A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

Autores

Palavras-chave:

Ensino de Língua Portuguesa; Formação inicial docente; Organização curricular

Resumo

Atualmente, no Brasil, a formação inicial do professor de Português ocorre em um contexto sócio-histórico complexo. Vivencia-se a “era” do produtivismo acadêmico, cuja ênfase recai nos projetos individuais que visam a fomentar os currículos em detrimento de projetos coletivos que  busquem fortalecer as práticas de formação docente. Ademais, há um conjunto de demandas para o professor universitário, que, conforme os documentos reguladores, precisa formar professores críticos, reflexivos, preparados para lidar com as exigências da contemporaneidade. Considerando tal contexto, objetivamos neste artigo discutir os principais problemas que circundam a formação inicial do professor de Português, com vistas a apontar alguns encaminhamentos. Para desenvolver a discussão aqui proposta, realizamos um estudo exploratório ancorado em dados construídos via pesquisa documental. Foram lidos projetos pedagógicos de instituições de ensino do RN que atuam na formação do professor de Português e respectivas literaturas: PPP-UFRN e PPC-UERN. A análise desses documentos se concentrou  em três grandes desafios para a formação inicial de professores de Português: a) formar professores para os desafios da contemporaneidade, como as novas tecnologias; b) formar professores para atender aos novos grupos sociais que passaram a fazer parte da escola; e c) correlacionar teoria e prática . A razão que justifica a escolha dessas três linhas de discussão decorre do fato de entendermos de serem os principais eixos orientados pelos documentos oficiais que regulam a formação inicial de professores. Ante os desafios que se nos apresentam, faz-se necessário, portanto, um processo constante de discussão nas instituições formativas para buscarem melhorias no processo formativo.

Biografia do Autor

ANDRÉA JANE SILVA, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Possui Graduação em Letras, Português e Inglês. Possui Mestrado em Linguística Aplicada e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atualmente, é professora Adjunto IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

IVONEIDE BEZERRA DE ARAÚJO SANTOS MARQUES, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Possui Graduação em Letras Licenciatura pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1988), Especialização em Leitura e produção de textos pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2000), Mestrado em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2004), Doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2012) e Pós-doutorado na Universidade Estadual de Campinas (2016-2018), atuando como pesquisadora colaboradora (2016-2020) sob a supervisão da Profa. Dra. Angela Bustos Kleiman. Atualmente, é professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Língua Portuguesa, Letramentos, Alfabetização, Formação de professores e Educação de Jovens e Adultos.

Referências

ADORNO, T. W. Educação e Emancipação Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ANTUNES, Fátima. A nova ordem educacional: espaço europeu de educação e aprendizagem ao longo da vida. Coimbra/PT: Almedina, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. 2001. Modernidade Líquida. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: < Page 16 568 http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf> Acesso em: 24 jun. 2021.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. (PCN) Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF.1996.

BRASIL. Resolução CNE/CP 2/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (Cursos de licenciatura, de formação pedagógica para graduados e de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União. Brasília, 2 jul. 2015, seção 1, p. 8-12. 2015.

BRASIL. Resolução CNE/CP 2/2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. Tradução de Isabel Narciso. Porto/PT: Porto Editora, 1999.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 1.ed. Goiânia: Alternativa, 2001.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Ed. Educa, 2002, p. 22.

PIMENTA, Selma. G; ANASTASIOU, Léa. G. Docência no Ensino Superior. São Paulo, SP: Cortez, 2008.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002, p. 177-200.

RAMALHO, Betânia. L. Reflexões sobre o ensino e o exercício da docência no ensino superior. ForGRAD em revista. Vitória, nº. 1, p.26-32, 2006.

SANTOS, Mônica P. O papel do ensino superior na proposta de uma educação inclusiva. Revista Movimento – Revista da Faculdade de Educação da UFF – n. 7, maio de 2003, p. 78-9.

SILVA.A. J. Ser professor de Português: o que dizem os discursos reguladores, os alunos e os professores no contexto da formação inicial. 2011 277 p. Tese (Doutorado em Educação). Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

TARDIF. Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Rio de Janeiro: Petrópolis, Vozes, 17 ed. 2014.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação, n. 13, 2000, p. 5-24.

TREIN, Eunice; RODRIGUES, José. O mal-estar na Academia: produtivismo científico, o fetichismo do conhecimento-mercadoria. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, septiembre-diciembre, 2011, p. 769-792. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Rio de Janeiro/Brasil.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

Downloads

Publicado

2022-08-28

Como Citar

SILVA, A. J. ., & BEZERRA DE ARAÚJO SANTOS MARQUES, I. (2022). A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Linguagens, Educação E Sociedade, 25(49). Recuperado de http://periodicos.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/2769