O PROCESSO HISTÓRICO DOS DIREITOS HUMANOS PARA AS MULHERES NO BRASIL

Autores

Palavras-chave:

Direitos humanos. Educação em Direitos Humanos. Direitos da Mulher.

Resumo

O presente artigo tem como tema de investigação os direitos humanos das mulheres com ênfase nos direitos das mulheres brasileiras. Os direitos humanos são resultado de uma construção histórica e já são significativos os avanços em termos da legislação relacionada às questões de gênero, o que motivou o interesse na pesquisa. O estudo tem como objetivo analisar os direitos das mulheres em documentos nacionais e internacionais e para tanto foi realizada uma pesquisa com abordagem qualitativa, mediante análise de: declarações, convenções, conferências, planos, estatutos, leis e políticas públicas. O estudo se apoia nos argumentos teóricos de Michel Foucault (1988), com base nos estudos de gênero de Judith Butler (2015), e das contribuições de Simone de Beauvoir (1980). A partir do estudo, foram encontrados 33 documentos, datados entre o período de 1789 a 2015, os quais evidenciam que a luta pelos direitos das mulheres foi intensa no aparato legal. No entanto, há muito para ser conquistado em termos de respeito à dignidade da pessoa humana, diante da complexidade interseccional, considerando a raça, a nacionalidade, a etnia, o gênero, a classe social, a região, a cultura, a religião, a orientação sexual, a identidade de gênero, a geração e a deficiência. Questiona-se a não materialidade de muitas políticas de direitos humanos, evidenciando a necessidade de superação do estigma, das violências, das discriminações, das desigualdades, das condições de exclusão social e de vulnerabilidades que marcam o cotidiano de milhares de mulheres brasileiras.

Biografia do Autor

POLYANA RAQUEL PEDROSO, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Graduanda do último período de Psicologia, participante do Programa de Iniciação Científica Master de diplomação combinada, Mestranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

MARIA LOURDES GISI, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

                MARIA LOURDES GISI

Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Mestre Pontifícia Universidade Católica do Paraná no Programa de Pós-Graduação em Educação. Possui Pós-Doutorado pela Universidade de Genebra.

Referências

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. v. I, II. Tradução Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BONETI, L. W. Panorama histórico dos direitos humanos no mundo. In: BONETI, L. W et al. (Org.). Educação em direitos humanos: história, epistemologia e práticas pedagógicas. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2019.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 72, de 2 de abril de 2013b. Estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos e rurais. Brasília, DF: 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc/emc72.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto 2006a. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília, DF: 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.034, de 29 de setembro de 2009. Estabelece normas para as eleições. Brasília, DF: 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12034.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 05 de agosto de 2013a. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Brasília, DF: 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015b. Dispõe sobre a Lei do Feminicídio. Brasília, DF: 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 150, de 1 de junho de 2015a. Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico. Brasília, DF: 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp150.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de junho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13431.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997. Estabelece normas para as eleições. Brasília, DF: 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9504.htm. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Pesquisa Educacional – INEP. Censo da educação superior 2018. Brasília, DF: 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/censo_da_educacao_superior_2018-notas_estatisticas.pdf. Acesso em: 28 abr. 2020.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres 2013 - 2015. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013c. Disponível em: http://mulheres.ba.gov.br/arquivos/File/Publicacoes/PlanoNacionaldePoliticasparaasMulheres20132015.pdf. Acesso em: 31 ago. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2006b. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpm_compacta.pdf. Acesso em: 31 ago. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/planonacional_politicamulheres.pdf. Acesso em: 31 ago. 2019.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. I Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. 2004. Disponível em: ww.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/conferencias/Mulheres/caderno_propostas_1_conferencia_politicas_para_mulheres.pdf. Acesso em: 08 nov. 2019.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

DE GOUGES, O. Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã. Direito e democracia: 1791. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/viewFile/911/10852 Acesso em: 14 nov. 2019.

FARIA, N.; NOBRE, M. Gênero e desigualdade. São Paulo: Sempre viva Organização Feminista, 1997.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: vontade de saber. v. 1. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

HANISCH, C. The Personal is Political. Notes from the Second Year: Women’s Liberation, 1970.

IBGE. Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e pesquisas – informação demográfica e socioeconômica, nº 38. 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD): Características gerais dos domicílios e dos moradores 2018. 2019a. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/ https://www.ibge.gov.br/ estatisticas/sociais/trabalho/ estatisticas/sociais/trabalho/ 17270-pnad-continua. 17270-pnad-continua. html?edicao=24437. Acesso em: 13 nov. 2019.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD): Educação. 2019b. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101657_informativo.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

NOGUEIRA, C. Interseccionalidade e Psicologia Feminista. Bahia: Editora Devires, 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Conferência Mundial sobre a Mulher - México. 1975. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher. 1979. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4377.htm. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Convenção sobre os Direitos Políticos da Mulher. 1953. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Direitos-da-Mulher/convencao-sobre-os-direitos-politicos-da-mulher.html. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. II Conferência Mundial da Mulher - Copenhague. 1980. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. III Conferência Mundial sobre a Mulher – Nairóbi. 1985. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. IV Conferência mundial sobre a mulher – China. 1995. Disponível em: http://unfpa.org.br/Arquivos/declaracao_beijing.pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Convenção Interamericana para a Prevenção, Punição e Erradicação da Violência contra a Mulher - Belém do Pará. 1994. Disponível em: https://www.camara.leg.br/Internet/comissao/index/perm/cdh/Tratados_e_Convencoes/Mulher/convencao_interamericana_para_erradicar_a_violencia_contra_a_mulher.htm. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Convenção Interamericana sobre a concessão dos direitos civis a mulher. 1948. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OEA-Organização-dos-Estados-Americanos/convencao-interamericana-sobre-a-concessao-dos-direitos-civis-a-mulher.html. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 100. 1951. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_235190/lang--pt/index.htm pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 103. 1952. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_235193/lang--pt/index.htm htm. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 111. 1958. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_235325/lang--pt/index.htm. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 156. 1981. Disponível em: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---ed_norm/---normes/documents/normativeinstrument/wcms_c156_pt.pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 171. 1990. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_236692/lang--pt/index.htm. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 189. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---ed_protect/---protrav/---travail/documents/publication/wcms_169517.pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 3. 1919. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_234869/lang--pt/index.htm. Acesso em: 15 set. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 4. 1919. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_234871/lang--pt/index.htm. Acesso em: 15 set. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 41. 1934. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_235112/lang--pt/index.htm. Acesso em: 15 set. 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Convenção número 89. 1948. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_235133/lang--pt/index.htm. Acesso em: 15 set. 2019.

PAIVA, M. S. A feminilização da AIDS: uma questão de gênero? Revista Brasileira de Enfermagem, v. 52, n. 1, p. 7-13, 1999.

PINSKI, J.; PINSKI, C. B. (org). História da cidadania. São Paulo, SP: Contexto, 2003.

PONTES, D.; DAMASCENO, P. As políticas públicas para mulheres no brasil: avanços, conquistas e desafios contemporâneos. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress, 2017, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Transformações, conexões, Deslocamentos, 2017.

RAGO, L. M. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução a teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora Ltda., 2010.

UNESCO. Plano de ação: Programa Mundial para Educação em Direitos humanos – Primeira fase. 2012a. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000147853_por. Acesso em: 10 set. 2019.

UNESCO. Plano de ação: Programa Mundial para Educação em Direitos humanos – Segunda fase. 2012b. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000217350_por. Acesso em: 10 set. 2019.

UNESCO. Plano de ação: Programa Mundial para Educação em Direitos humanos – Terceira fase. 2015. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000232922. Acesso em: 10 set. 2019.

Downloads

Publicado

2022-08-28

Como Citar

PEDROSO, P. R. ., & GISI, M. L. . (2022). O PROCESSO HISTÓRICO DOS DIREITOS HUMANOS PARA AS MULHERES NO BRASIL. Linguagens, Educação E Sociedade, 25(49). Recuperado de http://periodicos.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/2775