PACTO NARCÍSICO DA BRANQUITUDE E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: O SILÊNCIO SOBRE OS NEGROS NAS NARRATIVAS DE CONSTITUIÇÃO DA USP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/caedu.v5i3.5010

Palavras-chave:

branquitude, pacto narcísico, Negros, História da Educação, História da USP

Resumo

O presente trabalho utiliza o referencial teórico dos estudos críticos da branquitude para analisar pesquisas sobre a história da fundação da Universidade de São Paulo. O artigo destaca a maneira como a historiografia perpetuou o silêncio sobre os negros e sobre o racismo que esteve presente na concepção dessa instituição, reforçando sua imagem de suposta neutralidade por meio da prática do pacto narcísico da branquitude. 

Biografia do Autor

Mariana Machado Rocha , Universidade de São Paulo - USP

Pesquisadora das relações raciais na história da Educação. Graduação, mestrado e doutorado concluídos na FEUSP. Desde 2013 estudo e pratico manifestações artístico-culturais afrobrasileiras, como a capoeira e a dança afro no Núcleo de Artes Afrobrasileiras da USP, sob direção artística do Mestre Pinguim. A partir da combinação dos saberes obtidos nos percursos formativos da educação, das artes e das relações raciais desenvolvo um trabalho artístico como poeta, compositora e performer e um trabalho pedagógico como professora, arte educadora e formadora de professores. Ambos contam com mais de 10 anos de experiências com os mais diversos públicos em termos de faixa etária e pertencimento social e racial. Merecem destaque os intercâmbios culturais realizados nos Estados Unidos em que durante um ano, com uma bolsa da Fulbright, fui pesquisadora visitante na Universidade de Illinois em Urbana-Champaign. Durante esse período fui aluna do contra mestre Denis, no grupo Capoeira Angola Center of Mestre João Grande. O segundo intercâmbio cultural se deu na Bahia, onde durante 6 meses fui aluna de Mestre Adó na Associação Cultural de Capoeira Angola Cativeiro.

Referências

REFERÊNCIAS

ANTUNHA, H. C. G. Universidade de São Paulo: Fundação e Reforma. São Paulo: CRPE do Sudeste, 1974.

BARROS, Surya Aaronovich Pombo de. Um balanço sobre a produção da história da educação dos negros no Brasil. In: FONSECA, Marcus Vinícius; BARROS, Surya Aaronovich Pombo de (org.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016. p. 51–72.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Pactos Narcísicos no Racismo: Branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. 2002. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

________. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: BENTO, Maria Aparecida Silva; CARONE, Iray (orgs.). Psicologia social do racismo: Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BERTÚLIO, Dora Lúcia de Lima. Ação Afirmativa no Ensino Superior: considerações sobre a responsabilidade do estado brasileiro na promoção do acesso de negros à Universidade – o Sistema Jurídico Nacional. In: PACHECO, Jairo Q. e SILVA, Maria Nilza (orgs.). O negro na universidade: o direito à inclusão. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007.

CARDOSO, I. de A. R. A Universidade da Comunhão Paulista. São Paulo: Autores Associados/Cortez, 1982.

CARVALHO, José Jorge de. Exclusão Racial na Universidade Brasileira: um caso de ação negativa. In: QUEIROZ, Delcele Mascarenhas (coord.). O negro na Universidade. A cor da Bahia/UFBA. Salvador: Novos Toques, 2002.

CELESTE FILHO, Macioniro. Universidade de São Paulo concebida em 1968 por seus professores, alunos e funcionários. Revista Brasileira de História da Educação, São Paulo: SBHE; Campinas, Autores Associados, v. 17, n. 1, 2017. DOI: 10.4025/rbhe.v17n1.857.

CERTEAU, M. A operação historiográfica. In: CERTEAU, M. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CUNHA, Luiz Antônio. A expansão do ensino superior: causas e consequências. Debate e Crítica, n. 5, p. 27-58, mar. 1975.

________. A Universidade Temporã: O ensino superior da Colônia à era de Vargas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

________. Qual Universidade? São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1989.

DÁVILA, Jerry. Diploma of Whiteness. Durham & London: Duke University Press, 2003. DOI: 10.1215/9780822384441.

FÁVERO, Maria de Lourdes de A. Universidade e Poder: Análise crítica/fundamentos históricos: 1930-1945. Rio de Janeiro: Achiamé, 1980.

________. Universidade do Brasil: das origens à construção. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/INEP, 2000.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio. Acesso de negros às universidades públicas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p.247-268, março de 2003.

MISKOLCI, Richard. O desejo da nação: masculinidade e branquitude no Brasil de fins do XIX. São Paulo, Annablume/FAPESP, 2012. Livro eletrônico. 3557 posições.

JACCOUD, Luciana. Racismo e República: O Debate sobre o Branqueamento e a Discriminação Racial no Brasil. In: THEODORO, Mario (org.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília: Ipea, 2008. p. 49-68.

LABORNE, Ana Amélia de Paula. Branquitude, colonialismo e poder: a produção do conhecimento acadêmico no contexto brasileiro. In: MÜLLER, Tânia M. P.; CARDOSO, Lourenço (orgs.). Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2017.

JESUS, Camila Moreira de. A persistência do privilégio da brancura: nota sobre os desafios na construção da luta antirracista. In: MÜLLER, Tânia M. P.; CARDOSO, Lourenço (orgs.). Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2017.

LIMONGI, Fernando de Magalhães Papaterra. Educadores e empresários culturais na construção da USP. 279f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1988.

MESQUITA FILHO, Júlio de. A crise nacional: reflexões em torno de uma data. São Paulo: Seção de obras de O Estado de S. Paulo, 1925.

MUNANGA, Kabengele. Considerações sobre as Políticas de Ação Afirmativa no Ensino Superior. In: PACHECO, Jairo Q. e SILVA, Maria Nilza (orgs.). O negro na universidade: o direito à inclusão. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007.

PIZA, Edith. Porta de vidro: entrada para a branquitude. In: BENTO, Maria Aparecida Silva; CARONE, Iray (orgs.). Psicologia social do racismo: Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. 6. Ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. São Paulo, Annablume, 2014.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Dando nome às diferenças. In: SAMARA, Eni de Mesquita (org.). Racismo e Racistas: trajetória do pensamento racista no Brasil. São Paulo, Humanitas/FFLCH/USP, 2001.

SILVA, Priscila Elisabete da. Um projeto civilizatório e regenerador: reflexões sobre “raça” no projeto da Universidade de São Paulo (1900-1940). Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

________. O conceito de branquitude: reflexões para o campo de estudo. In: MÜLLER, Tânia M. P.; CARDOSO, Lourenço (orgs.). Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2017.

SILVA, Nádia Maria Cardoso da. Virginia Leone Bicudo e Guerreiros Ramos – para uma epistemologia decolonial da perspectiva negro-brasileira nas Américas. IdeAs, [S.l.], n. 16, 2020. DOI: 10.4000/ideas.9758.

SILVÉRIO, Valter Roberto. Ação Afirmativa: uma política pública que faz a diferença. In: PACHECO, Jairo Q.; SILVA, Maria Nilza (orgs.). O negro na universidade: o direito à inclusão. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007.

Downloads

Publicado

2023-12-18

Como Citar

ROCHA , M. M. PACTO NARCÍSICO DA BRANQUITUDE E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: O SILÊNCIO SOBRE OS NEGROS NAS NARRATIVAS DE CONSTITUIÇÃO DA USP. CAMINHOS DA EDUCAÇÃO diálogos culturas e diversidades, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 01-20, 2023. DOI: 10.26694/caedu.v5i3.5010. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/cedsd/article/view/5010. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS