CONTEXTO DE TRABALHO E FATORES ESTRESSORES DE DOCENTES DO ENSINO AGRÍCOLA: UM OLHAR PARA AS PARTICULARIDADES DO CAMPO

Autores

Palavras-chave:

: Contexto de trabalho docente. Fatores estressores. Ensino profissional e agrícola. Políticas públicas

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi analisar a percepção sobre o contexto do trabalho e os fatores estressores dos docentes dos campi agrícolas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR). A pesquisa foi desenvolvida a partir de abordagem quantitativa e qualitativa, tendo como sujeitos 24 docentes da instituição. O tratamento e análise dos dados seguiram as técnicas de análise exploratória e análise de conteúdo. Através da aplicação de questionário aos participantes, constatou-se que os docentes dos campi agrícolas estão expostos aos riscos comuns da categoria profissional, tais como, estresse, fadiga, problemas de voz, garganta e ossos motores, hipertensão arterial, ansiedade, insônia, rinite alérgica e hérnia de disco; e aos específicos dos trabalhadores rurais, tais como, exposição demasiada ao sol e à mudança brusca do clima, manipulação de reagentes químicos/agrotóxicos, acidentes com animais peçonhentos e contato com dejetos animais. Os docentes desenvolvem ações preventivas, todavia somente 16,7% afirmaram conhecer legislações que amparam os direitos à saúde dos trabalhadores. Em relação às medidas institucionais, existem iniciativas no IFRR de ações de saúde e segurança do trabalho, porém a conjuntura sociopolítica do país dificulta a implementação dessas ações.

Biografia do Autor

TATIANA PEREIRA SODRÉ, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Assistente Social e Mestre em Educação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola

GILMAR FERREIRA VITA, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Biólogo, Gestor Ambiental. Mestre em Biologia Animal. Doutor em Biologia Animal. Pós-Doutorando em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

AMALBERTI, R.; MONTMOLLIN, M.; THEREAU, J. Modèles en analyse du travail. Liége: Mardag, 1991.

AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, A. R. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. p. 35-53.

ASSUNÇÃO, A. A.; OLIVEIRA, D. A. A intensificação do trabalho e a saúde dos professores. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 107, p. 349-272, mai./ago. 2009.

BAIÃO, L. P. M.; CUNHA, R. G. Doenças e/ou disfunções ocupacionais no meio docente: uma revisão de literatura. Revista Formação@Docente, Belo Horizonte, v. 5, n, 1, p. 6-21, jan./jun. 2013.

BRASIL. Doenças relacionadas ao trabalho: Manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde, 2001.

BRASIL. Lei n.º 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 30 dez. 2008. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Portaria n.o 1.366, de 6 de dezembro de 2010. Autoriza as Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica a promover o funcionamento dos seus respectivos Campus. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 8 dez. 2010. Seção 1, p. 7.

BRASIL. Resolução n.º 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 jun. 2013. Seção 1, p. 59.

COSTA, F. R. C. P. Fatores estressores na atividade docente. 2013. 109 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano: Formação Políticas e Práticas Sociais) – Universidade de Taubaté, Taubaté.

DEJOURS, C. Travail, usurementale. De la psycho-pathologie à la psychodynamique du travail. Paris: Bayard; 1993.

FERREIRA, E. F. Análise do processo de discussão/construção de uma política de saúde do trabalhador. 1998. 220 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

FERREIRA, M. C. Qualidade de vida no trabalho: Uma abordagem centrada no olhar dos trabalhadores. 2. Ed. Brasília: Paralelo 15, 2012.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Trabalho e riscos de adoecimento. O caso dos auditores-fiscais da Previdência Social brasileira. Brasília: Edições Ler, Pensar, Agir (LPA), 2003.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Contexto de trabalho. In: SIQUEIRA, M. M. M. (Org.). Medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de escan. Porto Alegre: Artmed, 2008.

GABRIEL FILHO, H. G.; ALVES, R. N.; PEREIRA, H. R.; LACERDA, N. M.; RODRIGUES, T. G.; MATOS, C. H. L.; PRIMO, D. C.; TABOSA, J. N.; GOMES, G. C. Cultivo do sorgo, em sucessão à escanso e aplicação de doses de nitrogênio em Roraima. Revista Brasileira de Energias Renováveis, Curitiba, v. 5, n. 4, p. 538-550, 2016.

GAMA, M. E. R. Organização e escanso ento do trabalho docente: Aspectos condicionantes das atividades dos professores em situações de trabalho escolar. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPEd, 37., 2015, Florianópolis. Anais… Florianópolis: ANPEd, 2015.

GENAIO, M. S. O ensino da Segurança do Trabalho na formação do Tecnólogo em Viticultura e Enologia do Instituto Federal do Sertão Pernambucano. 2012. 74 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

HASHIZUME, C. M.; LOPES, M. M. Trabalho docente rural: dores e escanso do ofício. Estudos e Pesquisa em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 99-108, jul. 2006.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional de professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vida de professores. Porto: Porto Editora, 2000.

IBGE. Índice de nomes geográficos. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2011.

IFRR. Resolução n.º 116 – Conselho Superior, de 14 de fevereiro de 2013. Boa Vista: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima, 2013. Disponível em: <http://www.ifrr.edu.br/acessoainformacao/participacao-social/conselhos-e-orgaos-colegiados/conselho-superior/resolucoes/resolucoes-consup-2013/resolucao-no-116-conselho-superior>. Acesso em: 16 set. 2019.

IFRR. Guia de cursos. Técnicos, Licenciaturas, Tecnologias. Boa Vista: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima, 2014.

IFRR. Histórico. 2018. Disponível em: <http://www.ifrr.edu.br/acessoainformacao/institucional/historico-1>. Acesso em: 16 abr. 2018a.

IFRR. Campus Amajari. Cursos. Roraima: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima, 2018. Disponível em: <http://amajari.ifrr.edu.br/ensino/cursos/cursos>. Acesso em: 28 nov. 2018b.

IFRR. Marca de excelência na educação do extremo norte do Brasil. Disponível em: <http://www.ifrr.edu.br/acessoainformacao/institucional>. Acesso em: 12 ago. 2019a.

IFRR. Histórico do CNP, 2019. Disponível em: <http://www.ifrr.edu.br:8080/campi/novo-paraiso/comunicacao-social/historico>. Acesso em: 16 set. 2019b.

LEMOS, J. C. Cargas psíquicas no trabalho e processos de saúde em professores universitários. 2005. 137 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catariana, Florianópolis.

LIMA, P. S.; GUIMARÃES, M. C.; BRISOLA, M. V. Integração vertical no agronegócio escanso e seus impactos sobre o trabalho e sobre o trabalhador: o caso da escanso . In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, 52., 2014, Goiás. Anais… Salvador: SBE, 2014.

MACHADO, A. R. Por uma concepção ampliada do trabalho do professor. In: GUIMARÃES, A. M. M.; MACHADO, A. R.; COUTINHO, A. (Org.). O interacionismo sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. São Paulo: Mercado das Letras, 2007. P. 77-97.

NIOSH. Stress… At Work. Cincinnati: National Institute for Occupational Safety and Health, 1998. Disponível em: <https://www.cdc.gov/niosh/docs/99-101/default.html>. Acesso em: 28 nov. 2018.

OIT. A escanso dos professores: recomendação Internacional de 1966, um instrumento para a escanso da escanso dos professores. Genebra: Organização Internacional do Trabalho, 1984.

PEREIRA, E. G. Os desafios para a permanência dos docentes no IFRR – Campus Novo Paraíso no contexto da realidade campestre. 2016. 123 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Roraima, Boa Vista.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Suíça: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Genebra, 2001.

RAMMINGER, T; NARDI, H. C. Saúde do Trabalhador: um (não) olhar sobre o servidor público. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 58, n. 2, p. 213-226, abr./jun. 2007.

SELYE, H. The stress of life. New York: McGrawHill, 1965.

SERVILHA, E. A. M.; LEAL, R. O. F.; HIDAKA, M. T. U. Riscos ocupacionais na legislação trabalhista brasileira: destaque para aqueles relativos à saúde e à voz do professor. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 505-513, dez. 2010.

SILVA, P. S. A instituição escolar e a saúde mental dos professores: da abordagem diagnóstica a uma escanso de intervenção. In: Saúde mental do professor. 1. Ed. São Paulo: Expressão & Arte, 2006.

SPSS. Statistical Package for the Social Sciences. New York: International Business Machines, 2013. Versão 22.0.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 14. Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9. Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

TEIXEIRA, M. P.; FREITAS, R. M. V. Acidentes do trabalho rural no interior paulista. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 81-90, abr./jun. 2003.

THERRIEN, J.; LOIOLA, F. A. Experiência e competência no ensino: pistas de reflexões sobre a natureza do saber-ensinar na perspectiva da ergonomia do trabalho docente. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 74, p. 143-160, abr. 2001.

WEBBER, D. V.; VERGANI, V. A profissão de professor na escanso de risco e a urgência por escanso, dinheiro e respeito no meio ambiente laboral. In: ENCONTRO NACIONAL DO CONSELHO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO, XIX., 2010, Fortaleza. Anais… Fortaleza: CONPEDI, 2010.

Downloads

Publicado

2022-08-28

Como Citar

PEREIRA SODRÉ, T., SANAVRIA, A., & FERREIRA VITA, G. (2022). CONTEXTO DE TRABALHO E FATORES ESTRESSORES DE DOCENTES DO ENSINO AGRÍCOLA: UM OLHAR PARA AS PARTICULARIDADES DO CAMPO. Linguagens, Educação E Sociedade, 25(49). Recuperado de http://periodicos.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/2777