutores.

 

 

Referências

BRANDÃO, C. A Dimensão Espacial do Subdesenvolvimento: uma agenda para os estudos regionais e urbanos. Tese de livre docência. Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas. 2003.

CANO, W. Furtado: a questão regional e a agricultura itinerante no Brasil. In: CANO, Wilson. Ensaio sobre a formação econômica regional do Brasil. Campinas. Editora Unicamp. cap. 5, pp. 117-125, 2002.

Desconcentração produtiva regional do Brasil 1970-2005. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil (1930-1995). 2.ed. Campinas: IE/UNICAMP, 1998.

CASTRO, I. E. O problema da escala. In: CASTRO, I. E.; CORREA, R. L.; GOMES, P. C. C. (Organizadores). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. pp. 117-140.

CLEMENTINO, M. L. M. O maquinista de algodão e o capital comercial. Natal: EDUFERN, 1985.

Complexidade de uma urbanização periférica. Tese de doutoramento. Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Campinas, 1990.

O Rio Grande do Norte e Natal como objeto e campo de estudo. Notas de aula. Disciplina ministrada no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2016.

Duas Décadas da Região Metropolitana de Natal. v. 1. 1ed. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2019.

CLEMENTINO, M. L. M.; FERREIRA, A. L. Natal: transformações na ordem urbana. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015.

CLEMENTINO, M. L. M.; FERREIRA, A. L. Transformações recentes na dinâmica urbana da Região Metropolitana de Natal. In: Silva, Sílvio Bandeira de Mello e; Carvalho, Inaiá Maria Moreira de; Corso, Gilberto. (Orgs.). Transformações metropolitanas no Século XXI: Bahia, Brasil e América Latina. 1ed. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2016, v. 1, pp. 1-30.

FIERN. Federação das Indústrias do RN. Mais RN. Natal. 2013. Disponível em: www.fiern.org.br. Acesso em: 27 mar. 2016.

GARCIA, O. L. A economia do estado do Rio Grande do Norte no contexto da economia brasileira de 1985 a 2000. Natal: (Relatório de Pesquisa), 2001.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. SEPLAN. Secretaria de Planejamento do RN. RN Sustentável - 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2016.

VAINER, C. As escalas do poder e o poder das escalas: o que pode o poder local. Texto da VI semana de Planejamento Urbano e Regional. Rio de Janeiro. IPPUR, 1999.

Downloads

Publicado

2020-10-06