Epidemiological profile of gestational and congenital syphilis in the municipality of Teresina, Piauí

Autores

  • Girzia Sammya Tajra Rocha
  • Rebeca Natacha Barbosa Vieira
  • Amanda Karoliny Meneses Resende Fortes
  • Herla Maria Furtado Jorge
  • Carlos Manuel Dutok-Sánchez

DOI:

https://doi.org/10.26694/reufpi.v12i1.4234

Palavras-chave:

Gravidez, Sífilis Congênita, Notificação de Doenças, Perfil de Saúde

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico de sífilis gestacional e congênita no município de Teresina/Piauí, no período de 2015 a 2019. Métodos: Estudo de corte transversal, com dados secundários referentes aos casos de sífilis gestacional e congênita notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, Sistema de Informação de Mortalidade e no Sistema de Informação de Nascidos Vivos. Resultados: Foram notificadas 1.191 gestantes com sífilis e 1.021 casos de sífilis congênita, entre 2015 e 2019. O ano de 2019 apresentou maior taxa de detecção de gestantes com sífilis, sendo de 32,07% dos casos. A sífilis congênita teve comportamento semelhante nos anos de 2015 a 2018, com destaque para 2015 com 21,94% dos casos. A faixa etária mais notificada foi entre 20 e 29 anos, de nível fundamental incompleto e cor de pele parda. 48,19% dos diagnósticos da sífilis ocorreram durante o 3° trimestre gestacional e 77,47% de esquemas de tratamento foram realizados de forma inadequada no pré-natal. Conclusão: Este estudo revelou uma tendência crescente no número de casos de sífilis gestacional identificados, além de deficiências no diagnóstico e tratamento da doença. Assim, destaca-se a necessidade de reforçar ações para prevenção, identificação precoce e acompanhamento das gestantes e recém-nascidos.

Referências

Silva IMD, Leal EMM, Pacheco HF, Souza Júnior JGD, Silva FSD. Perfil Epidemiológico da Sífilis Congênita. Rev enferm UFPE online. [Internet]. 2019;13(3):604-13. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i3a236252p604-613-2019

Maschio-Lima T, Machado ILL, Siqueira JPZ, Almeida MTG. Epidemiological profile of patients with congenital and gestational syphilis in a city in the State of São Paulo, Brazil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. [Internet]. 2020;19:865-872. doi: https://doi.org/10.1590/1806-93042019000400007

Domingues CSB, Duarte G, Passos MRL, Sztajnbok DCN, Menezes MLB. Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: vigilância epidemiológica. Epidemiol. Serv. Saude. [Internet]. 2021;30(Esp.1):e2020597. doi: https://doi.org/10.1590/S1679-4974202100002.esp1

Organização Mundial da Saúde (OMS). Organização mundial da saúde pública novas estimativas sobre sífilis congênita. [Internet]. 2019. Disponível em: https://www.paho.org/pt/noticias/28-2-2019-organizacao-mundial-da-saude-publica-novas-estimativas-sobre-sifilis-congenita

Ministério da Saúde (BR). Guia para Certificação da Eliminação da Transmissão Vertical de HIV e/ou Sífilis. Brasília, DF. [Internet]. 2021;(ed.2):48. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_certificacao_eliminacao_trasmissao_vertical_hiv_sifilis.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Sífilis. Brasília, BR. [Internet]. 2021. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/especiais/2022/boletim-epidemiologico-de-sifilis-numero-especial-out-2022

Almeida AS, Andrade J, Fermiano R, Jamas MT, Carvalhaes MABL, Parada CMGL. Sífilis na gestação, fatores associados à sífilis congênita e condições do recém-nascido ao nascer. Texto Contexto Enferm. [Internet]. 2021;30:e20200423. doi: https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2020-0423

Organização Mundial da Saúde. 29ª Conferência sanitária pan-americana: 69ª Sessão do comitê regional da OMS para as américas. Washington, D.C., EUA. CSP29/6, Rev. 3. [Internet]. 2017. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/34460/CSP29-6-p.pdf .

Ministério da Saúde (BR). Banco de dados do sistema único de saúde-DATASUS. Painel de monitoramento da mortalidade infantil. Brasília; DF. [Internet]. 2017. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/ .

Ministério da Saúde (BR). Banco de dados do Sistema Único de Saúde-DATASUS. TABNET. Brasília; DF. [Internet]. 2020. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/informacoes-de-saude-tabnet/ .

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Brasileiro de 2020. Rio de Janeiro: IBGR. Rio de Janeiro; RJ. [Internet]. 2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/ .

Figueiredo DCMM, Figueiredo AM, Souza TKB, Tavares G, Vianna RPT. Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cadernos de Saúde Pública. [Internet]. 2020;36(3):e00074519. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00074519

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº. 33, de 14 de julho de 2005. Inclui doenças à relação de notificação compulsória, define agravos de notificação imediata e a relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados pelos Laboratórios de Referência Nacional ou Regional. Brasília; DF. [Internet]. 2005. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs/2005/prt0033_14_07_2005.html

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 542 de 22 Dezembro de 1986. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; DF: Seção 1, p. 19827. [Portaria nº. 33, de 14 de julho de 2005]. 1986. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/portaria-no-542-de-22-dezembro-de-1986/

Gordis L. Epidemiologia. 4. ed. São Paulo: Revinter; 2010.

Benítez J, Yépez MA, Hernández-Carrillo M, Martínez DM, Cubides-Munevar Á, Holguín-Ruiz JA, et al. Sociodemographic and clinical characteristics of gestational syphilis in Cali, 2018. Biomedica. [Internet]. 2021;41(Sp. 2):140-152. doi: https://doi.org/10.7705/biomedica.6003

Conceição HN, Câmara JT, Pereira BM. Análise epidemiológica e espacial dos casos de sífilis gestacional e congênita. Saúde em Debate. [Internet]. 2019;43(123):1145-1158. doi: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912313

Barbosa DRM, Almeida MGD, Silva AO, Araújo AA, Santos AG. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis gestacional. Rev. Enfer. UFPE. [Internet]. 2017;11(5):1867-1874. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/23335

Korenromp EL, Rowley J, Alonso M, Mello MB, Wijesooriya NS S. Guy, et al. Global burden of maternal and congenital syphilis and associated adverse birth outcomes-estimates for 2016 and progress since 2012. PLoS One. [Internet]. 2019;14(7):e0219613]. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0211720

Soares MAS, Aquino R. Associação entre as taxas de incidência de sífilis gestacional e sífilis congênita e a cobertura de pré-natal no Estado da Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. [Internet]. 2021;37 (7):e00209520. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00209520

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília; DF. [Internet]. 2011. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Figueiredo DCMM, Figueiredo AM, Souza TKB, Tavares G, Vianna RPT. Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cad Saude Publica. [Internet]. 2020;36(3):e00074519. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00074519

Lima TM, Machado ILM, Siqueira JPZ, Almeida MTG. Perfil epidemiológico de pacientes com sífilis congênita e gestacional em um município do Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. [Internet]. 2019;19(4):873-880. doi: https://doi.org/10.1590/1806-93042019000400007

Ministério da Saúde (BR). Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Brasília; DF. [Internet]. 2021. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Relatorios/2021/20210422_Relatorio_PCDT_IST_SECRETARIO_588_2021.pdf

Toldo MKS, Menegazzo LS, Souto AS. A recrudescência da sífilis congênita. Arq. Catarin Med. [Internet]. 2018;47(1):02-10. doi: https://doi.org/10.1590/2317-6431-2015-1629

Publicado

2023-08-29

Como Citar

1.
Rocha GST, Vieira RNB, Fortes AKMR, Jorge HMF, Dutok-Sánchez CM. Epidemiological profile of gestational and congenital syphilis in the municipality of Teresina, Piauí. Rev Enferm UFPI [Internet]. 29º de agosto de 2023 [citado 2º de março de 2024];12(1). Disponível em: http://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/4234

Edição

Seção

Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)