PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS SOBRE A ATUAÇÃO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NO ESTADO DO MARANHÃO – BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/epeduc.v6i2.3996

Palavras-chave:

Educação Permanente em Saúde, Políticas Públicas de Educação para a Saúde, Gestores de Regionais de Saúde

Resumo

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde permite a identificação das necessidades de desenvolvimento dos profissionais da área da saúde e a construção de estratégias que aprimorem o impacto positivo sobre a saúde individual e coletiva. Objetivo do estudo foi verificar conhecimento, percepção, organização, ações realizadas e principais dificuldades observadas pelos Núcleos de Educação Permanente em Saúde do estado do Maranhão-Brasil. Trata-se de estudo exploratório, descritivo, quantitativo,  realizada entre dezembro de 2020 e junho de 2021. Foram avaliados 27 membros do Núcleo de educação permanente do estado do Maranhão, onde predominaram mulheres (42,6%), com idade entre 25 e 34 anos (51,9%), casados ou em união estável (48,1%), 88,8% se declararam brancos ou pardos, 74,1% possuem enfermagem como formação acadêmica, sendo observado em 59,3% pós-graduação. 51,9% dos avaliados são celetistas, 66,7% são coordenadores do NEP, possuem vínculo entre seis meses e dois anos (48,1%) e 44,4% atuam em hospital de atendimento terciário. Este estudo demonstra que o NEP se encontra em fase de amadurecimento no Maranhão, apresenta dificuldades como ausência de acompanhamento e monitorização das ações, bem como da avaliação de seus resultados.

Biografia do Autor

Maria de Lourdes Carvalho, Universidade de Coimbra

Doutora em Ciências da Educação, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal. 

Joaquim Luís Medeiros Alcoforado, Universidade de Coimbra

Doutor em Ciências da Educação, Professor, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal. 

Referências

ALCOFORADO, L. Uma educação para todos, ao longo e em todos os espaços da vida: desafios para a construção de políticas públicas promotoras de uma cidadania planetária crítica e ativa. In: SILVA, M. F. Mundos Distantes, Diálogos Possíveis: a vida em Mosaico, João Pessoa: Ideia, 2014, p. 14-34.

ALMEIDA, R. G. D. S.; TESTON, E. F.; MEDEIROS, A. D. A. A interface entre o PET-Saúde / Interprofissionalidade e a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Saúde em Debate, v. 43, p. 97-105, 2019.

ALVES, D. M. A experiência da Educação Permanente em Saúde no município de Registro, São Paulo. 2019. -, Universidade de São Paulo.

ARAÚJO, K. Q. M. A. D. Núcleo de educação permanente como ferramenta de gestão organizacional no Hospital Universitário Ana Bezerra: um plano de projeto técnico aplicado. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2009.

CARVALHO, E. R. D. A educação permanente em saúde na perspectiva de gestores da atenção básica. 2020.

CASTRO, A. D. F. F. A educação permanente em saúde do estado do Maranhão. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2017

CUNHA, K. M. Escolas Técnicas do SUS e Comissão Intergestores Regionais. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

DINIZ, D. S.; SÁ, M. D. C. The use of narratives and group device approach in education/continuing education of health professionals: a literature review. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, v. 23, 2019.

FAKHOURI, A. P. ; FRANCISCHETTI, I.; VIEIRA, C. M. Educação permanente em saúde: concepções e práticas de facilitadores. Interfaces da educação, 13, n. 37, 2022.

FIGUEIREDO, E. B. L. D. Educação permanente em saúde: inventando desformações. 2014.

FORTUNA, C. M.; FRANCESCHINI, T. R. D. C.; MISHIMA, S. M.; MATUMOTO, S. et al. Movimientos de la educación permanente en salud desencadenados a partir de la formación de facilitadores. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 19, p. 411-420, 2011.

GIGANTE, R. L.; CAMPOS, G. W. D. S. Política de formação e educação permanente em saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14, p. 747-763, 2016.

HORTA, N. D. C.; SENA, R. R. D.; SILVA, M. E. O.; OLIVEIRA, S. R. D. et al. Practice of family health teams: challenges for the promotion of health care. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 62, p. 524-529, 2009.

LAMANTE, M. P. S.; CHIRELLI, M. Q.; PIO, D. A. M.; DA ROCHA TONHOM, S. F. et al. A educação permanente e as práticas em saúde: concepções de uma equipe multiprofissional. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 7, n. 14, p. 230-244, 2019.

LEITE, C. M.; PINTO, I. C. D. M.; FAGUNDES, T. D. L. Q. Educação permanente em saúde: reprodução ou contra-hegemonia? Trabalho, Educação e Saúde, v. 18, 2020.

LEMOS, C. L. S. Educação Permanente em Saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciênc. Saúde Colet, v. 21, n. 3, mar. 2016.

LIMA, S. A. V.; ALBUQUERQUE, P. C.; WENCESLAU, L. D. Educação permanente em saúde segundo os profissionais da gestão de Recife, Pernambuco. Trabalho, Educação e Saúde, v. 12, p. 425-441, 2014.

MARQUES, J. B. V.; FREITAS, D. D. Método DELPHI: caracterização e potencialidades na pesquisa em Educação. Pro-Posições, v. 29, p. 389-415, 2018.

MATOS, E.; PIRES, D. E. P. D. Práticas de cuidado na perspectiva interdisciplinar: um caminho promissor. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 18, p. 338-346, 2009.

MATUMOTO, S.; FORTUNA, C. M.; KAWATA, L. S.; MISHIMA, S. M. et al. Nurses' clinical practice in primary care: a process under construction. Revista Latino- Americana de Enfermagem, v. 19, p. 123-130, 2011.

MELO, M. C. D.; QUELUCI, G. D. C.; GOUVÊA, M. V. Problematizing the multidisciplinary residency in oncology: a practical teaching protocol from the perspective of nurse residents. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 48, p. 706-714, 2014.

MENDES, E. V. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 31, n. 2, p. 1-3, 2018.

MENDONÇA, F. D. F.; NUNES, E. D. F. P. D. A. Necessidades e dificuldades de tutores e facilitadores para implementar a política de educação permanente em saúde em um município de grande porteno estado do Paraná, Brasil. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, v. 15, p. 871-882, 2011.

MICCAS, F. L.; BATISTA, S. H. S. D. S. Educação permanente em saúde: metassíntese. Revista de Saúde Pública, v. 48, p. 170-185, 2014b.

MISHIMA, S. M.; AIUB, A. C.; RIGATO, A. F. G.; FORTUNA, C. M. et al. Perspectiva dos gestores de uma região do estado de São Paulo sobre educação permanente em saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 49, p. 0665-0673, 2015.

MIYAMOTO, G. A. Núcleo de Educação Permanente em região de municípios de pequeno/médio porte: desafios e potencialidades. 2014.

MONTANHA, D.; PEDUZZI, M. Educação permanente em enfermagem: levantamento de necessidades e resultados esperados segundo a concepção dos trabalhadores. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, p. 597-604, 2010.

MONTEIRO, M. I.; CHILLIDA, M. D. S. P. ; BARGAS, E. B. Educação continuada em um serviço terceirizado de limpeza de um hospital universitário. Revista Latino- Americana de Enfermagem, v. 12, p. 541-548, 2004.

MORAES, K. G.; DYTZ, J. L. G. Política de Educação Permanente em Saúde: análise de sua implementação. ABCS Health Sciences, v. 40, n. 3, 2015.

MOURA, D. G.; BARBOSA, E. F. Trabalhando com projetos: planejamento e gestão de projetos educacionais. Editora Vozes Limitada, 2017.

MUROFUSE, N. T.; RIZZOTO, M. L. F.; MUZZOLON, A. B. F; NICOLA, A. L. Diagnóstico da situação dos trabalhadores em saúde e o processo de formação no polo regional de educação permanente em saúde. Rev Latino-Am Enfermagem. v. 17, n. 3, p. 314-20, 2009.

NICOLETTO, S. C. S.; BUENO, V. L. R. D. C.; NUNES, E. D. F. P. D. A.; CORDONI JÚNIOR, L. et al. Desafios na implantação, desenvolvimento e sustentabilidade da Política de Educação Permanente em Saúde no Paraná, Brasil. Saúde e Sociedade, v. 22, p. 1094-1105, 2013.

NICOLETTO, S. C. S.; MENDONÇA, F. D. F.; BUENO, V. L. R. D. C.; BREVILHERI, E. C. L. et al. Polos de educação permanente em saúde: uma análise da vivência dos atores sociais no norte do Paraná. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 13, p. 209-219, 2009.

OSORIO, A. R. Educación permanente e educación de adultos. Barcelona: Ariel. 2003.

PASCHOAL, A. S.; MANTOVANI, M. D. F.; MÉIER, M. J. Percepção da educação permanente, continuada e em serviço para enfermeiros de um hospital de ensino. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 41, p. 478-484, 2007.

PEDUZZI, M.; GUERRA, D. A. D.; BRAGA, C. P. ; LUCENA, F. S. et al. Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 13, p. 121-134, 2009.

PEIXOTO, L. S.; GONÇALVES, L. C.; DA COSTA, T. D.; DE MELO, C. M. T. et al. Educação permanente, continuada e em serviço: desvendando seus conceitos. Enfermería global, v. 12, n. 1, 2013.

PERES, C.; SILVA, R. F. D.; BARBA, P. C. D. S. D. Desafios e potencialidades do processo de educação permanente em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14, p. 783-801, 2016a.

PESSÔA, L. R.; FERLA, A. A.; ANDRADE, J.; MENEGHEL, S. et al. A educação permanente e a cooperação internacional em saúde: um olhar sobre a experiência de fortalecimento da rede haitiana de vigilância, pesquisa e educação em saúde, no âmbito do projeto Tripartite Brasil-Haiti-Cuba. Divulg Saúd em Debat, v. 49, p. 165- 171, 2013.

PRALON, J. A.; GARCIA, D. C.; IGLESIAS, A. Educação permanente em saúde: uma revisão integrativa de literatura. Research, Society and Development, v. 10, n. 14, p. e355101422015-e355101422015, 2021.

SENA, R. R. D.; GRILLO, M. J. C.; PEREIRA, L. D. Á.; BELGA, S. M. M. F. et al. Educação permanente nos serviços de saúde: atividades educativas desenvolvidas no estado de Minas Gerais, Brasil. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 38, 2017.

SES. Secretaria de Estado da Saúde. Plano Estadual de Educação Permanente em Saúde do Estado do Maranhão 2019 – 2020. Diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde no Estado do Maranhão. Secretaria de Estado da Saúde, 2019.

SILVA, C. B. G.; SCHERER, M. D. D. A. A implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde na visão de atores que a constroem. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, v. 24, p. e190840, 2020.

SILVA, L. A. A. D.; LEITE, M. T.; PINNO, C. Contribuições das comissões de integração ensino-serviço na educação permanente em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 12, p. 403-424, 2014.

SILVA, L. A. A. D.; SCHMIDT, S. M. S.; NOAL, H. C.; SIGNOR, E. et al. Avaliação da educação permanente no processo de trabalho em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14, p. 765-781, 2016.

SILVA, L. A. A. D.; SODER, R. M.; PETRY, L.; OLIVEIRA, I. C. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 38, 2017.

SILVA, R. K. A. D. Importância do núcleo de educação permanente em saúde para enfermagem. 2018. -, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

SIMÕES, A. Educação Permanente e Formação de Professores. Coimbra: Almedina. Coimbra, 1979.

TANJI, S.; SILVA, C. M. D. S. L. M. D.; ALBUQUERQUE, V. S.; VIANA, L. D. O. et al. Integrating teaching, work on nursing and citizenship. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 31, p. 483-490, 2010.

TAVARES, C. M. D. M. A educação permanente da equipe de enfermagem para o cuidado nos serviços de saúde mental. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 15, p. 287-295, 2006.

USP. Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina. Recursos Humanos e Regionalização da Saúde. Programa de Monitoramento e Avaliação da Implementação da Política Nacional de Educação Permanente. São Paulo: FM/USP, 2010.

Downloads

Publicado

2023-08-18

Como Citar

CARVALHO, Maria de Lourdes; ALCOFORADO, Joaquim Luís Medeiros. PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS SOBRE A ATUAÇÃO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NO ESTADO DO MARANHÃO – BRASIL. Epistemologia e Práxis Educativa - EPEduc, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 1–20, 2023. DOI: 10.26694/epeduc.v6i2.3996. Disponível em: https://periodicos.ufpi.br/index.php/epeduc/article/view/3996. Acesso em: 18 jul. 2024.