Use of episiotomy in a high-risk reference maternity hospital and its associated factors

Autores

  • Natally Calixto Lucena
  • Deisyelle Magalhães Barbosa
  • Bruna Rodrigues Monteiro
  • Silvia Maria Cristovam Barbosa
  • Maria Assunção da Silva Lemos
  • Bárbara de Souza Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.26694/reufpi.v12i1.4099

Palavras-chave:

Episiotomia, Enfermagem Obstétrica, Parto normal

Resumo

Objetivo: Analisar a prática da episiotomia em uma maternidade de alto risco e seus fatores associados Método: Trata-se de um estudo transversal que analisou um total de 333 fichas obstétricas anexadas aos prontuários de puérperas de uma maternidade de alto risco no período de janeiro a dezembro de 2021. Os dados foram coletados de agosto a dezembro do ano de 2022. A análise foi realizada de forma descritiva, utilizando-se o teste Qui-Quadrado a fim de comparar e delinear as proporções dos grupos de amostras de interesse. Resultados: Em 5,41% (18) das parturientes, realizou-se episiotomia; 66,67% (12) tinham histórico de síndrome hipertensiva na gestação; 55,56% (10) encontravam-se na faixa etária de 20- 29 anos; das parturientes, 94,44% (17) pariram em posição litotômica; 94,44% (17) eram primíparas, sem acompanhante na hora do parto, 88,89% (16); e 66,11% (11) tiveram assistência prestada por profissional médico. Conclusão: Muitas são as barreiras a serem enfrentadas para promover e ressaltar o protagonismo da mulher durante o processo de parir, as informações trazidas por este estudo permitiram concluir a continuidade da prática da episiotomia. Com isso, espera-se que o estudo contribua para mudança, readequação e sensibilização das práticas obstétricas profissionais para que ocorra uma transformação desse cenário.

Referências

Santos LM, Santos LMS, Brandão MM, Cerqueira EAC, Ramos MSX, Carvalho ESS. Associação entre perineorrafia e problemas perineais, atividades habituais e necessidades fisiológicas afetadas. Rev Cuid. 2018;9(2):2233-44. Doi: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.530

Aguiar BM, da Silva TP, Pereira S, Sousa AM, Guerra RB, Souza K et al. Factors associated with the performance of episiotomy. Rev Bras Enferm. 2020;73(4):e20190899. Doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0899

Pereira LR, Rodrigues GMM, Ferreira ES, Barros INM, Carneiro MS, Siqueira, LS. Parto normal e intervenções ocorridas em uma maternidade pública. Rev Baiana Enferm. 2019;33:e32631. Doi: https://doi.org/10.18471/rbe.v33.32631

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Brasília: Ministério da Saúde; 2022.

Kampf C, Dias RB. A episiotomia na visão da obstetrícia humanizada: reflexões a partir dos estudos sociais da ciência e tecnologia. Hist Cienc Saude-Manguinhos. 2018;25(4):1155-60. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702018000500013

Nunes RD, Mapelli A, Nazário N, Traebert E, Seemann M, Traebert J. Avaliação dos fatores determinantes à realização da episiotomia no parto vaginal. Enferm Foco. 2019;10(1):71-5. Doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n1.1399

Silva LSR, Guimarães NN, Douberin CA. Análise de fatores associados à prática da episiotomia. Rev Enferm UFPE. 2018;12(4):1046-53. Doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i4a231010p1046-1053-2018

Dias S, Pacheco A. Marcas do parto: as consequências psicológicas da violência obstétrica. Rev Arq Cient. 2020;3(1):04-13. Doi: https://doi.org/https://doi.org/10.5935/2595-4407/rac.immes.v3n1p4-13

Melo BL, Moreira FT Alencar RM, Magalhães BC, Cavalcante EGR, Maia RA, Grayce A. Violência obstétrica à luz da teoria da diversidade e universalidade do cuidado cultural. Rev Cuidarte. 2022;13(1):e1536. Doi: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1536

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas. Manual de gestação de alto risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2022.

Leal M, Bittencourt S, Esteves-Pereira AP, Ayres BV, Silva LB, Thomaz EB, et al. Avanços na assistência ao parto no Brasil: Resultados preliminares de dois estudos avaliativos. Cad Saúde Pública. 2019;35(7). Doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00223018

Estrela FM, Silva K, Cruz MA, Gomes NP. Gestantes no contexto da pandemia da Covid-19: reflexões e desafios. Physis. 2020;30(2):e300215. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-73312020300251

Pelissari LCB, Zilly A, Ferreira H, Spohr FA, Casacio GDM, Silva RM. Prática da episiotomia: fatores maternos e neonatais relacionados. Rev Eletr Enferm. 2022;24:66517. Doi: https://doi.org/10.5216/ree.v24.66517

Min L, Xudong D, Qiubo L, Pingping L, Yuhan L, Guifang Z, et al. Two year follow-up and comparison of pelvic floor muscle electromyography after first vaginal delivery with and without episiotomy and its correlation with urinary incontinence: A prospective cohort study. Acta Obstet Gynecol Scand. 2023;102:200-8. Doi: https://doi.org/10.1111/aogs.14487

Carvalho EM, de Gottems LB, Guilherme DB. O ensino das boas práticas obstétricas na perspectiva dos preceptores da residência. Ciênc Saúde Coletiva. 2022;27(5). Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232022275.23872021

Silva GB, Mendonça T. O papel do enfermeiro obstetra no parto normal humanizado. Rev Cient Multidisc Núcleo Conhec. 2021;6(1):05-25. Doi: https://doi.org/10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/parto-normal-humanizado

Bączek G, Rychlewicz S, Sys D, Rzońca P, Teliga-Czajkowska J. Episiotomy for medical indications during vaginal birth-retrospective analysis of risk factors determining the performance of this procedure. J Clin Med. 2022;11(15):4334. Doi: https://doi.org/10.3390/jcm11154334

Publicado

2023-10-24

Como Citar

1.
Lucena NC, Barbosa DM, Monteiro BR, Barbosa SMC, Lemos MA da S, Ferreira B de S. Use of episiotomy in a high-risk reference maternity hospital and its associated factors . Rev Enferm UFPI [Internet]. 24º de outubro de 2023 [citado 2º de março de 2024];12(1). Disponível em: http://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/4099

Edição

Seção

Original