Healing evolution of surgical wound dehiscence in sternotomy

Autores

  • Adriana Jorge Brandão
  • Verônica Elis Araújo Rezende
  • Lucilene da Silva Silva
  • Yara Maria Rego Leite
  • Iana Cibelly Moreira de Vasconcelos

DOI:

https://doi.org/10.26694/reufpi.v12i1.4046

Palavras-chave:

Deiscência da Ferida Operatória, Cuidados de enfermagem, Cicatrização

Resumo

Objetivo: Descrever a evolução cicatricial de uma deiscência de ferida operatória em esternotomia de uma paciente em pós-operatório de troca valvar mitral e aórtica. Métodos: Estudo descritivo, do tipo estudo de caso, desenvolvido na clínica médica de um Hospital Unversitário da rede EBSERH, em uma paciente com deiscência de ferida operatória em esternotomia. Os dados foram obtidos por meio da avaliação direta da lesão, avaliação fotográfica e dos registros escritos no prontuário da paciente no período de julho a setembro de 2021. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa do Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí - HUUFPI (Número do Parecer: 5.726.375). Resultados: A paciente evoluiu com redução das medidas da área da lesão deiscente, proliferação de bom tecido de granulação e aproximação das bordas da lesão, com a utilização da Terapia por Pressão Negativa e coberturas adequadas a cada fase do processo de cicatrização. Conclusão: O conhecimento acerca do processo de cicatrização de feridas associado ao uso de produtos e tecnologias, como a Terapia por Pressão Negativa, foram fundamentais no tratamento da deiscência de ferida operatória, evitando uma nova abordagem cirúrgica, bem como reduzindo custos e tempo de internação hospitalar.

Referências

Secretaria municipal de saúde de São Paulo. Manual de padronização de curativos. São Paulo: Secretaria municipal de Saúde de São Paulo; 2021.

Dordetto PR, Pinto GC, Rosa TCS de C. Pacientes submetidos à cirurgia cardíaca: caracterização sociodemográfica, perfil clínico-epidemiológico e complicações. Rev Fac Ciênc Méd Sorocab [Internet]. 2016 [cited 2021 Sep 15];18(3):144-9. Available from: https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/25868

Soares GMT, Ferreira DCS, Gonçalves MPC, Alves TGS, David FL, Henriques KMC, et al. Prevalência das Principais Complicações pós-operatórias em cirurgias cardíacas. Rev Bras Cardiologia [Internet]. 2011 [cited 2021 Sep 25];24(3):139-46. Available from: http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2011_03/a_2011_v24_n03_01prevalencia.pdf

Hospital de clínicas da universidade estadual de Campinas (SP). Manual de processos de trabalho do núcleo de estomaterapia: estomias, feridas e incontinência. Campinas: Hospital de clinicas; 2016.

Casteli, CPM, Conceição AP, Ayoub AC. Critérios para realização de curativo em paciente com infecção de órgão/cavidade após cirurgia cardíaca. Estima [Internet]. 2017 [cited 2021 Sep 15];15(3):127-31. Available from: https://www.revistaestima.com.br/index.php/estima/article/view/541

Lima, RVKS, Coltro, PS, Farina, JA. Negative pressure therapy for the treatment of complex wounds. Rev. Col. Bras. Cir. [online]. 2017; 44(1):81-93. Doi: https://doi.org/10.1590/0100-69912017001001.

Schiraldi L, Jabbour G, Centofanti P, Giordano S, Abdelnour E, Gonzalez M, et al. Deep sternal wound infections: Evidence for prevention, treatment, and reconstructive surgery. Arch Plast Surg. 2019;46(4):291-302. Doi: 10.5999/aps.2018.01151.

Kaul P. Sternal reconstruction after post-sternotomy mediastinitis. J Cardiothorac Surg. 2017;12(1):94. Doi: 10.1186/s13019-017-0656-7.

Debreceni T, Szerafin T, Galajda Z, Miskolczi S, Péterffy A. A vákuumtámogatott sebkezelés eredményei szívmutétet követo sternotomiás sebfertozésekben [Results of vacuum-assisted wound closure system in the treatment of sternotomy wound infections following cardiac surgery]. Magy Seb. 2008;61Suppl:29-35. Hungarian. Doi: 10.1556/MaSeb.61.2008.Suppl.8.

Martino A, Re FD, Falcetta G, Morganti R, Ravenni G, Bortolotti U. Sternal Wound Complications: Results of Routine Use of Negative Pressure Wound Therapy. Braz J Cardiovasc Surg. 2020;35(1):50-7. Doi: 10.21470/1678-9741-2019-0242.

Brega C, Calvi S, Albertini A. Use of a negative pressure wound therapy system over closed incisions option in preventing post-sternotomy wound complications. Wound Repair Regen. 2021;29(5):848-52. Doi: 10.1111/wrr.12914.

Agarwal P, Kukrele R, Sharma D. Vacuum assisted closure (VAC)/negative pressure wound therapy (NPWT) for difficult wounds: A review. J Clin Orthop Trauma. 2019;10(5):845-8. Doi: 10.1016/j.jcot.2019.06.015.

Normandin S, Safran T, Winocour S, Chu CK, Vorstenbosch J, Murphy AM, et al. Negative Pressure Wound Therapy: Mechanism of Action and Clinical Applications. Semin Plast Surg. 2021;35(3):164-70. Doi: 10.1055/s-0041-1731792.

Publicado

2023-10-24

Como Citar

1.
Brandão AJ, Rezende VEA, Silva L da S, Leite YMR, Vasconcelos ICM de. Healing evolution of surgical wound dehiscence in sternotomy. Rev Enferm UFPI [Internet]. 24º de outubro de 2023 [citado 2º de março de 2024];12(1). Disponível em: http://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/4046

Edição

Seção

Estudo de caso