https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/issue/feed Rev Enferm UFPI 2021-05-13T20:24:08+00:00 Dr. Fernando José Guedes da Silva Júnior fernandoguedes@ufpi.edu.br Open Journal Systems <p>A Revista de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí (REUFPI) é um periódico on-line, editado pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem/Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e sua primeira edição foi publicada em 2012. Atualmente, possui Qualis B3 (qualis provisório), ocupa, desde 2019, o 17º lugar no <em>Ranking Citacion Cuiden</em> e utiliza o <em>Digital Object Identifier</em> (DOI®). O periódico tem como missão promover disseminação do conhecimento científico e da prática profissional da enfermagem e de outras áreas da saúde, por meio da publicação de manuscritos empíricos ou teóricos, com foco na interlocução internacional. </p> <p>A REUFPI, a partir de 2020 passou a adotar o sistema de fluxo contínuo (<em>rolling pass</em>) e também publicará 80 manuscritos por ano, além dos editoriais. A REUFPI aceita manuscritos nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola. Destina-se a publicação de manuscritos originais de pesquisa, revisão, relato de experiência, reflexão e cartas ao editor, desde que atendam às suas normas de publicação. </p> https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/802 Technologies in pandemic times: acceleration in the processes of production and publication 2021-04-09T12:10:56+00:00 Elizabeth Teixeira etfelipe@hotmail.com Edlamar Kátia Adamy edlamar.adamy@udesc.br Márcia Helena Machado Nascimento marcia.nascimento@uepa.br Camila Rodrigues Barbosa Nemer camilarodriguesb08@hotmail.com Nadile Juliane Costa de Castro nadiledecastro@hotmail.com Geyse Aline Rodrigues Dias geysealine@hotmail.com Andressa Tavares Parente andressaparente@yahoo.com.br <p>Testemunhamos um novo agente viral de infecção respiratória, o Sars-CoV-2, que surgiu em novembro de 2019, causando uma epidemia na província de Wuhan, na China, disseminando-se rapidamente pelo mundo, culminando no reconhecimento de uma pandemia declarada em março de 2020 pela Organização Mundial da Saúde.</p> <p>Diante desse novo cenário, buscaram-se diferentes estratégias para preservar a vida, frente à demanda emergencial da pandemia, e assim, passou-se a observar ampla divulgação de informações, conhecimentos e saberes estruturados sobre a pandemia em diversos meios de comunicação, para os mais variados públicos, considerando os contextos de prevenção e controle da nova doença nos serviços de saúde.</p> <p>Nesse contexto, se observou uma intensa produção e publicização de tecnologias, com vistas a dar suporte aos processos de formação e atuação de estudantes, residentes e profissionais da educação e saúde. Se observou ainda a utilização de novos formatos de comunicação, para agilizar e possibilitar interações entre diferentes públicos.</p> <p>Diante da abrangência da temática, a Associação Brasileira de Enfermagem Seção Pará passou a promover webinares sobre o atual contexto de pandemia, e um dos temas tratados foi “Tecnologias em tempos de pandemia”, que as autoras participaram. A partir da intensa discussão realizada sobre o tema durante a transmissão ao vivo, emergiram algumas reflexões que aqui compartilhamos.</p> <p>O que constatamos em tempos de pandemia? No que diz respeito aos componentes instrumentais-materiais (tecnologias duras), os equipamentos de proteção individual (EPI)&nbsp;se sobressaíram em todo o território nacional. Muitos formatos foram desenvolvidos por equipes multiprofissionais e alguns especificamente por enfermeiros. A adesão que antes era de caráter individual, passou a ser em prol do coletivo, e os EPI passaram a ser requeridos e exigidos pelas equipes de enfermagem, com vistas a garantir a qualidade da segurança em distintos ambientes de atendimento.</p> <p>No que tange aos componentes relacionais-informacionais (tecnologias&nbsp;leves e leve-duras),&nbsp;percebeu-se&nbsp;intensa produção-distribuição de livros, manuais, cartilhas, para distintos públicos, para profissionais de saúde, população em geral, e para alguns grupos específicos, como gestantes, idosos, indígenas e outros. Ressalta-se ainda que até meados do mês de abril de 2020,&nbsp;a ênfase da produção-publicização tecnológica recaiu sobre&nbsp;aspectos epidemiológicos; a partir daí,&nbsp;passou a ter destaque os aspectos psicológicos.</p> <p>&nbsp; Neste período, ocorreu a produção e utilização de múltiplos formatos de tecnologias, imprimindo mudanças no processo de trabalho das equipes e no atendimento aos usuários, antes mesmo de adentrarem nos ambientes hospitalares; essas orientações se estenderam ao âmbito pré-hospitalar e atenção básica.</p> <p>Em uma unidade de terapia intensiva neonatal de um hospital público de Belém, Pará, foram produzidas tecnologias de diferentes formatos; no formato tecnologia dura, ressalta-se uma máscara facial de acetato com duas tiaras, criada pela equipe de enfermagem do serviço noturno, por conta da dificuldade de se enxergar com os óculos protetores junto com os óculos de grau; no formato tecnologia leve-dura, produziram-se cinco protocolos: a) de padronização do processo de paramentação e desparamentação dos EPI utilizados nos atendimentos aos recém-nascidos suspeitos/confirmados de COVID 19; b) de intubação; c) de banho no leito; d) de aspiração oro-traqueal; e) de higiene oral; no formato tecnologia leve, foram entregues aos profissionais mensagens motivacionais,&nbsp; fixadas nas embalagens “quentinhas” das refeições dos que se encontravam de plantão.</p> <p>&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp; A pandemia trouxe a emergencial necessidade de reinventar o ensino. Diante do novo contexto ampliou-se a discussão sobre as tecnologias da informação e comunicação (TICs), pela necessidade de substituição temporária das aulas presenciais. Este contexto criou um ambiente favorável para estimular, potencializar e aprimorar seu uso.</p> <p>Vários são os exemplos de IES que reestruturaram e teceram iniciativas na busca por saídas com menor impacto negativo possível. Dentre elas, destaca-se a Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). As medidas foram pensadas para o ensino, pesquisa, extensão e administração a partir da oferta de curso <em>on line</em> sobre o novo coronavírus; elaboração de material educativo (infográficos, vídeos, folder, site instrucional, dentre outros); implementação da comissão de monitoramento para a comunidade acadêmica sintomática e testada positivo para COVID-19; preparo dos ambientes físicos da instituição para o retorno presencial a exemplo das salas de aula, bibliotecas, salas de reuniões, laboratórios, clínicas, sala de professores, áreas administrativas; dentre outras ações.</p> <p>&nbsp;Assim, constatamos que a produção de tecnologias em saúde no contexto da pandemia foi acelerada abarcando diferentes formatos para diversos públicos. As tecnologias publicitadas nas mídias digitais, oriundas desse aceleramento tecnológico, vêm contribuindo com os desafios e iniciativas em unidades hospitalares e em instituições de ensino no Brasil e no mundo. A intensa produção e publicização de diferentes tipos de tecnologias contribuíram com os processos de formação e atuação de docentes e estudantes, residentes e profissionais da educação e saúde, cooperando significativamente no controle e prevenção da pandemia pela COVID-19.</p> <p>Enfim, os desafios para os quais tem-se que atentar daqui em diante são para o período pós-pandemia. Que cada um de nós faça a sua parte.</p> 2021-04-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/806 Nursing students and their perspective about mental health formation: an integrative review 2021-04-10T03:04:59+00:00 John Victor dos Santos Silva john.setedejulho@gmail.com Anderson da Silva Moreira john.setedejulho@gmail.com Thyara Maia Brandão john.setedejulho@gmail.com Ronildo Alves dos Santos john.setedejulho@gmail.com <p><strong>Objetivo:</strong> identificar na literatura a percepção dos estudantes a respeito da formação em saúde mental na graduação em enfermagem no Brasil. <strong>Metodologia: </strong>trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada nas bases de dados Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde, <em>Cumulative Index to Nursing and Allied Health Literature</em>, <em>Scopus</em> e <em>Web of Science</em>, nos meses de julho e agosto de 2020, através de duas estratégias de busca, utilizando descritores em português e inglês<strong>. </strong>A seleção de estudos foi por dois revisores e sistematizada a partir do fluxograma <em>PRISMA, </em>com auxílio do software<em> Rayyan</em>, e aplicada análise de conteúdo para extração dos temas. <strong>&nbsp;Resultados: </strong>a amostra final desta revisão foi de dez artigos, categorizados e apresentados em tabela. Após as análises dos estudos, foram encontrados dois eixos temáticos: 1) aspectos que favorecem a formação em saúde mental, com três subtemas; e 2) aspectos que fragilizam a formação em saúde mental, com seis subtemas.<strong> Conclusão: </strong>embora alguns fatores permitam melhor formação em saúde mental, como as metodologias ativas e estágios, outros aspectos fragilizam, a exemplo da pouca preparação dos docentes, carga horária insuficiente e conteúdos superficiais.</p> 2021-04-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/813 Perception of nursing students on children's mental health 2021-04-12T14:55:28+00:00 Nara Karoliny Carvalho do Monte Sá delmo-carvalho@hotmail.com Delmo de Carvalho Alencar delmo-carvalho@hotmail.com Luisa Helena de Oliveira Lima delmo-carvalho@hotmail.com Ana Karla Sousa de Oliveira delmo-carvalho@hotmail.com Lany Leide de Castro Rocha Campelo delmo-carvalho@hotmail.com <p><strong>Objetivo: </strong>conhecer a percepção de graduandos de enfermagem sobre o conhecimento teórico-prático e experiência de cuidado da saúde mental infantojuvenil proporcionados durante a graduação. <strong>M</strong><strong>e</strong><strong>todo</strong><strong>logia</strong><strong>:</strong> estudo exploratório, descritivo, de abordagem qualitativa, desenvolvido em uma instituição pública de ensino superior, no período de março a abril de 2019. Participaram dez graduandos de enfermagem do último período da graduação, que responderam a entrevistas semiestruturadas, sendo transcritas e submetidas à análise de conteúdo temática. <strong>Resultados:</strong> evidenciaram-se as seguintes categorias de análise: compreensão dos graduandos quanto ao significado de saúde mental; &nbsp;aspectos necessários para que a criança/adolescente tenha uma boa saúde mental; papel do enfermeiro no cuidado da saúde mental de crianças e adolescentes; formação do enfermeiro para o cuidado da saúde mental de crianças e adolescentes. Embora os graduandos sejam capazes de identificar problemas de saúde mental que acometem crianças e adolescentes, não se sentem aptos a prestar o devido cuidado a essa clientela. <strong>Conclusão:</strong> as distâncias entre o ensino e a prática na saúde mental infantojuvenil denotam a necessidade de reestruturação na formação de enfermeiros, da permanente revisão curricular e das estratégias pedagógicas, a fim de melhor preparar os futuros enfermeiros para responder com maior segurança a essa demanda crescente de cuidado.</p> 2021-04-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/803 Attitudes of cancer patients in palliative care towards death in the context of home care 2021-04-09T13:39:22+00:00 Silvia Francine Sartor sartorsilviafrancine@gmail.com Maira Buss Thofehrn sartorsilviafrancine@gmail.com Manuela Gomes Campos Borel sartorsilviafrancine@gmail.com Thayenne Barrozo Mota Monteiro sartorsilviafrancine@gmail.com Caroline Lemos Martins sartorsilviafrancine@gmail.com Isabel Cristina de Oliveira Arrieira sartorsilviafrancine@gmail.com <p><strong>Objetivo:</strong> conhecer a atitude de pacientes oncológicos em cuidados paliativos frente a morte no contexto da internação domiciliar. <strong>Métodos:</strong> estudo descritivo, qualitativo, com seis pacientes oncológicos em cuidados paliativos em internação domiciliar no Sul do Brasil. A coleta de dados ocorreu, de janeiro a março de 2018, por meio de entrevistas semiestruturadas, gravadas e transcritas, e categorizadas pelo <em>software Ethnograph 6.0</em>. Para análise dos dados, se utilizou a análise de conteúdo de Laurence Bardin. <strong>Resultados:</strong> emergiram cinco categorias: o arrependimento como experiência de vida; a morte como ruptura e descanso; a vida após o adoecimento; a vivência da espiritualidade e da religiosidade; os desejos no final da vida. <strong>Conclusão:</strong> os pacientes apresentaram cinco atitudes frente a morte: o arrependimento, questionamento sobre o que seria a morte e aonde ela os levaria; a reflexão sobre o agora e à ressignificação do momento atual; manifestação e fortificação da fé, da religião e da esperança em uma divindade; e desejos.</p> 2021-04-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/809 Care for patients with delirium in the intensive care unit: the nurse's view 2021-04-12T13:38:31+00:00 Camila Caroline Martiniano da Rocha tssantana@uefs.br Pollyana Pereira Portela tssantana@uefs.br Thiago da Silva Santana tssantana@uefs.br Joselice Almeida Gois tssantana@uefs.br Silvânia Sales de Oliveira tssantana@uefs.br <p><strong>Objetivo:</strong> analisar o cuidado ao paciente com delirium na Unidade de Terapia Intensiva através do olhar do enfermeiro. <strong>Metodologia: </strong>estudo qualitativo, exploratório e descritivo, realizado em duas UTI adulto de um hospitalar público, Bahia, Brasil. Participaram do estudo 12 enfermeiros que atenderam aos critérios de inclusão. Os dados foram coletados através de entrevista semiestruturada e analisados por meio da análise de conteúdo. <strong>Resultados: </strong>os resultados foram organizados em categorias os quais revelam que os aspectos do cuidado ao paciente com delirium envolvem atuar, perante a prevenção do delirium, o uso de instrumentos para sua identificação, as intervenções para o cuidado direcionado ao paciente e as facilidades e dificuldades do enfermeiro no cuidado ao paciente com delirium em UTI<strong>.</strong><strong> Conclusão</strong>: o cuidado ao paciente com delirium envolve medidas de prevenção, uso de instrumentos para a sua identificação e ações farmacológicas e não farmacológicas para o seu tratamento. Ademais, o cenário de atuação revela facilidades e dificuldades relacionadas à aproximação com a temática, estando o suporte fornecido pelo serviço de saúde para sua atuação, como desfavorável e o conhecimento, como facilitador/dificultador para o manejo do delirium.</p> 2021-04-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/804 The dispensation of drugs in the primary health care of the Single Health System 2021-04-10T01:04:44+00:00 Cléa Adas Saliba Garbin fernando.chiba@unesp.br Fernando Yamamoto Chiba fernando.chiba@unesp.br Cláudia da Silva Gonçalves fernando.chiba@unesp.br Renan Akira Fujii de Oliveira fernando.chiba@unesp.br Artênio José Ísper Garbin fernando.chiba@unesp.br <p><strong>Objetivo:</strong> analisar a dispensação de medicamentos na atenção primária do Sistema Único de Saúde em um município do Estado de São Paulo. <strong>Metodologia:</strong> realizou-se análise documental dos boletins de movimentação de medicamentos das farmácias das 19 Unidades Básicas de Saúde do município de Araçatuba-SP, sede do Departamento Regional de Saúde II-SP, durante 12 meses. Os medicamentos foram agregados segundo o sistema de classificação <em>Anatomical Therapeutic Chemical</em> e ação farmacológica. Analisou-se o total de medicamentos dispensados e o saldo final dos principais tipos de fármacos. <strong>Resultados:</strong> foram dispensados 60.479.959 medicamentos, sendo 53,10% antibióticos, 15,42% anti-hipertensivos, 5,09% antidepressivos, 4,81% hipoglicemiantes, 3,16% ansiolíticos, 2,82% complexos vitamínicos e minerais, 2,17% antipsicóticos, 1,99% analgésicos, dentre outros tipos (11,45%). Permaneceram disponíveis 8.778.863 medicamentos, sendo os anti-hipertensivos, antidepressivos e ansiolíticos os que representam a maior proporção entre estes. Os antibióticos apresentaram a menor proporção de unidades disponíveis, com aproximadamente 2%. Os hipoglicemiantes apresentaram maior diversidade de fármacos sem unidades disponíveis para dispensação. <strong>Conclusão:</strong> os principais tipos de medicamentos dispensados foram antibióticos, anti-hipertensivos, antidepressivos e hipoglicemiantes. A dispensação de medicamentos foi satisfatória, considerando que mesmo os medicamentos que não apresentaram saldo residual positivo foram substituídos por outros de propriedades farmacológicas similares.</p> 2021-04-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/811 Efficacy of hand hygiene products: A quasi-experimental study 2021-04-12T14:01:33+00:00 Érica de Sousa Batista gilberto.fp@hotmail.com William Caracas Moreira gilberto.fp@hotmail.com Ana Patrícia de Alencar Rego gilberto.fp@hotmail.com Miriam Rodrigues de Sá gilberto.fp@hotmail.com Aline Raquel de Sousa Ibiapina gilberto.fp@hotmail.com Francisco Gilberto Fernandes Pereira gilberto.fp@hotmail.com <p><strong>Objetivo: c</strong>omparar a eficácia de produtos de higienização das mãos. <strong>Metodologia: </strong>estudo quase-experimental, do tipo antes e depois, realizado em laboratório de microbiologia de uma instituição de ensino superior piauiense, com 15 acadêmicos de enfermagem. A coleta de dados foi realizada a partir da testagem dos produtos: detergente neutro, álcool gel 70%, iodopovidona 10% e clorexidina 2%. Os dados foram analisados por meio da ocbservação qualitativa da presença de microrganismos após coloração de Gram nos meios de cultura. <strong>Resultados: </strong>o detergente neutro e o álcool gel 70% possuíram ação semelhante quanto à presença de bactérias identificadas nas amostras, a iodopovidona 10% possibilitou a redução de cocos e bacilos Gram positivos e negativos, e a clorexidina 2% conseguiu eliminar maior variedade de bactérias, incluindo os bacilos Gram negativos, sarcinas, estreptobacilos e estreptococos. <strong>Conclusão: </strong>a higienização das mãos com clorexidina a 2% apresentou qualitativamente maior potencial para redução de microrganismos.</p> 2021-04-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/812 Quality of life at work of the prison agent in Ceará 2021-04-12T14:33:29+00:00 Francisca Misselângela Costa Ramos huanacarolina@yahoo.com.br Huana Carolina Cândido Morais reufpi@gmail.com Regina Kelly Guimarães Gomes Campos huanacarolina@yahoo.com.br Igor Cordeiro Mendes huanacarolina@yahoo.com.br <p><strong>Objetivo:</strong> avaliar a Qualidade de Vida no Trabalho dos agentes penitenciários cearenses. <strong>Metodologia: </strong>estudo transversal e descritivo, com análise quantitativa. A coleta ocorreu nos meses de agosto e setembro de 2018, utilizando-se um questionário eletrônico com dados sociodemográficos e o instrumento <em>Quality of Working Life Questionnaire</em> (QWQL-Bref). A amostragem ocorreu por bola de neve e os dados foram analisados por estatística descritiva. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Católica de Quixadá, sob parecer 2.719.401. <strong>Resultados:</strong> participaram 57 agentes penitenciários, predominando homens, com faixa etária de 31 a 43 anos de idade, casados, com ensino superior completo, que atuam na profissão de um a cinco anos, com jornada trabalhista de 40 a 48 horas semanais. A qualidade de vida no trabalho foi classificada como neutra, sendo o domínio pessoal o único com média satisfatória e o domínio profissional com menor média neutra obtida. <strong>Conclusão:</strong> a qualidade de vida no trabalho foi considerada neutra, mas os fatores de alerta para a diminuição da qualidade de vida no trabalho não podem ser subestimados. Destaca-se a importância de se promover ações para melhorar as condições de trabalho e suas implicações na saúde física e mental destes indivíduos.</p> 2021-04-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/814 Educational difficulties of nursing students during the COVID-19 pandemic: an experience report 2021-04-12T15:11:30+00:00 Beatriz Maria dos Santos Santiago Ribeiro beatrizsantiago1994@hotmail.com Camilla Samira de Simoni Bolonhezi beatrizsantiago1994@hotmail.com Fábio Scorsolini-Comin beatrizsantiago1994@hotmail.com <p><strong>Objetivo:</strong> relatar as dificuldades educacionais observadas em um curso de enfermagem em meio à pandemia da COVID-19. <strong>Método:</strong> a experiência foi produzida na disciplina de Saúde Ocupacional de um curso de graduação em enfermagem de uma instituição privada de ensino superior, localizada no Norte do Paraná. <strong>Resultados:</strong> os estudantes sentiram necessidade de expor as dificuldades para o aprendizado e a adaptação ao modelo de educação remoto implementado em função das medidas de isolamento e de distanciamento social. As atividades mencionadas não se referem apenas à adaptação ao novo modelo, mas atravessam questões como a própria organização da gestão educacional diante do cenário de pandemia. Foram identificadas fragilidades por parte dos alunos pela necessidade de rápida adaptação às tecnologias necessárias para o desenvolvimento e acompanhamento das aulas de modo remoto. <strong>Conclusão:</strong> embora algumas ferramentas digitais de informação e comunicação já estivessem presentes no cotidiano desses alunos em algumas disciplinas, problematiza-se que o contexto da pandemia potencializou as dificuldades com tais tecnologias pelo fato de elas se tornarem mediadoras exclusivas dos processos formativos, demandando a necessidade de construção de modelos que empregassem esses elementos de modo obrigatório resultando em impactos psicológicos.</p> 2021-04-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/815 Academic league and community: extension experiences in the scope of Primary Care 2021-04-12T15:34:16+00:00 Francisco Willian Melo de Sousa williancarire123@gmail.com Eveline Carneiro de Oliveira williancarire123@gmail.com Carlos Romualdo de Carvalho e Araújo williancarire123@gmail.com Maria do Socorro Melo Carneiro williancarire123@gmail.com <p><strong>Objetivo:</strong> relatar a experiência da imersão de acadêmicos de Enfermagem na Atenção Primária por meio da extensão universitária. <strong>Método:</strong> relato de experiência, delineado a partir das primeiras vivências extensionistas como ligante da Liga de Enfermagem em Saúde da Família, em um Centro de Saúde da Família do Município de Sobral, Ceará.&nbsp; As atividades ocorreram durante os meses de março a maio de 2019. Para coleta de informações, utilizou-se o diário de bordo e, posteriormente, fez-se a sistematização e análise dos registros junto à literatura. <strong>Resultados:</strong> as primeiras vivências extensionistas mostraram-se fundamentais para compreensão da comunidade no tocante a sua historicidade, o perfil sociodemográfico, econômico, ambiental, de morbimortalidade, dentre outros; da unidade: estrutura, recursos humanos e materiais, situação organizacional, composição da equipe e a enfermeira preceptora. Além disso, no acompanhamento de consultas ambulatorial e domiciliar, e no planejamento e execução de ações educativas com grupos. <strong>Conclusão:</strong> o conhecimento da comunidade com auxílio do Agente Comunitário de Saúde e as vivências junto à enfermeira, no processo de imersão comunitária, revelou-se importante para o entendimento da dinamicidade da unidade/bairro, a população adscrita e os processos de trabalho, corroborando, assim, na construção de papéis e vínculos, tanto no espaço institucional quanto no comunitário.&nbsp;</p> 2021-04-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/805 Art therapy in the promotion of mental health: an experience report 2021-04-10T02:07:13+00:00 Raphaella Castro Jansen raphaella.jansen@gmail.com Iorana Candido da Silva raphaella.jansen@gmail.com Maria Rayssa do Nascimento Nogueira raphaella.jansen@gmail.com Vitória Costa Oliveira raphaella.jansen@gmail.com Marianna Carvalho e Souza Leão Cavalcanti raphaella.jansen@gmail.com Lívia Moreira Barros raphaella.jansen@gmail.com <p><strong>Objetivo:</strong> relatar a experiência da utilização da arteterapia como instrumento de promoção da saúde mental. <strong>Metodologia:</strong> trata-se de um relato de experiência de uma ação sobre a prática da arteterapia desenvolvida por acadêmicas de Enfermagem em julho de 2019. A atividade aconteceu em uma unidade de semi-internação de um Hospital-Dia e contou com a participação de 20 pacientes adultos com faixa etária entre 20 e 45 anos. A ação foi organizada seguindo as fases de planejamento, implementação e discussão da atividade em grupo. <strong>Resultados:</strong> a ação visou despertar a participação dos pacientes com transtornos mentais para favorecer esclarecimentos, reduzir inquietações, ansiedade e autorreflexão. Os pacientes participaram de forma efetiva da atividade, expressaram seus sentimentos, emoções, ou relataram algum fato da sua vida e cotidiano relacionado à sua produção que lhes significasse felicidade, de maneira a promover a sua saúde mental. <strong>Conclusão:</strong> conclui-se que a arteterapia é importante para fornecer interação direta entre o grupo terapêutico e os profissionais, visto que houve partilha de emoções e sentimentos, além da percepção dos pacientes sobre sua realidade.</p> 2021-04-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista de Enfermagem da UFPI https://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/836 Teaching experiences during the covid-19 pandemic: chronicles of a crisis 2021-05-13T20:24:08+00:00 Fernanda de Nazaré Almeida Costa fepedrinho@yahoo.com.br Elizabeth Texeira fepedrinho@yahoo.com.br Bruna Alessandra Costa e Silva Panarra fepedrinho@yahoo.com.br <p><strong>Objetivo:</strong> relatar a vivência de docentes de cursos de graduação em enfermagem da Região Norte acerca do ensino remoto em meio à pandemia da COVID-19. <strong>Método</strong>: trata-se de um relato de experiência sobre o ensino remoto emergencial, vivenciado por docentes de cursos de graduação em enfermagem durante a pandemia da COVID-19. <strong>Resultados</strong>: a interrupção da modalidade presencial levou estudantes e docentes à modalidade ensino remoto emergencial, que exigiu adoção de recursos tecnológicos pouco ou nunca experimentados. Nesse sentido, os docentes passaram a vivenciar experiências consideradas positivas e negativas e tiveram que dar conta do processo ensino-aprendizagem no formato remoto. Nas vivências, aulas, atividades e avaliação são (re) modelados. <strong>Conclusão</strong>: as vivências dos docentes foram reestruturantes, pois tiveram que se organizar de outra forma para dar conta do ensino remoto. Entre pontos positivos (de menor intensidade) e negativos (de maior intensidade), os docentes foram desafiados diante da necessidade de assegurar a continuidade dos calendários de aulas, mantendo a modalidade remota.</p> 2021-05-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Rev Enferm UFPI