A IDENTIDADE EPISTEMOLÓGICA DOS EDUCADORES DE EJA NO BRASIL, UM CONSTRUTO HISTÓRICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/epeduc.v5i1.2694

Palavras-chave:

EJA, Epistemologia, Identidade docente, Políticas públicas, Saberes

Resumo

O trabalho docente da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil percorre junto com os educandos, público alvo da modalidade, caminhos de dificuldades e desafios no seu fazer. A EJA, marcada por retrocessos, rupturas e negações, acaba relegando seus educadores ao improviso, a descontinuidade formativa e a efetividade docente, tendo em vista que seu público é sempre relegado a uma condição secundária nas políticas públicas em educação. Diante do exposto, o objetivo central do texto é refletir sobre as políticas públicas na EJA, concepções epistemológicas que norteiam a EJA e a epistemologia crítica.  Faremos isso levando em consideração o contexto histórico de  como se formou no Brasil a EJA e a epistemologia dos docentes que trabalham com esse alunado. Metodologicamente, o artigo tem abordagem qualitativa, trata-se de uma reflexão de cunho teórico, posto que foi desenvolvida a partir de material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos (CALEFFE; MOREIRA, 2006). Acreditamos que as questões expostas neste trabalho contribuem para repensarmos as práticas docentes, políticas públicas, quais as dificuldades e desafios da Educação de Jovens e Adultos, e o que podemos fazer enquanto professores, cidadãos e pesquisadores para que essa educação possa continuar tranformando a vida de pessoas.

 

Referências

ARAUJO, M. T. M. de. Tessituras dos saberes docentes: a epistemologia da Complexidade na construção do saber tecnológico pelo professor dos anos iniciais do Ensino Fundamental, 2020. 312 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Educação, Curitiba, 2020.

BOURDIEU, P. Os excluídos do interior. In:NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (orgs). Escritos da Educação. Petrópolis: Vozes, 1990. p. 218-227.

CASTRO, F. S. A educação de jovens e adultos em Teresina (PI) : contradições entre a proclamação do direito e a efetivação da oferta. 2020. 156f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Piauí, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Teresina, 2020.

COSTA, C. B.; MACHADO, M. M. Políticas públicas e Educação de Jovens e Adultos no Brasil. São Paulo: Editora Cortez, 2017 (Coleção Docência em Formação; Educação de Jovens e Adultos).

FARIA, J.H de. Epistemologia crítica do concreto e momentos da pesquisa: uma proposição para os estudos organizacionais gestão humana e Social. RAM, Rev. Adm. Mackenzie. 16(5), 15-40. Set-out, 2015.Disponível em: https://doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n5p15-40. Acesso em: 05/02/2022.

FREIRE, P. Educação na Cidade. 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários á prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de jovens e adultos. Rev. Bras. Educ., n.14, 2000, pp. 108-130.

JAPIASSU, H. F. Introdução ao pensamento epistemológico. 3ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1979.

MOURA, M. da G. C. Educação de Jovens e Adultos: um olhar sobre sua trajetória histórica/ Maria da Glória Carvalho Moura – Curitiba: Educarte, 2003.

PAIVA, V.P., (1973). Educação popular e educação de adultos. São Paulo: Edições Loyola.

PERNA, I. do S. S; PEREIRA, J. R; PEREIRA, R. da C. Movimentos Sociais e Educação do Campo no cenário nacional: das lutas às políticas públicas. Margens:

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, Evandro. (Orgs). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.SERAFIM, G. S; TAVARES; A.M.B.N, SANTOS, F.A.A. Epistemologia da prática profissional docente: um estudo acerca dos saberes docentes. Revista Epistemologia e Práxis Educativa, Teresina-PI. n. 03, v. 04| maio/agost. 2021.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

RIBEIRO, M. de P. História da formação de professores no Brasil colônia e império: um resgate histórico. Temporalidades – Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFMG. v. 7 n. 2 (mai./ago. 2015) – Belo Horizonte: Departamento de História, FAFICH/UFMG, 2015. ISSN: 1984-6150. Disponível em: https:www.fafich.ufmg.br/temporalidades. Acesso 04 de janeiro de 2022.

RODRIGUES, F. das C. A.; MOURA, M. da G. C. Financiamento da modalidade no contexto do Fundeb: onde avançamos? In: MOURA, Maria da Gloria Carvalho; CARVALHÊDO, Josânia Lima Portela; LEAL, Francisca de Lourdes dos Santos (orgs.). Contributos da Ufpi para a Educação de Jovens e Adultos: história, política e financiamento. Teresina: Edufpi, 2014, p.149- 163.

ROMÃO, J. E.; RODRIGUES, V. L. (Orgs). Paulo Freire e a Educação de Adultos: Teoria e práticas. São Paulo: IPF; Brasília: Liber Livro, 2011.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

Downloads

Publicado

2022-05-22

Como Citar

CARVALHO, D. da S. de; SOARES, F. das C. da P.; OLIVEIRA, J. de S.; MOURA, M. da G. C. A IDENTIDADE EPISTEMOLÓGICA DOS EDUCADORES DE EJA NO BRASIL, UM CONSTRUTO HISTÓRICO. Epistemologia e Práxis Educativa - EPEduc, [S. l.], v. 5, n. 1, 2022. DOI: 10.26694/epeduc.v5i1.2694. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/epeduc/article/view/2694. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos