Algumas considerações sobre uma escola afrocentrada: local, identidade e agência

Autores

Palavras-chave:

Afrocentricidade, Educação, Agência

Resumo

O presente ensaio teórico tem como objetivo reflexões entorno da construção de uma escola afrocentrada a partir do viés de território, identidade e agência. Tal assunto se torna relevante ao levantarmos um breve histórico de etnocídio: o epistemicídio e genocídio provocados pelos mais de 300 anos de escravatura europeia no Brasil e é posteriormente se difundido na forma de colonialidade (degradada) em torno da sociedade brasileira contemporânea. Motivados pelos seguintes questionamentos: “É possível a construção de uma escola afrocentrada?”, “Por que é necessário?”, “Quais são os caminhos viáveis?”, “Haverá barreiras?” e “Quais benefícios haverá para luta antirracista?”, (in)refletiremos a fim de encontrar brevemente alguns posicionamentos. Refletir sobre táticas e estratégias para transmitir epistemologias negras na tentativa de solucionar problemas como a questão racial torna-se de suma importância aos negros no Brasil.

Biografia do Autor

Marcos Borges dos Santos Júnior, Graduado em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduado em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2015), UERJ, Brasil. Possui curso de Formação de Professores, Modalidade Normal em Nível Médio pelo Instituto de Educação Clélia Nanci (2014), Brasil. Membro/Pesquisador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da UERJ (NEAB - UERJ) coordenado pela professora Dra. Maria Alice Rezende Gonçalves. Atualmente é ​bolsista pesquisador em início de carreira pelo Centro Lemann de Liderança para Equidade em Educação, Brasil. Articulista do Jornal Pensar a Educação em Pauta desde 2022. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: filosofia da educação, afrocentricidade, forma escola, relações étnico-raciais. 

Referências

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 93 – 110.

NASCIMENTO, Gizêlda Melo do Nascimento; NASCIMENTO, Elisa Larkin. Reflexões sobre o “descobrimento” das américas. NASCIMENTO, Elisa Larkin(org). A matriz africana no mundo. São Paulo: Selo Negro, 2008. P. 133 – 139.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 02 de set. de 2019.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização, tradução e revisão técnica de Roberto Machado. 7ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018.

LIMA, Ivan Costa. História da educação do negro(a) no Brasil: pedagogia interétnica de Salvador. Curitiba: Appris, 2017

MESSIAS, Ivan dos Santos. Hip-hop: educação e poder, o rap como instrumento de educação. Salvador: EDUFBA, 2015.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Araripe de Sampaio Doria. 16ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

MOORE, Carlos. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. 2ª ed. Belo Horizonte: Nandyala, 2012.

NASCIMENTO, Abdias. O Quilombismo: documentos de uma militância Pan-Africanista. 3. Ed. São Paulo: Perspectiva; Rio de Janeiro: Ipeafro, 2019.

_____. O genocídio do negro brasileiro. São Paulo: Perspectivas, 2016.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. Nota da organizadora referente ao artigo “A função e o futuro dos estudos Africana: reflexões críticas sobre sua missão, seu significado e sua metodologia” de Maulana Karenga. NASCIMENTO, Elisa Larkin (org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 333 – 359.

NOGUERA, Renato. O ensino de filosofia e a lei 10.639. Rio de Janeiro: Pallas; Biblioteca Nacional, 2014.

PETIT, Sandra Haydée. Pretagogia: Pertencimento, Corpo-dança afroancestral e tradição oral africana na formação de professoras e professores, contribuições do legado africano para a implantação da lei n° 10.639/03. FORTALEZA: EdUECE, 2015.

SANTOS JÚNIOR, Marcos Borges dos. Algumas considerações sobre uma escola afrocentrada: entre a periferia e a educação. KWANISSA: Revista de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros, São Luís, v. 2, n. 3, 2019. p. 132-150. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/kwanissa/article/view/10008/6337. Acesso em: 17 de set. de 2019.

SANTOS JÚNIOR, Marcos Borges dos; CORREA, Marco Aurélio da Conceição. Ressignificando o espaço para uma educação contra hegemônica. Interespaço: revista de geografia e interdisciplinaridade, v. 4, p. 420-436, 2018. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/interespaco/article/view/9319/6128. Acesso em: 28 de set. de 2019.

_____. A ancestralidade oral: epistemologias africanas para uma educação antirracista. Revista áfrica e africanidades, v. XI, p. 1-18, 2018. Disponível em: http://www.africaeafricanidades.com.br/documentos/0090072018.pdf. Acesso em: 28 de set. de 2019.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado: Fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. 6. Ed. 2. Reimp. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros: identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. 3. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

_____. Reinventando a Educação: diversidade, descolonização e redes. 2. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

BORGES DOS SANTOS JÚNIOR, M. Algumas considerações sobre uma escola afrocentrada: local, identidade e agência. Epistemologia e Práxis Educativa - EPEduc, [S. l.], v. 5, n. 2, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/epeduc/article/view/3014. Acesso em: 30 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos