Permanent education in maternal and child health for community health agents: an experience report

Autores

  • Erlane Ribeiro dos Santos
  • Isabella Pereira Gadelha
  • Rita de Cássia Souza Soares
  • Lorrane Teixeira Araújo
  • Samuel Murilo Miranda Amador
  • Waléria Beatriz Moura Albuquerque
  • Samantha Pereira Caldas

DOI:

https://doi.org/10.26694/reufpi.v12i1.2949

Palavras-chave:

Agentes Comunitários de Saúde, Recém-Nascido, Período Pós-Parto, Educação Continuada, Promoção da Saúde

Resumo

Objetivo: Relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem na realização de uma atividade de educação permanente para Agentes Comunitários de Saúde sobre os cuidados à puérpera e ao recém-nascido. Métodos: Estudo descritivo, tipo relato de experiência, desenvolvido em uma Unidade de Saúde da Família de Belém-PA, nos meses de fevereiro e março de 2022, envolvendo os acadêmicos de enfermagem, a enfermeira da unidade e 10 Agentes Comunitários de Saúde (ACS). Para a construção e aplicação da atividade utilizou-se a metodologia da problematização através do Arco de Maguerez, representado em cinco etapas: observação da realidade, pontos-chave, teorização, hipóteses de solução e aplicação à realidade. Resultados: Os acadêmicos perceberam que os ACS demonstraram interesse nos assuntos abordados, e relacionaram os temas com as vivências na comunidade, bem como entenderam o papel fundamental que desempenham. Os assuntos observados maiores dúvidas e discussões foram: saúde mental da puérpera, cuidados com a higiene do recém-nascido e o calendário vacinal infantil. Conclusão: Através da experiência dos acadêmicos foi possível evidenciar que a educação permanente aos ACS sobre os cuidados da saúde da puérpera e do recém-nascidos é essencial para a qualidade do atendimento ofertado por eles à comunidade, contribuindo para uma assistência humanizada e individualizada.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional De Atenção Básica. 7th ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Prático do Agente Comunitário de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Nunes CA, Aquino R, Medina MG, Vilasbôas ALQ, Júnior EPP, Luz LA. Visitas domiciliares no Brasil: Características da atividade basilar dos Agentes Comunitários de Saúde. Saúde debate. [Internet]. 2018;42(2):127-144. doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042018S209.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações programáticas estratégicas. Guia de Orientações para o Método Canguru na Atenção Básica: Cuidado Compartilhado. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Santos AC, Meireles CP. A importância da amamentação exclusiva nos 6 primeiros meses de vida e o papel da enfermagem. Revista Coleta Científica. [Internet]. 2021;5(9):58-69. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.5111606.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao Pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Berbel NAN. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina, Ciênc. Soc. Hum. [Internet]. 2011;32(1):25-40. doi: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2011v32n1p25.

Sousa TPP, Oliveira LP, Pereira JR, Carvalho RL, Barbosa T, Teixeira BT. Assistência de enfermagem na depressão pós-parto: Revisão Integrativa. REVISA. 2022; 11(1): 26-35. doi: https://doi.org/10.36239/revisa.v11.n1.p26a35.

Santos ML, Reis JF, Silva RD, Santos DF, Leite FM. Sintomas de depressão pós-parto e sua associação com as características socioeconômicas e de apoio social. Esc. Anna. Nery [Internet]. 2022;26. doi: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2021-0265.

Souza CF, Costa MI, Sena CP. O papel do enfermeiro na orientação do aleitamento materno: Relato de experiência. REMS. [Internet]. 2021;2(4):158. doi: https://doi.org/10.51161/rems/2594.

Santos DA, Leite CL. O papel do enfermeiro na orientação ao aleitamento de forma adequada: Revisão de literatura. Research, Society and Development. [Internet]. 2021;10(15):1-10. doi: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i15.22655.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da Criança: Nutrição Infantil. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Martins KM, Santos WL, Álvares ACM. importância da imunização: Revisão integrativa. Rev. Inic. Cient. Ext. [Internet]. 2019;2(2):96-101. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/153.

Costa P, Meneses NFA, Carmo CJ, Solís-Cordero K, Palombo CNT. Completude e atraso vacinal das crianças antes e após intervenção educativa com as famílias. Corgitare Enferm. [Internet]. 2020;25(1):1-10. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v25i0.67497.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: O que se tem produzido para o seu fortalecimento? Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Publicado

2023-04-13

Como Citar

1.
Santos ER dos, Gadelha IP, Soares R de CS, Araújo LT, Amador SMM, Albuquerque WBM, Caldas SP. Permanent education in maternal and child health for community health agents: an experience report. Rev Enferm UFPI [Internet]. 13º de abril de 2023 [citado 26º de fevereiro de 2024];12(1). Disponível em: http://periodicos.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/2949

Edição

Seção

Relato de Experiência