EMERGENCY REMOTE TEACHING(ERT): REFLEXÕES SOBRE TRABALHO PEDAGÓGICO E USO DAS TIC NA REDE PÚBLICA MUNICIPAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26694/les.v0i46.11444

Palavras-chave:

Emergency Remote Teachig (ERT), Trabalho Pedagógico, Rede de Ensino Municipal

Resumo

O isolamento social, provocado pela pandemia daCOVID-19, promoveu mudanças súbitas nas dinâmicas de vida, especialmente, para os pais, parentes e responsáveis por crianças em situação escolar, gestores de escolas, coordenadores pedagógicos, professores, bem como nas práticas pedagógicas e processos educacionais vigentes, e, sobretudo, para os próprios estudantes. A experiência dos países asiáticos e europeus com a pandemia e suas preocupações com a educação formal foram alertas ao mundo, as quais mostram que a pedagogia flexível, as ferramentas de aprendizagem amigáveis e a facilitação eficaz online podem manter o aprendizado ininterrupto de milhões de alunos no surto daCOVID-19. Porém, o restante do mundo e, em especial, o Brasil, não tiveram a mesma preocupação em planejar a condução das atividades pedagógicas com os alunos, sobretudo, das redes públicas de ensino básico. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo problematizar os desafios vividos por um grupo de gestores, coordenadores e professores sobre as dificuldades de adaptação das aulas presenciais para oEmergency Remote Teaching (ERT). Os dados encontrados elucidaram dificuldades de adaptação do ensino regular para uma dinâmica do ERT na rede pública, tais como a carência de um projeto expressivo realizado pela SecretariaMunicipal de Educaçãoda cidade de Salvador/Bahia em parceria com as escolas;a ausência de participação dos professores e gestoresnas decisões ao oferecimento do ERT; falta de conectividade, de recursos tecnológicos digitais e de espaços de estudos adequados para alunos e professores, gerando uma incapacidade das escolas de contemplar e atender todos os alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

TÂNIA MARIA HETKOWSKI, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-Doutoranda em Educação e Informática (UCHILE), Pós-doutorado em Informática na Educação (UFRGS/RS), Doutora em Educação – Linha Educação e Comunicação (UFBA/BA), Mestre em Educação nas Ciências (UNIJUI/RS. Professora e orientadora nos Programas de Pós-Graduação Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação (GESTEC/UNEB) e Educação e Contemporaneidade (PPGEduC/UNEB).

FABIANA DOS SANTOS NASCIMENTO, Universidade do Estado da Bahia

Mestra e Doutora em Educação e Contemporaneidade (PPGEduC/UNEB). Graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Professora e vice gestora da Secretaria Municipal de Educação de Salvador (SMED/SSA).

KÁTIA SOANE SANTOS ARAÚJO, Universidad del Estado de Bahía

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade (PPGEduC/UNEB). Mestre Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação (GESTEC/UNEB). Graduada em Pedagogia e Normal Superior (UNIJORGE). Pesquisadora do Membro do Grupo de Pesquisa Geotecnologias, Educação e Contemporaneidade (GEOTEC).

Referências

ARENDT, H. A condição humana. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

AXT, Margarete et al. Tecnologias Digitais na Educação: tendências. Educar em Revista, s.l.,p. 237-264, 2003. ISSN 0104-4060.Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-40602003000300012&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 4 de julho 2020.

BARRETO, Raquel Goulart. Tecnologias na formação de professores: o discurso do MEC. São Paulo: Revista Educação e Pesquisa, s.l., v. 29, n. 2, jul./dez. 2003. ISSN 1517-9702. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022003000200006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 de agosto 2020.

BONILLA, Maria Helena. Escola Aprendente: desafios e possibilidades postos no contexto da Sociedade do Conhecimento. 2002. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2002.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 15 jul. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CP n. 5/2020. Dispõe sobre Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo deatividades não

presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razãoda Pandemia da COVID-19. Brasília: Ministério da Educação, 24 abr. 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 30 de maio 2020.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Homeschooling ou educação no lar. Educação em Revista. vol. 35, Belo Horizonte, julho, 2019. ISSN 1982-6621. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0102-46982019000100302&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 22 de agosto 2020.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Homeschooling é possível? A escola além darelação entre ensinar e aprender.SciELO em Perspectiva: Humanas. Abril, 2020. Disponível em: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2020/04/02/homeschooling-e-possivel-a-escola-alem-darelacao-entre-ensinar-e-aprender/. Acesso em: 22 de agosto 2020.

DANIEL, John.Education and the COVID-19 pandemic. Perspectivas. Abril, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s11125-020-09464-3. Acesso em: 25 de agosto2020.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. O mito na sala de jantar: discurso infanto-juvenil sobre televisão. Rio de Janeiro: Movimento, 2001.

FRIZZO, Giovanni Felipe E. Trabalho pedagógico: conceito central no trato do conhecimento da pesquisa em educação. Revista Trabalho Necessário, Niterói, v. 6, n. 6, p. 1-29, 2008. Disponível em: https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/4627/4263. Acesso em: 30 de julho 2020.

GOMEZ, Margarita Victoria. Educação em Rede: uma visão emancipadora. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2004.

HETKOWSKI, Tânia Maria. Políticas Públicas: Tecnologias da Informação e Comunicação e Novas Práticas Pedagógicas. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

HETKOWSKI, Tânia Maria. Cibercultura e Tecnologias: Substituição das Aulas Presenciais por Aulas em Meios Digitais enquanto durar a situação de Pandemia do COVID-19. IN: Didática(s) entre Diálogos, Insurgências e Políticas. XX ENDIPE: Fazeres-Saberes Pedagógicos: Diálogos, insurgências e políticas. Rio de Janeiro: ENDIPE 2020, p. 545-557.

HODGES, Charles B.; MOORE, Stephani; LOCKEE, Barbara B.; TRUST, Torrey; BOND, M. Aaron. The DifferenceBetweenEmergency Remote Teachingand Online Learning.

EducauseRewiew. 2020. Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2020/3/thedifference-between-emergency-remote-teaching-and-online-learning. Acesso: 24 e agosto 2020.

HUANG, R.H., Liu, D.J., Tlili, A., Yang, J.F., Wang, H.H., et al. HandbookonFacilitating Flexible LearningDuringEducationalDisruption: TheChineseExperience in MaintainingUndisruptedLearning in COVID-19 Outbreak. Beijing: Smart LearningInstituteof Beijing Normal University,UNESCO. 2020.Disponível em: https://iite.unesco.org/news/handbook-on-facilitating-flexible-learning-during-educationaldisruption/. Acesso em: 19 de agosto 2020.

KENSKI, Vani Moreira. Memórias em movimento. A angústia do (des)conhecimento na sociedade da informação. Anais... São Paulo: ANPED, 1998.

OLIVEIRA, Maria Cláudia Santos Lopes de. Identidade, narrativa e desenvolvimento na adolescência: uma revisão crítica. Psicol. estud. 2006, vol.11, n.2, pp.427-436.ISSN 1807- 0329. https://doi.org/10.1590/S1413-73722006000200022.Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722006000200022&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 15 maio 2020.

PRETTO, Nelson De Luca. Uma Escola sem/com Futuro: educação e multimídia. São Paulo:Papirus, 1996.

SANTOS, Edméa. Educação On-line: Cibercultura e Pesquisa-Formação na Prática Docente.2005. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação,Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

SCHLEMMER, Eliane e MOREIRA, Antônio. Por um novo conceito e paradigma de educação digital onlife. Revista UFG, v.20, maio, 2020. ISSN: 2179-2925, DOI:10.5216/REVUFG.V20. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/63438/34772.Acesso em: 20 de maio 2020.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura. Withone in fivelearnerskept out ofschool, UNESCO mobilizes educationministersto face the COVID19 crisis.2020.

UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Covid-19: Are childrenabletocontinuelearningduringschoolclosures? A global analysisofthepotentialreachofremotelearningpoliciesusing data from 100 countries, New York, 2020.

VALENTE, José Armando. Diferentes Usos do Computador na Educação. In:VALENTE, José Armando. Computadores e Conhecimento: repensando a educação.Campinas: Gráfica da Unicamp, 1993.

WARSCHAUER, Mark. Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. São Paulo: Editora Senac, 2006.

Downloads

Publicado

2020-03-16

Como Citar

HETKOWSKI, T. M. ., DOS SANTOS NASCIMENTO, F. ., & SANTOS ARAÚJO, K. S. . (2020). EMERGENCY REMOTE TEACHING(ERT): REFLEXÕES SOBRE TRABALHO PEDAGÓGICO E USO DAS TIC NA REDE PÚBLICA MUNICIPAL. Linguagens, Educação E Sociedade, (46), 194-222. https://doi.org/10.26694/les.v0i46.11444

Edição

Seção

Artigos