BASE NACIONAL COMUM PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (BNC-FORMAÇÃO): que concepção de formação de professores para o curso de pedagogia?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/epeduc.v6i1.3982

Palavras-chave:

Curso de Pedagogia; Currículo; Formação de Professores; BNCC; BNC-Formação.

Resumo

Este artigo visa problematizar os desafios e retrocessos postos para o Curso de Pedagogia no Brasil a partir da Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação).O aporte teórico está fundamentado em autores como: Ramos(2001), Durli e Scheibe (2009), Frigotto (2011), Shiroma e Evangelista (2011),Hypolito(2015),Triches (2016),Ferreti e Silva (2017),Sacristán(2017), Evangelista, Fiera, Titton (2019), Hobold (2020), Hobold e Farias (2020), Brandt, Hobold e Farias (2021),  Simionato e Hobold (2021), entre outros. Os resultados encontrados indicam a concepção de formação de professores das DCNCPe (2006) está ancorada na docência e em uma concepção sócio-histórica e que BNC_Formação (2019) apresenta uma concepção de formação produtivista, ou seja, tecnocrática e fragmentada.

Biografia do Autor

Andressa Graziele Brandt, Instituto Federal Catarinense(IFC) - Campus Camboriú

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Catarina na Linha de Pesquisa: Ensino e Formação de Professores. Mestre em Educação pelo PPGE da Universidade Federal de Santa Catarina ? UFSC. Graduada em Pedagogia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ. Graduada em Administração pela FIMA. Professora da área de Pedagogia, da Licenciatura em Pedagogia, da Licenciatura em Matemática e do Mestrado em Educação do Instituto Federal Catarinense(IFC) - Campus Camboriú, na linha de pesquisa: Processos educativos e inclusão. Integrante do grupo de estudos e Pesquisas: Formação de Professores e Práticas de Ensino - FOPPE (UFSC/CNPq). Integrante Grupo de Pesquisas Interdisciplinares: Educação, Saúde e Sociedade ? GPIESS (UEMA/CNPq). Integrante do grupo de pesquisa TEETIS (Territórios Específicos da Educação e Tecnologias para Inclusão em Sociedade), do(a) Instituto Federal Catarinense. Tutora do Programa de Educação Tutorial/PET- Conexão de Saberes - Educação, trabalho, meio ambiente e responsabilidade social, no Instituto Federal Catarinense- Campus Camboriú. Membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Conselheira do Conselho Municipal de Educação (CME) de Camboriú - SC (2020-2021). Coordenadora Adjunta do Curso Superior de Licenciatura em Pedagogia, do Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú. Autora do livro Trajetórias do Curso de Pedagogia no Brasil. Organizadora de um dossiê na Revista Profissão Docente. Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão. Desenvolve pesquisas sobre a formação de professores (inicial e continuada),Curso de Pedagogia, Didática (práticas de ensino), condições de trabalho, identidade e saberes docentes, Educação Profissional Tecnológica, currículo. ORCID https://orcid.org/0000-0002-8176-1930

Márcia de Souza Hobold, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professora de Didática do Departamento de Metodologia de Ensino e Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (em que leciona a disciplina de Formação de Professores), pertencentes ao Centro de Ciências da Educação, CED/UFSC. Doutora em Educação pela PUC SP. Realizou o Estágio de pós-doutoramento, com bolsa PDJ do CNPq (2013-2015). Cursou a Graduação em Pedagogia (licenciatura) e em Psicologia (bacharelado e licenciatura). Orienta estudantes de doutorado, mestrado, graduação e iniciação científica e supervisiona pós-doutoramento. Trabalhou por dezoito anos no Ensino Fundamental e no Ensino Médio, exercendo as funções de Professora, Orientadora Educacional e Coordenadora Pedagógica. Foi professora da Universidade da Região de Joinville (2008-2017), no Departamento de Psicologia e no Programa de Mestrado em Educação e, nesta universidade, coordenou o Programa de Mestrado em Educação, por quatro anos (2013 a 2016) e, mais dois anos, como vice-coordenadora (2011-2012). No Programa de Mestrado em Educação lecionou as disciplinas obrigatórias da linha de pesquisa Trabalho e Formação Docente. Foi Membro do Comitê de Ética de Pesquisa com Seres Humanos entre os anos de 2009-2012. Entre 2005 e 2019, foi pesquisadora do Núcleo de Pesquisa sobre o Desenvolvimento Profissional dos Professores do Programa de Educação - Psicologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC SP. Desenvolve pesquisas sobre a formação de professores (inicial e continuada), Didática (práticas de ensino), condições de trabalho e início do trabalho docente. Pesquisadora de projeto financiado pelo CNPq (Edital Universal 2018): ?Pesquisa COM Professores Iniciantes: Um estudo sobre indução profissional?, iniciativa interinstitucional (URFJ, UFSC e UECE). Membro da Comissão de Avaliação dos Projetos de PIBIC CNPq do CED/UFSC. Presidenta do Comitê Gestor do Fórum das Licenciaturas da UFSC (gestão 2021-2023). Membro do Conselho Editorial da ?Formação Docente? ? Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores (ANPEd - GT 08/Editora Autêntica), Educação & Educação (UECE) e da Revista Epistemologia e Práxis Educativa (EPEDuc), da UFPI. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisa: Formação de Professores e Práticas de Ensino - FOPPE, da UFSC. Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS), da UECE. Integra a Rede Interinstitucional de Pesquisas sobre a Formação e as Práticas Docentes (RIPEFOR) e a Rede de Estudos sobre Desenvolvimento Profissional Docente (REPED). Membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE) e da Associação Nacional de Didática e Prática de Ensino (ANDIPE). Coordenadora do GT 8 - Formação de Professores da ANPEd, entre os anos de 2018-2019 e, vice-coordenadora, entre 2017-2018. Vice-Presidente da Região Sul da ANFOPE (gestão 2021-2023).

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 3, de 21 de fevereiro de 2006a. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder executivo, Brasília, DF, 11 mar. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pcp003_06.pdf. Acesso em: 22 jan. 2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 1 de julho de 2015. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 22 de jan. 2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file Acesso em: 22 de jan. 2022.

DOURADO, Luiz Fernandes. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica: Concepções e Desafios. In: Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, no. 131, p. 299-324, abr.-jun., 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v36n131/1678-4626-es-36-131-00299.pdf Acesso em: 10 de fev. 2022.

EVANGELISTA, Olinda; FIERA, Letícia; TITTON, Mauro. Diretrizes para formação docente é aprovada na calada do dia: mais mercado. Universidade à esquerda: jornal independente e socialista, [S. l.], 14 nov. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3f8GVrG. Acesso em: 20 jan. 2022.

FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres. Formação de professores em tempos de BNCC: um olhar a partir do campo do currículo. Formação em Movimento v.2, i.2, n.4, p. 380-394, jul./dez. 2020. 382. Disponível em: https://doi.org/10.38117/2675-181X.formov2020.v2i2n4.380-394. Acesso em: 13 fev. 2022.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério a destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v.33, n°119, p.379-404, abr.-jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a04v33n119.pdf. Acesso em: 14 fev. 2022.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Os circuitos da história e o balanço da educação no Brasil na primeira década do século XXI. Rev. Bras. Educ. [online]. 2011, vol.16, n.46, pp. 235-254. Disponível em: https: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n46/v16n46a13.pdf. Acesso em: 13 fev. 2022.

HOBOLD, Márcia de Souza. Diretrizes curriculares para a formação inicial de professores: interesses e intencionalidades. Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108, v. 22, n. 2, p. 57-72, (2020). Disponível em: https://periodicos.furg.br/redsis/article/view/11684. Acesso em: 05 fev. 2022.

HOBOLD, Márcia de Souza; FARIAS, Isabel Maria Sabino de. Didática e formação de professores: contributos para o desenvolvimento profissional docente no contexto das DCNs. Revista Cocar, Belém, Edição Especial, nº.8, p.102-125, jan./abr./2020. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/3050. Acesso em: 08 fev. 2022.

KRAMER, Sônia. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. Educação e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 60, p. 15-35, dez. 1997. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/pW5Psf8rbv9fvxPNbR3LF9K/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 14 fev. 2022.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001, 320p.

SCHEIBE, Leda; DURLI, Zenilde. Curso de Pedagogia no Brasil: olhando o passado, compreendendo o presente. Educação em Foco. Ano 14, n. 17, p. 79-109, jul. 2011. Disponível em: http://www.uemg.br/openjournal/index.php/educacaoemfoco/article/

view/104/139. Acesso em: 10 jan. 2022.

SHIROMA, Eneida Oto; CAMPOS, Roselane Fátima; GARCIA, Rosalba Cardoso Maria. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teóricometodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, SC, v. 23, n. 2, p. 427-466, 2005.

SHIROMA, Erneida OTo; MORAIS, Maria Célia; EVANGELISTA, Olinda. Política educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SHIROMA, Eneida Oto; CAMPOS, Roselane Fátima; GARCIA, Rosalba Cardoso Maria. Conversão das “almas” pela liturgia da palavra: uma análise do discurso do movimento Todos pela Educação. In: Stephen J. Ball; Jefferson Mainardes. (Org.). Políticas Educacionais: questões e dilemas. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2011, v. 1, p. 174-197.

SILVA, Filomena L. G. R. DA; POSSAMAI, Tamiris. Programa Future-se: impactos sobre a autonomia das Instituições Federais de Ensino e sobre o direito à educação. Roteiro, v. 45, p. 1-20, 27 jul. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.18593/r.v45i0.23778. Acesso em: 19 jan. 2022.

SIMIONATO, Margareth Fadanelli; HOBOLD, Márcia de Souza. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial de professores: padronizar para controlar? Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 72-88, 2021. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8917. Acesso em: 20 fev. 2023.

TAFFAREL, Celi Nelza Zulke. Base Nacional Comum para formação de professores da educação básica (BNC-FORMAÇÃO): Ocultar, silenciar, inverter para o capital dominar. Formação em Movimento v.1, n.2, p. 600-607, jul./dez. 2019. Disponível em: http://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2019/11/BNCF-Celi-Taffarel-24112019.pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

RICHES, Jocemara. A internalização da agenda do capital em Cursos de Pedagogia de Universidades Federais (2006-2015). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

Downloads

Publicado

2023-04-18

Como Citar

BRANDT, A. G.; DE SOUZA HOBOLD, M. . BASE NACIONAL COMUM PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (BNC-FORMAÇÃO): que concepção de formação de professores para o curso de pedagogia?. Epistemologia e Práxis Educativa - EPEduc, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 01-19, 2023. DOI: 10.26694/epeduc.v6i1.3982. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/epeduc/article/view/3982. Acesso em: 2 out. 2023.