Aspectos da música e das vivências musicais em São Luís - MA

Autores

  • João Costa Gouveia Neto UEMA

DOI:

https://doi.org/10.26694/caedu.v4i3.3598

Palavras-chave:

Jornais;, Oitocentos;, Música;, São Luís;, Vivências Musicais.

Resumo

Este artigo objetiva traçar um panorama da música e das vivências musicais que aconteciam em São Luís, capital do Maranhão, entre 1850 e 1900, a partir do tipo de música experimentado no Teatro São Luís e no Tivoly, assim como exemplos de partituras, compositores e instrumentos musicais. Para entender materialmente essas ideias, utilizo as notícias e anúncios publicados em jornais do período devido à importância que esse meio de comunicação teve durante o século XIX e pelo fato de a imprensa no Maranhão ter completado 200 anos em 2021. Nesse sentido, através dos jornais é possível escutar os sons produzidos por homens e mulheres ao longo do oitocentos ludovicense, com a execução ao piano ou ao violão das composições em voga na Europa, assim como, as músicas de tradição popular que também faziam parte do cotidiano dos moradores da capital maranhense.

Referências

A CRUZADA, São Luís, ano II, n. 230, jul. 1891.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Vida privada e ordem privada no Império. p. 11-93. In: ALENCASTRO, Luiz Felipe de. (Org.) História da vida privada no Brasil: Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

A SENTINELLA, São Luís, n. 28, jul. 1855.

BARROS, José D’Assunção. História e música: considerações sobre suas possibilidades de interação. História & Perspectivas, v. 31, n. 58, p. 25-39, jan./jun., 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/view/36121. Acesso em: 16 ago. 2021.

BARROS, José D’Assunção. Fontes históricas: introdução aos seus usos historiográficos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Tradução Carlos Felipe Moisés. 1ª reimpressão. São Paulo: Cia das Letras, 1999.

BISPO, Antonio Alexandre. Brasil/Europa & Musicologia: aulas, conferências discursos. Brasília: Anais de Ciência Musica, 1999.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: A história entre certezas e inquietudes. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/ UFRGS, 2002.

CONTIER, Arnaldo Daraya. O nacional na música erudita brasileira: Mário de Andrade e a questão da identidade cultural. Revista Fênix, v. 1, ano 1, n.1, p. 1 -21, out –dez, 2004. Acesso em: 19 nov. 2021.

CORREIA, Maria da Glória Guimarães. Nos fios da trama: quem é essa mulher? Cotidiano e trabalho do operariado feminino em São Luís na virada do século XIX. São Luís: Edufma, 2006.

DAOU, Ana Maria. A belle époque amazônica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

DIÁRIO DO MARANHÃO, São Luís, ano 1, n. 77, dez. 1855.

DIÁRIO DO MARANHÃO, São Luís, ano 16, n. 3485, abr. 1885.

DIÁRIO DO MARANHÃO, São Luís, ano XXI, n.4898, jan. 1890.

DIÁRIO DO MARANHÃO, São Luís, ano 21, n. 51019, set. 1890.

DIÁRIO DO MARANHÃO, São Luís, ano XXII, n. 5496, dez. 1891.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Tradução Ruy Jungmann. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. Vol. 1.

ESTRELLA DA TARDE, São Luís, n. 7, jul.1857.

FREYRE, Gilberto. Vida social no Brasil nos meados do século XIX. 4 ed. São Paulo: Global, 2008.

FREIRE, Vanda Bellard. Rio de Janeiro, século XIX: cidade da ópera. Rio de Janeiro: Garamond, 2013.

GOMES, Leonardo do Couto. QUITZAU, Evelise Amgarten. SILVA, Marcelo Moraes e. As festividades dançantes no Clube Curitibano: os bailes como elemento da cultura física (1881 – 1914). History of Education in Latin America -HistELA, v. 3, e19729, p. 1 -19, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/histela/article/view/19729/12875.

GOUVEIA NETO, JOÃO COSTA; Castro, Cesar Augusto. Os almanaques e a história do ensino de música em São Luís entre as décadas de 1850 e 1870: Primeiras análises. In: Anais do XIV Seminário de Políticas Públicas e Currículo e III Seminário Internacional de Políticas Públicas Educacionais, Cultura e Formação de Professores, Belém – PA: PPGED/UFPA, 2019. v. 1. p. 1-4. https://drive.google.com/file/d/1Slsqmuc-dhB1iX-yAKgORWZGmaqy017K/view

GOUVEIA NETO, João Costa; NAVARRO, Alexandre Guida. Os bailes e as vivências musicais na São Luís da segunda metade do século XIX. p. 95 -110. In: SOUZA, Alexandre Augusto Cals e. (Org.). Ciências sociais e humanidades e a interdisciplinaridade. Jundiaí, SP: Paco, 2021.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

JANSEN, JOSÉ. Teatro no Maranhão. [ s. n], 1974.

KÁROLYI, Ottó. Introdução à música. Tradução Álvaro Cabral. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

LUCA, Tania Regina de. História dos, nos e por meio dos periódicos. p. 111-153. In: PINSKY, Carla Bassanezi (Org.).Fontes históricas. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2008.

MATOS, Marcos Fábio Belo; ARAÚJO, Roni César Andrade de. Imprensa no Maranhão: trajetória bicentenária. Revista Outros Tempos, v. 18, n.32, p.169-175, 2021. Disponível em:<https://outrostempos.uema.br/index.php/outros_tempos_uema/article/view/855/905

MELLO, Luiz de. Cronologia das artes plásticas no Maranhão (1842 – 1930). São Luís: Lithograf, 2004.

MÉRIAN, Jean-Yves. Aluísio Azevedo, vida e obra (1857 – 1913). Rio de Janeiro: Espaço e Tempo; Banco Sudameris; Brasília: INL, 1988.

MOLINA, Matías M. História dos jornais no Brasil: da era colonial à regência (1500 -1840). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

NAPOLITANO, Marcos. História & música: história cultural da música popular. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. Tradução Celso Nogueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

NEVES, Maria Helena Franca. De la traviata ao maxixe: variações estéticas da prática do Teatro São João. Salvador: SCT, FUNCEB, EGBA, 2000.

NOGUEIRA, Lenita Waldige. Música em Campinas nos últimos anos do Império. Campinas, SP: Editora doa Unicamp, CMU, 2001.

PACOTILHA, São Luís, ano 17, n.298, dez. 1897.

PUBLICADOR MARANHENSE, São Luís, ano 10, n. 1273, jun. 1852.

PUBLICADOR MARANHENSE, São Luís, ano 26, n.89, abr. 1867.

RABETTI, Maria de Lourdes. Presença musical italiana na formação do teatro brasileiro. ArtCultura, v. 9, n.15, p.61-81, 2007.

RAINHO, Maria do Carmo Teixeira. A cidade e a moda: novas pretensões, novas distinções – Rio de Janeiro, século XIX. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

Rosa, Luciana Fernandes; BERG, Silvia Maria Pires Cabrera. Entre o erudito e o popular: aproximações e distanciamentos na formação da música urbana brasileira. Revista Tulha, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, pp. 69-90, jan.–jun. 2018. https://www.revistas.usp.br/revistadatulha/article/view/145105/148168

SADIE, Stanley. Dicionário Grove de Música: edição concisa. Tradução de Eduardo Francisco Alves. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

SILVA, José Amaro Santos da. Música e ópera no Santa Isabel: subsídio para a história e o ensino da música no Recife. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2006.

TABORDA, Márcia. Da viola à viola grande: a trajetória do violão no século XIX. p. 183 -207. In: LOPES, Antonio Herculano. (Orgs.) (et al.). Música e história no longo século XIX. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011.

VERMES, Mónica. Música e músicos nos teatros do Rio de Janeiro (1890-1920): trânsitos entre o erudito e o popular. Música Popular em Revista, Campinas, ano 3, v. 2, p. 7-31, jan.-jun. 2015.

https://doi.org/10.20396/muspop.v3i2.13005

VIVEIROS, Jerônimo de. História do comércio do Maranhão (1612 – 1885). São Luís: Lithograf, 1992.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Edição

Seção

ARTIGOS